Aplicação da competência de comunicação em projetos e revitalização do processo de ensino-aprendizagem em administração

Iraides Gonçalves Amaral, Nildes Raimunda Pitombo Leite
DOI: https://doi.org/10.21529/RECADM.2015013

Texto completo:

Artigo

Resumo

Este artigo investigou a utilização da competência de comunicação em projetos, especificamente focada em projeto educacional. Justifica-se essa investigação em razão das transformações ocorridas nos contextos de ensino-aprendizagem, o que implicou a necessidade de compreender como as características dos discentes atuais demandam revitalização desses contextos. Para tanto, inicialmente, uma peça teatral foi apresentada aos discentes e posteriormente serviu de lócus para um estudo de caso de aplicação do projeto educacional. Com abordagem qualitativa e estratégia de pesquisa de estudos observacionais, os dados foram coletados por intermédio de: observação indireta e não participante, com relação à peça teatral analisada e registrada em protocolo de observação, totalizando um tempo de 3.570 minutos, computadas as 51 vezes em que essa peça foi assistida, multiplicadas pelos 70 minutos de duração; uma pesquisa survey, com 1.161 discentes; e entrevista semi-estruturada com o produtor da peça, os atores, docentes e coordenadores da instituição de ensino em que esses discentes estão inseridos. Visando atender a essa necessidade, este artigo buscou compreender como a competência de comunicação em projetos pode ser utilizada em um projeto educacional em instituições de ensino superior em Administração, por meio da investigação da pertinência de aplicação dessa competência em um projeto educacional. A análise dos dados oriundos dessas fontes de evidência foi realizada por meio da análise de conteúdo. Os resultados apontaram para a pertinência da aplicação da competência de comunicação no projeto educacional estudado.

 

 


Palavras-chave

Aplicação da competência de comunicação em projetos; Projeto educacional; Revitalização do processo de ensino-aprendizagem


Referências


Abbagnano, N. (2003). Dicionário de filosofia. São Paulo: Martins Fontes.

Amora, A. S. (2008). Minidicionário Soares Amora da Língua Portuguesa. São Paulo: Saraiva.

Amorim, M. C. S. (1999). Comunicação planejada, recurso fundamental para a eficácia da gestão organizacional. Cadernos de Pesquisas em Administração, 1(9), 98-109.

Autran, P. (2007). Palcos da palavra. Revista Língua Portuguesa, 2(17), 19-25.

Barbosa, E. F., Gontijo, A. F., & Santos, F. F. (2004). Inovações pedagógicas em educação profissional: uma experiência de utilização do método de projetos na formação de competências. Boletim Técnico do SENAC, 30(2).

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Cardoso, O. O. (2006). Comunicação empresarial versus comunicação organizacional: novos desafios teóricos. Revista de Administração Pública, 40(6), 1123-1144.

Carvalho, M. M., & Rabechini Jr., R. (2011). Fundamentos em gestão de projetos: construindo competências para gerenciar projetos. São Paulo: Atlas.

Casado, T. (2002). O papel da comunicação interpessoal. In M. T. L. Fleury (Org). As pessoas na organização. São Paulo: Editora Gente.

Cavassin, J. (2008). Perspectivas para o teatro na educação como conhecimento e prática pedagógica. Revista Científica FAP, 3, 39-52.

Chaves, L. E., Neto, F. H, S., Pech, G., & Carneiro, M. F. S. (2010). Gerenciamento da comunicação em projetos. Rio de Janeiro: Editora FGV.

Chizzotti, A. (2008). Pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais. Petrópolis: Vozes.

Cirino, J. F., Sant, T. T., Sant, C., Gomide, A., Silva, É. A., & da Silva, T. C. R. (2014). Gerenciamento de Projetos Vinculados ao Programa de Aquisição de Alimentos–Doação Simultânea em Minas Gerais. REGE Revista de Gestão, 21(4), 487-506.

Coimbra, K. E. R., & Silva, K. V. M. (2012). Comunicação organizacional: contextos e perspectivas. Revista de Administração de Empresas, 52(3), 366-367.

Cooper, D. R., & Schindler, P. S. (2003). Métodos de pesquisa em Administração. Porto Alegre: Bookman.

Costa, A. S. (2004). Teatro, educação e ludicidade: novas perspectivas em educação. Revista da FACED, 8, 94-108.

Cruz, C. M. L. (2007). Comunicação organizacional e pressupostos da comunicação integrada: a experiência em uma universidade na implementação/reestruturação do jornal institucional. Conexão - Comunicação e Cultura, 6(11), 193-209.

Davel, E., Vergara, S. C., & Ghadiri, D. P. (2007). Administração com arte: papel e impacto da arte no processo de ensino-aprendizagem. In E. Davel, S. C. Vergara, & D. P. Ghadiri. Administração com arte: experiências vividas de ensino-aprendizagem (pp. 13-26). São Paulo: Atlas.

Dias, A. M. I. (2009). Discutindo caminhos para a indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão. Revista Brasileira de Docência, Ensino e Pesquisa em Educação Física, 1(1), 37-52.

