Representações do lucro no comércio de artigos religiosos: interpretações do sagrado e do profano no cotidiano das organizações

Alessandro Gomes Enoque, Jacquelaine Florindo Borges, Alex Fernando Borges
DOI: https://doi.org/10.21529/RECADM.2014024

Texto completo:

Artigo

Resumo

Nós analisamos quais são e de que modo são produzidas as representações sociais do lucro no comércio de artigos religiosos. A análise foi orientada por uma abordagem interpretativista, a qual pressupõe que partilhar representações é uma maneira de partilhar uma ideia e, assim, afirmar uma identidade e o pertencimento a um grupo. Estudos no campo da psicologia social e nos campos da sociologia e da antropologia fundamentam a pesquisa. Nós aplicamos o método de análise de conteúdo na análise de entrevistas realizadas com trinta comerciantes de artigos das religiões católica, evangélicas, espírita, umbanda e candomblé, de estabelecimentos localizados em quatro cidades. Os resultados mostram que o processo de geração do conteúdo representacional do lucro passa por diferentes defasagens: distorções, suplementações e subtrações. Desse modo, essa representação revela o seu caráter prático de ajuste do sujeito ao seu meio, de orientação da ação e de interpretação da experiência e organização da conduta no contexto material, moral e simbólico.

 


Palavras-chave

Representações Sociais; Simbolismo; Religião; Imaginação Sociopsicológica; Conduta Moral


Referências


Abric, J-C. (2001). O estudo experimental das representações sociais. In D. Jodelet (Org.), Representações sociais (pp. 155-172). Rio de Janeiro: EdUERJ.

Almeida, R. (2011). O que significa o crescimento evangélico no Brasil? Le monde diplomatique Brasil, 01. nov. 2011. Recuperado em

http://www.diplomatique.org.br/artigo.php?id=1045, em 12 de junho de 2014.

Bairrão, J. F. M. H. (2002). Subterrâneos da submissão: sentidos do mal no imaginário umbandista. Memorandum: Memória e História da Psicologia, 2, 55-67. Recuperado de http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/artigos02/bairrao01.htm, em 12 de maio de 2014.

Bardin, L. (2009). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Beaud, S., & Weber, F. (2007). Guia para a pesquisa de campo. Petrópolis: Vozes.

Berger, P. (1985). O dossel sagrado. São Paulo: Paulus.

Boje, D. (2007). The little "c" catholic organization: Ecumentalism and the moral order of work. Journal of Management, Spirituality & Religion, 4 (4), 443-460.

Boje, D. (2008). Critical Theory approaches to spirituality in business. In J. Biberman & L. Tischler (Eds.), Spirituality in Business: Theory, Practice, and Future Directions (pp. 160-187). New York: Palgrave Macmillan.

Borges, J. F., Medeiros, C. R. O., & Casado, T. (2011). Práticas de gestão e representações sociais do administrador: algum problema?. Cadernos EBAPE.BR, 9 (ed. especial), 530-568.

Bourdieu, P. (2007) O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand.

Bourdieu, P. (2008) A produção da crença. Porto Alegre: Zouk.

Bourdieu, P. (2010) Razões práticas. Campinas: Papirus, 2010.

Brewer, M. B. & Kramer, R. M.(1985). The Psychology of intergroup attitudes and behavior. Annual Review of Psychology, 36, 219-243.

Cavedon, N. R., & Pires, R. P. (2006). "O pão nosso de cada dia": as representações sociais sobre a vida familiar e profissional dos trabalhadores na indústria da panificação. Economia e Gestão, 6(12), 15-38.

Chaves, M., & Gorski, P. (2001). Religious pluralism and religious participation. Annual Review of Sociology, 27(1), 261-281.

Cosgel, M. M., & Minkler, L. (2004). Religious identity and consumption. Review of Social Economy, 62(3), 339-350.

Dodd, S. D., & Gotsis, G. (2007). The Interrelationships Between Entrepreneurship and Religion. The International Journal of Entrepreneurship and Innovation, 8 (2),93-104.

