As “marcas” de uma nova fronteira vinícola: identidade cultural das marcas de vinhos do Vale do São Francisco

Suélen Matozo Franco, André Luiz Maranhão de Souza Leão
DOI: https://doi.org/10.21529/RECADM.2014025

Texto completo:

Artigo PDF

Resumo

O polo vitivinícola Vale do São Francisco situa-se no Novo Mundo dos vinhos, onde o desenvolvimento das marcas é a orientação dominante. Assim, a identidade desses vinhos está atrelada à de suas marcas. A identidade marcária, discutida tradicionalmente sob uma orientação estratégico-gerencial, também pode ser concebida como identidade discursiva, resultante de diversos vetores além de formulações estratégicas. Aqui, de forma propositiva, assumimos a identidade de marcas como resultado de processos identificatórios numa cultura, portanto uma identidade cultural, o que se aproxima da concepção discursiva. Buscamos, portanto, compreender como são construídas as identidades das marcas de vinho do Vale do São Francisco. Para tanto, procedemos a uma análise de discurso crítica, com base na Linguística Sistêmico-Funcional de M. A. K. Halliday, de entrevistas realizadas com três grupos de agentes: produtores, consumidores e mediadores. Chegamos a 20 traços identitários, que, agrupados conceitualmente, resultaram em seis identidades culturais: acanhada, competente, jovial, honesta, medíocre e tradicional. Os resultados apontam para uma construção de identidades ancorada num sistema de referências dominante, resultando na desconsideração da tipicidade da região, numa tentativa de sufocar a diferença e alinhar-se ao discurso dominante.

 


Palavras-chave

Vale do São Francisco; Identidade; Marca; Linguística Sistêmico-Funcional


Referências


Aaker, D.A. (1996). Criando e administrando marcas de sucesso. São Paulo: Futura.

Albert, A. Z. (2012). O admirável novo mundo do vinho: e as regiões emergentes. 4.ed. São Paulo: Ed. Senac São Paulo.

Banksa, G. & Overtonb, J. (2010). Old World, New World, Third World? Reconceptualising the Worlds of Wine. Journal of Wine Research. 21(1). 57-75.

Barbosa, L. & Campbell, C. (2006). Cultura, consumo e identidade. Rio de Janeiro: FGV.

Barker, C. &Galazinski, D. (2001). Cultural Studies and Discourse Analysis: a dialogue on language and identity. London: Sage.

Coutinho, M. C., Krawulski, E. & Soares,D. H. P. (2007). Identidade e trabalho na contemporaneidade: repensando articulações possíveis. Psicologia e Sociedade,19(especial). 29-37.

Cusmano, L., Morrison, A. & Rabellotti, R. (2010). Catching up Trajectories in the Wine Sector: A Comparative Study of Chile, Italy, and South Africa. World Development.38(11). 1588–1602.

Duarte, R. (2004).Entrevistas em pesquisas qualitativas. Educar em Revista, Universidade Federal do Paraná.(24), 213-225.

Escosteguy, A. C. D. (2007). Circuitos de cultura/circuitos de comunicação: um protocolo analítico de integração da produção e da recepção. Comunicação, Mídia e Consumo. 4(11),115-135.

Fensterseifer, J. E. (2007). The emerging brazilian wine industry: challenges and prospects for the Serra Gaúcha wine cluster. International Journal Of Wine Business Research.19(3), 187-206.

Ferreira, L. M. C. J. (2007).Identidade e Identificação. Ciências Humanas em Revista, 5(número especial, 145-148.

Flick, U. (2009).Introdução à Pesquisa Qualitativa. 3.ed. Porto Alegre: Artmed.

Garcia-Parpet, M. (2004). Mundialização dos mercados e padrões de qualidade: “vinho, o modelo francês em questão”. Tempo Social, Revista de Sociologia da USP. 16(2), 129-150.

Gonçalves, W. M. (2008). Confiança, ECT e formas organizacionais: um framework aplicado na vitivinicultura da Serra Gaúcha e do Vale do São Francisco. 2008. 221 p. Tese (Doutorado em Agronegócios) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Gouveia, C. A. M. (2009). Texto e gramática: uma introdução à Linguística Sistémico-Funcional. Matraga. 16(24).

Gregolin, M.R.V. (2008). Identidade: objeto ainda não identificado? Estudos da Língua(gem). 6(1). 81-97.

Hall, Stuart. (1997). A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. Educação & Realidade, Porto Alegre, 22(2). 15-46.

Hall, S. (2006). A identidade cultural na pós-modernidade. 11.ed. Rio de Janeiro: DP&A.

Hall, S. (2003). Codificação/Decodificação. In: Hall, S. Da Diáspora: identidades e mediações Culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Hall, S. (2009). Quem precisa de identidade? In: Silva, T. T. (org.). Identidade e diferença. Petrópolis, RJ: Vozes.

Halliday, M. A. K. (2004). An Introduction to Functional Grammar. 3.ed. Great Britain: Hodder Education.