Eisenhardt, K. M. (1989). Building theories from case study research. Academy of Management Review, 14(4), 532-550.

Eisenhardt, K. M., & Graebner, M. E. (2007). Theory building from cases: opportunities and challenges. Academy of Management Review, 50(1). 25-32.

Ferreira Jr., A. B., Paula, A. de, Zanotto, D. M., Teixeira, J. M. B., & Goerl, R. (2013). Eficácia da comunicação nas organizações. Caderno Organização Sistêmica, 3(2), 5-18.

Gardair, T. L. C., & Schall, V. T. (2009). Ciências possíveis em Machado de Assis: teatro e ciência na educação científica. Ciência e Educação, 15(3), 695-712.

Cirino, J. F., Sant, T. T., Sant, C., Gomide, A., Silva, É. A., & da Silva, T. C. R. (2014). Gerenciamento de Projetos Vinculados ao Programa de Aquisição de Alimentos–Doação Simultânea em Minas Gerais. REGE Revista de Gestão, 21(4), 487-506.

Gil, A. C. (2009). Estudo de Caso. Fundamentação científica subsídio para coleta e análise de dados, como redigir o relatório. São Paulo: Atlas.

Guimarães, A. S., & Squirra, S. C. M. (2007). Comunicação organizacional e o processo comunicacional: uma perspectiva dialógica. Revista FAMECOS, 33, 46-52.

Henderson, L. S. (2008). The Impact f Project Mananger’s. Communication Competencies: Validation and Extension of a Research Model for Virtuality Satisfaction and Produtictivity on Project Teams. Project Management Journal, 39(2), 48-59.

Kerzner, H. (2011). Gerenciamento de projetos: uma abordagem sistêmica para planejamento, programação e controle. São Paulo: Blücher.

Koudela, I. D., & Santana, A. P. (2005). Abordagens metodológicas do teatro na educação. Ciências Humanas em Revista, 3(2), 145-154.

Marchiori, M. (2010). Os desafios da comunicação interna nas organizações. Conexão - Comunicação e Cultura, 9(17), 145-159.

Martins, G. A., & Theóphilo, C. R. (2009). Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. São Paulo: Atlas.

Maximiano, A. C. A. (2010). Administração de projetos: como transformar ideias em resultados. São Paulo: Atlas.

Mazzilli, S. (2011). Ensino, pesquisa e extensão: reconfiguração da universidade brasileira em tempos de redemocratização do Estado. RBPAE, 27(2), 205-221.

Molena, A. (2009). A comunicação na gestão de projetos. Revista Eletrônica PRODAM Tecnologia, 3(2), 1-10.

Moreira, A. D. (2004). O método fenomenológico na Pesquisa. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Morin E. (2004). Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez.

Moura, D. G., & Barbosa, E. F. (2011). Trabalhando com projetos: planejamento e gestão de projetos educacionais. Petrópolis: Vozes.

Nascimento, K. (1977). Comunicação interpessoal eficaz: verdade e amor. Rio de Janeiro: Incisa.

PMI - Project Management Institute. (2013). A Guide to the Project Management Body ok knowledge (PMBOK Guide).

PMI/PMBoK®. (2008). Um Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos. Pennsylvania: Project Management Institute.

Reverbel, O. G. (2009). Jogos teatrais na escola: atividades globais de expressão. São Paulo: Spione.

Rogers, C. R. (2010). Tornar-se pessoa. São Paulo: Martins Fontes.

Ruão, T. (1999). A comunicação organizacional e a gestão de recursos humanos: evolução e actualidade. Caderno do Nordeste, 12(1-2), 179-194.

Silva Neto, B. R. (2013). Comunicação corporativa e a reputação empresarial. GV Executivo, 12(1), 22-26.

Souza, R. A., & Santos, J. N. (2014). Comunicação interna: uma contribuição para a melhoria das relações de trabalho. Revista Gestão &Tecnologia, 14(2), 180-199.

Spolin, V. (2003). Improvisação para o teatro. São Paulo: Pespectiva.

Torquato, G. (2002). Tratado de comunicação organizacional e política. São Paulo: Thomson.

Valêncio, N. F. L. S. (1999). A indissociabilidade entre ensino/pesquisa/extensão: verdades e mentiras sobre o pensar e o fazer da Universidade pública no Brasil. Proposta, 83, 72-81.

Vergara, S. C. (2003). Repensando a relação ensino-aprendizagem em Administração: argumentos teóricos, práticas e recursos. Revista Organizações & Sociedade, 10(28), 131-142.

Vergara, S. C. (2005). Métodos de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas.

Verma, V. K. (1995). The human aspects of project management. Pennsylvania: Project Management Institute.

Vimercati, E., & Patah, L. A. (2016). Implantação de escritório de projetos em instituição de ensino superior: estudo de caso em uma universidade privada. Revista de Gestão e Secretariado, 7(1), 85-111.

Yin, R. (2010). Estudo de caso: planejamento e métodos. São Paulo: Bookman.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.