Fatores que influenciam a indicação de uma instituição pública federal de ensino por seus alunos através do marketing boca a boca

Hildo Anselmo Galter Dalmonech, Marko Aurélio Goularte, Paulo Ferrare Ramos, Danilo Soares Monte-Mor
DOI: https://doi.org/10.21529/RECADM.2016003

Texto completo:

Artigo

Resumo

Esta pesquisa busca identificar fatores que influenciam a indicação de uma Instituição Pública Federal de Ensino por seus alunos através do marketing boca a boca. Para tanto, foi realizada uma pesquisa quantitativa, descritiva e com corte transversal, com coleta de dados primários. A amostra foi composta por 528 alunos efetivamente matriculados em cursos integrados ao ensino médio do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo. Os resultados apontam que a satisfação e o comportamento da ação do marketing boca a boca são variáveis que influenciam a indicação de um serviço de uma Instituição Pública Federal de Ensino pelos alunos. Em termos teóricos este estudo contribui para a área acadêmica no sentido que expande o conhecimento sobre o comportamento da ação do marketing boca a boca na área da educação pública, que ainda se mostra escasso no Brasil, viabilizando uma complementação do assunto. Como contribuição prática, sugere-se que os gestores das instituições públicas de ensino possam se basear nesses resultados para tomada de decisões futuras no que se refere a projetos e políticas públicas ligadas ao recrutamento de alunos.


Palavras-chave

Marketing boca a boca; Qualidade; Satisfação; Reputação


Referências


Alves, H. & Raposo, M. (2010). The influence of university image on student behaviour. International Journal of Educational Management, 24(1), 73-85.

Arndt, J. (1967). The Role of Product-Related Conversation in the Diffusion of a New Product. Journal of Marketing Research, 1(4), 291-295.

Benedettini, O. Neely, A. & Swink, M. (2015). Why do servitized firms fail? A risk-based explanation. International Journal of Operations & Production Management, 35(6), 946-979.

Bergamo, F.V.M., Giuliani, A.C., Camargo, S.H.C.R.V., Zambaldi, F. & Ponchio, M.C., (2012). A Lealdade do estudante baseada na qualidade do relacionamento: uma análise em instituições de ensino superior. Brasilian Business Review, 9(2), 26-47.

Berger, J. (2014). Word of mouth and interpersonal communication: A review and directions for future research. Journal of Consumer Psychology, 24(4), 586-607.

Bickart, B. & Schindler, R. M. (2002). Expanding the Scope of Word of Mouth: Consumer-to- Consumer on in Internet. Advance in Consumer Research, 29(1), 428-430.

Bolton, R. N. (1998). A Dynamic Model of the Duration of the Customer’s Relationship with a Continuous Service Provider: The Role of Satisfaction. Marketing Science, 17(1), 45–65.

Brasil. (2008). Lei n. 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF: Casa Civil.

Brooks, R. C. (1957). Word-Of-Mouth Advertising In Selling New Products. The Journal of Marketing, 22(2), 154-161.

Carl, W. J. (2006). What's all the buzz about? Everyday communication and the relational basis of word-of-mouth and buzz marketing practices. Management Communication Quarterly, 19(4), 601-634.

Coda, R. & Silva, D. (2004). Sua escola de administração é uma excelente escola para estudar? Descobrindo Dimensões da Satisfação de Alunos em Cursos de Administração: uma contribuição metodológica. Anais do Encontro Nacional dos Programas de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Curitiba, PR, Brasil, 28.

Costa, F. J. (2007). A influência do valor percebido pelo cliente sobre os comportamentos de reclamação e boca a boca: uma investigação em cursos de pós-graduação lato sensu. Tese de Doutorado em Administração de Empresas, Fundação Getúlio Vargas - Escola de Administração de Empresas de São Paulo, SP, Brasil.

Day, E. (2002). The role of value in consumer satisfaction. Journal of Consumer Satisfaction, Dissatisfaction, and Complaining Behavior, 15, 22-32.

Dlačić, J., Arslanagic, M., Kadic-Maglajlic, S., Markovic, S., & Raspor, S. (2014). Exploring perceived service quality, perceived value, and repurchase intention in higher education using structural equation modelling. Total Quality Management & Business Excellence, 25(1-2), 141-157.

Duarte, N.O., Oliveira, F.S., Pires, M.A.L., Andrade, F.M., & Paula, P.P. (2015). Avaliação das Expectativas Relacionadas aos Serviços de Uma Instituição de Ensino Superior Segundo o Modelo Servqual. Revista Alcance, 22(3), 410-425.

Eggert, A., Hogreve, J., Ulaga, W., & Muenkhoff, E. (2014) Revenue and profit implications of industrial service strategies. Journal of Service Research, 17(1), 23-39.

