O planejamento estratégico e a visão baseada em recursos (RBV): uma avaliação da tecnologia da informação na gestão hospitalar

Saulo Barbara de Oliveira, Favio Akiyoshi Toda
DOI: https://doi.org/10.5329/RECADM.2013006

Texto completo:

Artigo

Resumo

O artigo apresenta os resultados de uma pesquisa empírica conduzida em cinco hospitais públicos da cidade do Rio de Janeiro. Traz em destaque o caso de um hospital público que poderá servir de benchmarking para outros hospitais brasileiros, uma vez que tem na Tecnologia da Informação (TI) e no Planejamento Estratégico (PE) um valioso ativo para o desenvolvimento de suas competências, indo ao encontro da teoria RBV (resource-based view). A pesquisa, de natureza qualitativa e exploratória analisa a percepção dos gestores de hospitais sobre a situação em que se encontram a consciência, as ações e as práticas da gestão estratégica de TI. Os dados de campo foram coletados em entrevistas feitas com os gestores de TI e de infraestrutura desses hospitais. O estudo possibilitou identificar carências e problemas relativos ao PE, seleção, implantação e uso da TI, e de outras ferramentas nos hospitais investigados. Os resultados são preocupantes e apresentam relatos do quanto a gestão hospitalar precisa ser aprimorada, especialmente no tocante ao reconhecimento da TI como recurso valioso para o desenvolvimento de competências organizacionais e inovações.

  


Palavras-chave

Gestão Hospitalar; Visão Baseada em Recursos; Planejamento Estratégico; Tecnologia da informação


Referências


Aghaei, S., Nematbakhsh, M. A. & Farsani, H. K. (2012). Evolution of the world wide web: From WEB 1.0 TO WEB 4.0. International Journal Web & Semantic Technology, 3(1), 1-10.

Albuquerque, J. P. (2009). Repensando processos de formalização em sistemas informatizados: analisando a co-evolução entre software e práticas organizacionais. Revista Eletrônica de Comunicação Informação e Inovação em Saúde, 3(2), 7-15.

Albuquerque, J. P, Prado, E. P. V., & Machado, G. R. (2011). Ambivalent implications of health care information systems: a study in the Brazilian public health care system. Revista de Administração de Empresa [online], 51(1), 58-71.

Almeida, G. W., & Melllo, R. C. (2004). Uso de novas tecnologias de informação por profissionais da área da saúde na Bahia. Revista de Administração Contemporânea, 8(3), 09-27.

Artmann, E. & Rivera, F. J. U. (2003). A demarche stratégique (gestão estratégica hospitalar): um instrumento de coordenação da prática hospitalar baseada nos custos de oportunidade e solidariedade. Ciência & Saúde Coletiva, 8(2), 478-499.

Barbosa, J. G. P, Gonçalves, A. A., & Simonetti, V. (2009). A proposed architecture for implementing a knowledge management system in the Brazilian National Cancer Institute. Brazilian Administration Review, 6(3), 247-262.

Bardin, L. (2009). Análise de conteúdo (Ed. rev. e atual.). Lisboa: Edições 70.

Barney, J. B. H. (1991). Firms resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, 17(1), 99-120.

Barney, J. B. H. (1996). Gaining and sustaining competitive advantage. New York: Addison-Wesley Publishing Company.

Barney, J. B. H., & Hesterly, W.S. (2007). Administração estratégica e vantagem competitiva (Ed. rev.). São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Borba, V. R. (2011). Estratégia e ação: BSC no contexto das organizações de Saúde. Rio de Janeiro: Editora DOC.

Bryson, J. M., Ackermann, F., & Eden, C. (2007). Putting the resource-based view of strategy and distinctive competencies to work in public organizations. Public Administration Review, 67(4), 702-717.

Capretz, M. A., Toledo, M. B. F., Fantinato, M., Garcia, D. Z. G., Wang, S., Allison, D., Nabuco, O., Rodrigues, M., Bonacin, R., Sasse, E. C., Gimenes, I., & Cunha, A, B. (2009). Tecnologias de Internet em uma plataforma de colaboração para a pesquisa médica. Revista Eletrônica de Comunicação Informação e Inovação em Saúde, 3(4), 210-225.

Cavalcante, M. T. L., & Vasconcellos, M. M. (2007). Tecnologia de informação para a educação na saúde: duas revisões e uma proposta. Ciência & Saúde Coletiva, 12(3), 611-622.

Cheikhrouhou, N., Pouly, C. & Choudhary, A. (2011). An empirical study on human and information technology aspects in collaborative enterprise networks. Journal of University of Computing and Science, 17(2), 203-223.

Côrtes, P. L., & Côrtes, E. G. (2011). Hospital information systems: a study of electronic patient records. Journal of Information Systems and Technical Management, 8(1), 134-154.

Doz, Y.,& Hamel, G. (1998). Alliance advantage: the art of creating value through partnering. Boston, Massachusetts: Harvard Business School Press.

Duque, C. G. & Lyra, M. R. (2010). The information architecture positioning in it governance. Brazilian Journal of Information Science, 4(2), 38-43.