Halliday, M. A. K. (1973). Explorations in the Functions of Language. New York: Elsevier.

Holliday, A. (2010). Complexity in cultural identity. Language and Intercultural Communication. 10(2). 165-177.

Holt, D. B. (2005). Como as marcas se tornam ícones: os princípios do branding cultural. São Paulo: Cultrix.

Instituto de Tecnologia em Gestão. (2009)..Pernambuco competitivo: saber olhar para saber fazer. Recife: INTG.

Kapferer, J-N. (2003)..As marcas: capital da empresa. Porto Alegre: Bookman.

Kapferer, J-N. (2012). The new strategic brand management. 5.ed. Great Britain: Kogan Pages Publishers.

Keller, K. L. (2012). Strategic Brand Management: building, measuring, and managing brand equity. 4. ed. New Jersey: Prentice-Hall.

Leão, A. L. M. S. & Mello, S. C. B. (2009). “Valor de marca” para quem? Rumo a uma teoria da significação das marcas pelos consumidores. Organizações em Contexto. 5(10), 30-56.

Leão, A. L. M. S. &Mello, S. C. B. (2009). O papel da teoria no método de pesquisa em Administração. Organizações em Contexto, 5(10), 1-16.

Luppe, M. R.& Angelo, C. F. (2005). Componentes dos Preços dos Vinhos Brasileiros, Argentinos e Chilenos: uma análise de preços hedônicos. In: Revista de Gestão USP. 12(4),89-99.

Machado-da-Silva, C. L. M.; Walter, S. A. & Cruz, A. P. C. (2010). Do terroir à globalização: uma análise institucional com base em Mondovino. Perspectivas Contemporâneas. 5, 22-50.

Maia, R. C. M. (2009). Atores da sociedade civil e ação coletiva: relações com a comunicação de massa. Lua Nova: Revista de Cultura e Política(76), 87-118.

Naslavsky, F. L. (2010). Aplicação da Metodologia de Preços Hedônicos ao Mercado Brasileiro de Vinhos (Dissertação de mestrado). Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, SP, Brasil.

Paiva Jr., F. G.; Leão, A. L. M. S., & Mello, S. C. B. (2011). Validade e Confiabilidade na Pesquisa Qualitativa em Administração. Revista de Ciências da Administração. 13(31), pp. 190-209.

Pereira, G. E. (2007). Notas técnicas. VinhoVasf: Instituto do Vinho do Vale do São Francisco, Vale do São Francisco, 2007. Disponível em: . Acesso em: 11. set. 2011.

Perotto, E. R. (2007). Olhando a marca pela sua enunciação: aproximações para uma teoria da marca contemporânea. Organicom: Revista Brasileira de Comunicação Organizacional e Relações Públicas. 2(7), 126-139.

Phillips, R. (2010). Uma Breve História do Vinho. (4.ed). Rio de Janeiro: Record.

Salzer-Mörling, M. & Strannegard, L. (2004). Silence of the brands. European Journal of Marketing.38(1/2), 224-238.

Schau, H. A., Muñiz, Jr., A. M. & Arnould, E. J. (2009). How Brand Community Practices Create Value. Journal of Marketing. 73(5), 30-51.

Schroeder, J. E. (2009). The cultural codes of branding. Marketing Theory, 9(1), 123-126.

Semprini, A. (2010). A marca pós-moderna: poder e fragilidade da marca na sociedade contemporânea. 2.ed. São Paulo: Estação das Letras.

Silva, T. T. (2009). A produção social da identidade e da diferença. In: Silva, T. T. (org.). Identidade e diferença. Petrópolis, RJ: Vozes.

Slater, D. (2002). Cultura do Consumo e Modernidade. São Paulo: Nobel.

Souza, A. C. R. (2009). O Circuito da Cultura e a estruturação de um discurso: fazendo sentido do vinho do Vale do São Francisco. Tese de Doutorado. Programa de Pós-graduação em Administração (Propad), Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

Tavares, A. &Alves, L. K. (2010). Representação da personagem Ennis Del Mar no filme O Segredo de Brokeback Mountain: identidade e heteronormatividade. In: Revista Travessias. 2(3).

Tilio, R. C. (2009). Reflexões acerca do conceito de identidade. Revista Eletrônica do Instituto de Humanidades, 8(29),109-119.

Tonietto, J. & Falcade, I. (2002). Vinhos regionais: regulamentação no Brasil. X Congresso Brasileiro de Viticultura e Enologia. 153-157.

Vital, T. W., Moraes Filho, R. A.& Ferraz Filho, Z. E. (2005). Vitivinicultura no Nordeste do Brasil: um arranjo produtivo em expansão. Brasília: Sober.

White, M. A., Whalen, P. & Jones, G. B. (2009). Nature Geoscience. 2. 82-84.

Woodward, K. (2009). Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: Silva, Tomaz Tadeu (org.). Identidade e diferença. Petrópolis, RJ: Vozes.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.