AVALIAÇÃO DE MODELO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CORPORATIVOS SEGUNDO RECOMENDAÇÕES DO IBGC: CASO BRASIL TELECOM

Valber Pinto do Nascimento, Carlos André de Melo Alves
DOI: https://doi.org/10.21529/RECADM.20070602001

Texto completo:

Artigo

Resumo

O gerenciamento de riscos corporativos tornou-se importante tema acadêmico nos últimos anos. O objetivo dessa pesquisa foi avaliar o nível de aderência do modelo de gerenciamento de riscos corporativos da Brasil Telecom às recomendações propostas pelo Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC. Para tal fim realizou-se revisão teórica e pesquisa empírica, por meio de estudo de caso descritivo. Foram coletados documentos internos e públicos, bem como aplicados questionários aos responsáveis pela área de gerenciamento de riscos corporativos. A análise empregou cinco itens e dez subitens baseados em recomendações constantes no documento ‘Guia de Orientação para Gerenciamento de Riscos Corporativos’ (IBGC, 2007). Os itens foram: ‘Objetivos Estratégicos e Perfil do Risco’, ‘Categorização de Riscos’, ‘Mensuração e Tratamento do Risco’, ‘Governança do Gerenciamento do Risco’ e ‘Informação, Comunicação e Capacitação’. Com base nos dados da pesquisa, constatou-se a aderência do modelo atual de gerenciamento de riscos às recomendações propostas pelo IBGC.

Palavras-chave

Gerenciamento de Riscos; Instituto Brasileiro de Governança Corporativa; Brasil Telecom


Referências


BARALDI, Paulo. Gerenciamento de Riscos: a gestão da oportunidade, a criação de controles internos e a avaliação de riscos nas decisões. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

BARBOSA, G. T. Cuidando de Uma Trajetória Segura. In: DUARTE Jr. A. M.; VARGA, G. (org.). Gestão de Riscos no Brasil. Financial Consultoria, 2003.

BERNSTEIN, P.L. Desafio dos Deuses. A Fascinante História do Risco. 14ª ed. Rio de Janeiro, Elsevier Editora, 1997.

BRT. BRASIL TELECOM. A companhia: Perfil Corporativo e História. 2007. Disponível em .

COSO. Committee Of Sponsoring Organisation of Treadway Commission. Enterprise Risk Management. Integrated Framework. Executive Summary. September, 2004. Disponível em:

. Acesso em 03/05/2007.

CRESWELL, J. W. Projeto de Pesquisa. Métodos Qualitativo, Quantitativo e Misto. 2ª ed. Bookman, 2007.

CROUHY, M.; GALAI, D.; MARK, R. Gerenciamento de risco: abordagem conceitual e prática. uma visão integrada dos riscos de crédito, operacional e de mercado. Rio de Janeiro, Qualitymark Editora, 2004.

DUARTE Jr., A. M.; LÉLIS, R. J. F. Alocação de capital em bancos no Brasil. In: DUARTE Jr. A. M.; VARGA, G. (org.). Gestão de Riscos no Brasil. Financial Consultoria, 2003.

FERRAZ, M. Utilização de derivativos exóticos no gerenciamento de risco em empresas. In: DUARTE Jr. A. M.; VARGA, G. (org.). Gestão de Riscos no Brasil. Financial Consultoria, 2003.

IBGC. Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. Guia de Orientação para Gerenciamento de Riscos Corporativos / Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. Eduarda La Rocque (coord). São Paulo, IBGC, 2007 (Série de Cadernos de Governança Corporativa, 3). Disponível em: . Acesso em 03/05/2007.

JORION, Philippe. Value at Risk: A Nova Fonte de Referência para o Controle do Risco de Mercado. 2ª ed. São Paulo: Bolsa de Mercadorias & Futuros, 2003.

YIN, Robert. Estudo de caso, planejamento e métodos. 3º ed, São Paulo; Bookman, 2005.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.