Representações Sociais dos Discentes sobre Cursos Superiores Seqüenciais

Maria Gentila Vieira Guedes, Fátima Regina Ney Matos, Giselle Cesar Vieira Diniz, Lauro Cesar Vieira Filho
DOI: https://doi.org/10.5329/RECADM.20080702005

Texto completo:

Artigo

Resumo

O presente trabalho tem como proposta verificar se os discentes dos cursos seqüenciais de uma Instituição de Ensino Superior particular, localizada em Recife, re-significam suas representações sociais no decorrer do curso. Esse trabalho é importante para o meio acadêmico porque se espera contribuir positivamente para esclarecer dúvidas a respeito dessa modalidade de ensino superior, favorecer a reflexão sobre esses cursos e compreender as representações sociais que os discentes possuem dos cursos superiores seqüenciais. Com a vivência na coordenação junto aos alunos pode-se observar o envolvimento de alguns em dar continuidade à vida acadêmica. Para construir o referencial teórico, foi mostrado um breve histórico da implantação dos cursos seqüenciais e da contextualização de representações sociais. Com o objetivo de analisar as representações sociais dos discentes sobre a formação nos cursos seqüenciais, é que se considera mais adequada a abordagem qualitativa. Como método de coleta, foi utilizado o teste de evocação de palavras. Pode-se concluir que está havendo uma re-significação das representações sociais dos discentes e que o pragmatismo inicial vem sendo modificado no decorrer do curso por um interesse mais acadêmico.

 

 


Palavras-chave

Representações sociais; Cursos superiores seqüenciais; Ensino superior


Referências


ALVES-MAZOTI, A. J; GEWANDSZNAJDER, F. O método nas Ciências Sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. São Paulo: Pioneira,

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - LDB. Lei nº 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - LDB. Lei nº 4024, de 20 de dezembro de 1961.

BRASIL. Decreto Lei nº 547, de 18 de abril de 1969. Publicado no Diário Oficial da União – DOU de 22 de abril de 1969.

BRASIL. Parecer CNE/CES nº 436, de 02 de abril de 2001. Publicado no Diário Oficial da União – DOU de 06 de abril de 2001.

BRASIL. Resolução Conselho Nacional de Educação - Câmara de Educação Superior (CES) nº 1, de 27 de janeiro de 1999.

BRASIL. Ministério da Educação/INEP. Censo do ensino superior, anos 1998, 1999, 2000, 2001, 2002, 2003. Disponível em www.inep.gov.br. Acesso em outubro de 2008a.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia Estatística - IBGE. Pesquisa Mensal de Emprego. Disponível em www.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores.

Acesso em outubro de 2008b.

CAVEDON, N. R. Antropologia para administradores. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2003.

COSTA, S. G. da. Redução de postos de trabalho e empregabilidade: uma análise a partir de um programa de demissões voluntárias. In: BITENCOURT, C. et al. Gestão contemporânea de pessoas: novas práticas, conceitos tradicionais.

Porto Alegre: Bookman, 2004.

COTRIM, G. História e consciência do Brasil. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 1995.

COUTINHO, M. da P. de L. Depressão infantil: uma leitura psicossociológica. In: MOREIRA, A.S. P. (Org.). Representações sociais: teoria e prática. João Pessoa: Editora Universitária / Autores Associados, 2001.

DEMO, P. Participação é conquista. 3. ed. São Paulo: Cortez, 1996.

DURKHEIM, E. As formas elementares da vida religiosa. São Paulo: Abril Cultural, 1978.

FÁVERO, M. de L. Universidade & poder. Rio de Janeiro: Achimé, 1980.

JOVCHELOVITCH, S. Vivendo a vida com os outros: intersubjetividade, espaço público e representações sociais. In: GUARESHI, P.; JOVCHELOVITCH, S. (Orgs.). Textos em representações sociais. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1995.

MANFREDI, S. M. Educação profissional no Brasil. São Paulo: Cortez, 2002.

MARTINS, R. de O. Cursos seqüenciais. Bauru: Edusc, 2004.

MASETTO, M. (Org.). Docência na universidade. 8. ed. Campinas: Papirus, 2006.

MINAYO, C. de S. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2002.

MOSCOVICI, S. Prefácio. In: GUARESHI, P.; JOVCHELOVITCH, S. (Orgs.). Textos em representações sociais. 2. ed. Petrópolis: Vozes,

MOSCOVICI, S. Representações sociais: investigação em psicologia social. Petrópolis: Vozes, 2003.

OLIVEN, A. C. A marca de origem: comparando colleges norte-americanos e faculdades brasileiras. Cadernos de Pesquisa, v. 35, n. 125, maio/ago, . 111-135, 2005.

PEREIRA, E. M. de A. Estudo sobre cursos seqüências – resolução CES No 1/99 do CNE e deliberação No 7/99 do CEE, disponível em

http://www.prg.unicamp.br/est._cursos_sequenciais

_elisabete_monteiro.html. Acesso em junho 2007.

SANTOS FILHO, J. C; GAMBOA, S. S. Pesquisa educacional: quantidade-qualidade. São Paulo: Cortez, 1995.

SAVIANI, J. R. Empresabilidade: como as empresas devem agir para manter em seus quadros elementos com alta taxa de

empregabilidade. São Paulo: Makron Books, 1997.

SPINK, M. J. Desvendando as teorias implícitas: uma metodologia de análise das representações sociais. In: GUARESHI, P.; JOVCHELOVITCH, S. (Orgs.). Textos em representações sociais. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1995.

TEIXEIRA, A. O ensino superior no Brasil: análise e interpretação de sua evolução até 1960. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1989.

VERGARA, S. C. Métodos de pesquisa em administração. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2006.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.