Eisenhardt,K. M., & Martin, J. A. (2000). Dynamic capabilities: what are they? Strategic Management Journal, 21(10-11), 1105-1121.

Escrivão, J. A. (2007). Uso da informação na gestão de hospitais públicos. Ciência & Saúde Coletiva, 12(3), 655-666.

Editora Finep (2011). Revista Finep: Inovação em pauta. Rio de Janeiro: 2(1): 54-57.

Freitas, H., & Rech, I. (2003). Problemas e ações na adoção de novas tecnologias de informação. Revista de Administração Contemporânea, 7(1), 125-150.

Kaplan, R. S., & Norton. D. P. (1992). The balanced scorecard: measures that drive performance. Harvard Business Review, 70(1), 71-79.

Levitt, T. (1985). A imaginação de marketing. (A. B. Simões, Trad.). São Paulo: Atlas.

Martins, G. A. (2006). Sobre confiabilidade e validade. Revista Brasileira de Gestão de Negócio, 8(20), 1-12.

Mintzberg, H., Ahlstrand, B., & Lampel, J. (1998). Strategy Safari. New York: Free Press.

Newbert, S. L. (2007). Empirical research on the resource-based view of the firm: an assessment and suggestions for future research. Strategic Management Journal, 28(2), 121-146.

Obrien, J. A, & Maracas G. (2007). Administração de sistemas de informação: uma introdução (13ª. ed.). São Paulo: Mc GrawHill.

Otto, D.T., Catanho, M., Degrave, W., & Miranda, A. B. (2007). A plataforma PDTIS de bioinformática: da sequência à função. Revista Eletrônica de Comunicação Informação e Inovação em Saúde, 2(Sup.1), 288-296.

Peteraf, M. A. (1993).The cornerstones of competitive advantage: resource-based view. Strategic Management Journal, 14(3), 179-191.

Pinochet, L. H. C. (2007). O processo de formulação de uma política de segurança de informações segundo a percepção dos gestores: um estudo em instituições hospitalares. Tese de doutorado. Escola de Administração de Empresas da FGV, SP, Brasil.

Paiva Júnior, F. G.; Sousa Leão, A. L. M. D., & Mello, S. C. B. (2011). Validade e Confiabilidade na Pesquisa Qualitativa em Administração. Revista de Ciências da Administração, 13(31), 190-209.

Prahalad, C.K., & Hamel, G. (2005). Competindo pelo futuro (24ª ed). Rio de Janeiro: Elsevier.

Queiroz, A. C. S., & Moreira, D. A. (2007). Novas tecnologias e confiança nas organizações: um estudo de caso no contexto hospitalar. Revista de Negócios, 12(1), 42-55.

Resende, G. M. (2003). Um estudo do alinhamento estratégico da tecnologia da informação em hospitais. Tese de doutorado. Escola de Administração de Empresas da FGV, SP, Brasil.

Schreyögg, G..& Kliesch-Ebertl, M. (2007). How dynamic can organizational capabilities be? Strategic Management Journal, 8(4), 913-933.

Sguario, V. M. G., & Tomaél, M. I. (2011). Portal Corporativo Interno de um Hospital Universitário: um estímulo à aprendizagem organizacional. Encontros de Biblioteconomia: Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, 16(32), 57-72.

Shengbin, H. B. Y. (2011). The impact of technology selection on innovation success and organizational performance. iBusiness, 3(1), 366-371.

Spil, T. A. M., & Schuring, R. W. (2006). E-health systems diffusion and use: the innovation, the user and the use IT model. London: Idea Group Publishing.

Stoner, J. A. F., & Freeman, R. E. (1985). Administração (5ª ed.). (A. Calado, Trad.) Rio de Janeiro: LTC.

Teece, D. J. (2007). Explicating dynamic capabilities: the nature and micro foundations of (sustainable) firm performance. Strategic Management Journal, 28(13), 1319-1350.

Tellis, G. J, Prahbu, J. C., & Chand, R. K. (2009). Radical innovation across nations: the preeminence of corporate culture. Journal of Marketing, 73(1), 3-23.

Vergara, S. C. (2000) Projetos e relatórios de pesquisa em Administração. São Paulo: Atlas.

Vergara, S. C. (2010). Métodos de pesquisa em Administração (4ª ed.). São Paulo: Atlas.

Wernerfelt, B. (1984). A resource-based view of the firm. Strategic Management Journal, 5(1), 171-180.

Wu, I. L., & Hsieh, P. J. (2011). Understanding hospital innovation enabled customer-perceived quality of structure, process, and outcome care. Total Quality Management & Business Excellence, 22(2), 227-241.

Zarama-Vasquez, G., & Vinck, D. (2008). Por que a informatização funciona? Estratégias de compensação dos atores no caso da prescrição médica. Revista Eletrônica de Comunicação Informação e Inovação em Saúde, 2(1), 19-28.

Zukerman, A. M. (2005). Health care strategic planning (2nd ed.). Ilinois: FACHE.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.