Durkheim, E. (1999). As Regras do Método Sociológico. São Paulo: Martins Fontes.

Durkheim, E. (2003). As Formas Elementares da Vida Religiosa. São Paulo: Martins Fontes.

Duveen, G. (2007). Introdução. O poder das ideias. In S. Moscovici (Org.), Representações sociais (pp. 7-28). Petrópoles: Vozes.

Dyck, B., & Wiebe, E. (2012). Salvation, theology and organizational theory across the centuries. Organization, 19(3), 52-77.

Edgell, P. (2012). A Cultural Sociology of Religion: New directions. Annual Review of Sociology, 38(1), 247-265.

Eliade, M. (2002) Imagens e símbolos. São Paulo: Martins Fontes.

Eliade, M. (2008) O sagrado e o profano.São Paulo: Martins Fontes.

Farr, R. M. (1996). As raízes da Psicologia social moderna. Petrópolis: Vozes.

Fiorin, J. L. (2003). Linguagem e ideologia. São Paulo: Ática.

Flament, C. (2001). Estrutura e dinâmica das representações sociais. In. D. Jodelet (Org.), Representações sociais (pp. 173-186). Rio de Janeiro: EdUERJ.

Gaskell, G. (2010). Entrevistas individuais e grupais. In M. W. Bauer & G. Gaskell (Orgs.), Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. (pp. 160-183). Petrópolis, RJ: Vozes.

Geertz, C. (2008). A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC.

Goode, W., & Hatt, P. (1979). Métodos em pesquisa social. São Paulo: Nacional.

Haag, C. (2011). A força social da Umbanda. Pesquisa FAPESP, 188, out., 85-89. Recuperado de http://revistapesquisa.fapesp.br/wp-content/uploads/2011/10/084-089-188.pdf, em 12 de junho de 2014.

Howarth, C. (2002), Identity in Whose Eyes? The Role of Representations in Identity Construction. Journal for the Theory of Social Behaviour, 32(2), 145–162.

Howarth, C. (2006). 'A social representation is not a quiet thing': Exploring the critical potential of social representations theory. British Journal of Social Psychology, 45(1), 65-86.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística − IBGE (2010). Séries Históricas e Estatísticas. Recuperado em 01 março, 2014, de http://www.ibge.gov.br/home/download/estatistica.shtm

Iñiguez, L. (2005). Manual de Análise do Discurso em Ciências Sociais. Belo Horizonte: Vozes.

Jahoda, G. (1988). Critical notes and reflections on 'social representations'. European Journal of Social Psychology, 18(3), 195-209.

Jodelet, D. (2001). Representações sociais: um domínio em expansão. In D. Jodelet (Org.), Representações sociais (pp. 17- 44). Rio de Janeiro: EdUERJ, 2001.

Jovchelovitch, S. (1996). In defense of representation. Journal for the Theory of Social Behaviour, 26(2), 121-135.

Kauanui, S. K., Thomas, K. D., Rubens, A. & Sherman, C. L. (2010). Entrepreneurship and Spirituality: a comparative analysis of entrepreneur’s motivation. Journal of Small Business and Entrepreneurship, 23 (4), 621-635.

Krippendorff, K. (1986). Content analysis. Beverly Hills, London: Sage Publications.

Lesbaupin, I. (2010). Marxismo e religião. In F. Teixeira (Org.), Sociologia da Religião. (pp. 78-95). Petrópolis: Vozes.

Lescura, C., Brito, M. J., Borges, A. F., & Cappelle, M. C. A. (2012). Representações Sociais sobre as Relações de Parentesco: estudo de caso em um grupo empresarial familiar. Revista de Administração Contemporânea, 16(1), 98-117.

Maingueneau, D. (1998). Termos-chave da análise de discurso. Belo Horizonte: UFMG.

Mariz, C. L. (2010). A sociologia da religião de Max Weber. In F. Teixeira (Org.). Sociologia da Religião (pp. 51-77). Petrópolis: Vozes.

Martinelli, A. (1995). Entrepreneurship and Management. In N. J. Smelser & R. Swedberg (Orgs.). The Handbook of Economic Sociology (pp. 476-503). Princeton: Princeton University Press.

Marx, K. & Engels, F. (2001). A ideologia alemã. São Paulo: Martins Fontes.

Mitroff, I. (2003). Do not promote religion under the guise of spirituality. Organization, 10(20), 375-382.

Moscovici, S. (1988). Notes towards a description of Social Representations. European Journal of Social Psychology, 18(3), 211-250.

Moscovici, S. (2007). Representações sociais. Petrópoles: Vozes.

Oliveira, C. A. T. (2004). A economia com todas as letras e números. Belo Horizonte: Mercado Comum.

Ortner, S. B. (2007). Subjetividade e crítica cultural. Horizontes Antropológicos, 13(28), 375-405.

Palmonari, A. & Zani, B. (2001). As representações sociais no campo dos psicólogos. In D. Jodelet (Org.), Representações sociais (pp. 261-279). Rio de Janeiro: EdUERJ.

Park, J. Z., & Baker, J. (2007). What would Jesus buy: American consumption of religious and spiritual material goods. Journal for the Scientific Study of Religion, 46(4), 501-517.

Patton, M. Q. (1990). Qualitative evaluation and research methods. Newbury Park: Sage Publications.

Philogène, G. (2000). Blacks as 'serviceable other'. Journal of Community & Applied Social Psychology, 10(5), 391-401.

Rubin, H. J., & Rubin, I. S. (1995). Qualitative interviewing. Thousand Oaks: Sage Publications.

Sá, C. P. (1993). Representações Sociais: o conceito e o estado da atual teoria. In M. J. P. SPINK (Org.), O Conhecimento no Cotidiano (pp.19-45). São Paulo: Editora Brasiliense.

Sá, C. P. de, & Arruda, A. (2000). O estudo das representações sociais no Brasil. Revista de Ciências Humanas, 19 (Ed. especial), 11-31.

Sanchis, P. (2001). Desencanto e formas contemporâneas do religioso. Ciências Sociais e Religião, 3(3), 27-43.

Schwarzkopf, S. (2012). The market order as metaphysical loot: Theology and the contested legitimacy of consumer capitalism. Organization, 19(3), 281-297.

Serafim, M. C., Martes, A. C. B., & Rodriguez, C. (2012). “Segurando na mão de Deus”: organizações religiosas e apoio ao empreendedorismo. Revista de Administração de Empresas, 52(2), 217-231.

Sherkat, D. E., & Ellison, C. G. (1999). Recent developments and current controversies in the sociology of religion. Annual Review of Sociology, 25(1), p.363-394, 1999.

Silva, A. R. L., Carrieri, A. P., & Junquilho, G. S. (2011). A estratégia como prática social nas organizações: articulações entre representações sociais, estratégias e táticas cotidianas. Revista de Administração, 46(2), 122-134.

Silverman, D. (2009). Interpretação de dados qualitativos. Porto Alegre: Artmed.

Stoll, S. J.(2004). Narrativas biográficas: a construção da identidade espírita no Brasil e sua fragmentação. Estudos Avançados, 18(52), 181-199.

Spink, M. J. (1993). O estudo empírico das representações sociais. In: M. J. P. Spink (Org.), O Conhecimento no Cotidiano (pp. 85-108). São Paulo: Brasiliense.

Tracey, P. (2012). Religion and Organization: A critical Review of current trends and future directions. The Academy of Management Annals, 6(1), 87-134.

Valle, E. (2004). A renovação carismática católica. Algumas observações. Estudos Avançados, 18(52), 97-107.

Wagner, W. et al. (1999). Theory and method of social representations. Asian Journal of Social Psychology, 2(1), 95-125.

Weber, M. (2001). A ética protestante e o espírito do capitalismo. São Paulo: Pioneira.

Weber, M (2006). Sociologia das religiões. Lisboa: Antropos.

Zelekha, Y; Avnimelech, G; Sharabi, E. (2014) Religious institutions and entrepreneurship. Small Business Economy, 42(1), 747-767.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.