Fornell, C., Mithas, S., Morgeson III, F.V., & Krishnan, M.S. (2006). Customer Satisfaction and Stock Prices: High Returns and Low Risk. Journal of Marketing, 70(1), 3-14.

Giese, J. L. & Cote, J. A. (2000). Defining Consumer Satisfaction. Academy of Marketing Science Review, 1(1), 1-22.

Gonçalves, C., Filho, Guerra, R. S. & Moura, A. (2004). Mensuração de satisfação, qualidade, lealdade, valor e expectativa em instituições de ensino superior: um estudo do modelo ACSI através de equações estruturais. Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, 2(1), 1-14.

Grönroos, C. (1982). An applied service marketing theory. European Journal of Marketing, 16(7), 30-41.

Harris, K. Baron, S. & Parker, C. (2000). “Understanding the consumer experience: it’s ‘good to talk”. Journal of Marketing Management, 16(1,3), 111-127.

Juliatto, C. I.(2013). Seria a universidade uma empresa como as demais?. Revista Universidade em Debate, 1(1), 12-21.

Lazibat, T. Baković, T. & Dužević, I. (2014). How perceived service quality influences students' satisfaction? Teachers' and students' perspectives. Total Quality Management & Business Excellence, 25(7-8), 923-934.

Liam, S. S. & Huang, H. M. (2012). Perceived satisfaction, perceived usefulness and interactive learning environments as predictors to self-regulation in e-learning environments. Computers & Education, 60(1), 14-24.

Libai, B., Bolton, R., Bügel, M.S., Ruyter, K., Götz, O., Risselada, H. & Stephen, A.T. (2010). Customer-to-Customer Interactions: Broadening the Scope of Word of Mouth Research. Journal of Service Research, 13(3), 267-282.

Mainardes, E. W. & Domingues, M. J. C. S. (2011). Avaliação da qualidade de atributos específicos de Instituições de Ensino Superior em cursos privados de Administração em Joinville, SC. Revista O&S-Salvador, 18(58), 429-444.

Marconi, M. A. & Lakatos, E. M. (2010). Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Atlas.

Moro-Egido, A. I. & Panades, J. (2010). An analysis of student satisfaction: full-time vs. part-time students. Social Indicators Research, 96(2), 363-378.

Neves, A. B. & Ramos, C. F. (2002). A imagem das instituições de ensino superior e a qualidade do ensino de graduação: a percepção dos acadêmicos do curso de administração. Revista de Economia e Administração, São Paulo, 1(1), 75-83.

Paiva, R. V. C., Costa, D.M., Barbosa, F.V., & Neto, M.T.R. (2014). Estratégia e competitividade: um estudo multicaso da educação superior privada brasileira. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, 7(3), 30-62.

Palacio, A. B. Meneses, G. D. & Pérez, P. J. P. (2002) The configuration of the university image and its relationship with the satisfaction of students. Journal of Educational Administration, 40(5), 486-505.

Parasuraman, A., Zeithaml, V. & Berry, L. (1985). A conceptual model of service quality and its implications for future research. Journal of Marketing, 49(4), 41-50.

Pereira, M.S., Garrido, I.L. & Matos, C.A. (2015). Recomendação boca a boca incentivada: isso também vale? Brazilian Business Review, 12(3), 96-124.

Petruzzellis, L. & Romanazzi, S. (2010). Educational value: how students choose university: Evidence from an Italian university. International journal of educational management, 24(2), 139-158.

Rossi, G.B., Silva, D. & Garcia, M.N. (2016). Formação da Interatividade e da Memória Explícita do Consumidor Universitário Masculino no Ambiente da Internet. Brazilian Business Review, 13(5), 1-26.

Safón, V. (2009). Measuring the Reputation of Top US Business Schools: A MIMIC Modeling Approach. Corporate Reputation Review, 12(3), 204–228.

Santiago, H.H.O., Arruda, M.T.A.L., Dantas, P.A.C., & Oliveira, M.D.F.S. (2014). A influência do marketing boca a boca na decisão de compra dos clientes de uma instituição de ensino. Revista Expopep, 1(1), 1-13.

Silva, A.P., Wassally, L.P.M.P., Silva, R.M.P., & Santos, A.C. (2008). O marketing como fator de decisão na escolha de vestibulandos dos cursos de Ciências Contábeis e Administração: estudo de caso numa instituição de ensino privado. Anais do Congresso Brasileiro de Contabilidade, Gramado, RS, Brasil, 18.

Soares, A. A. C. (2008). A influência do valor para o cliente e da satisfação no comportamento de boca a boca: uma análise no setor de serviços. Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil.

Sousa, S. Z. (2014). Concepções de qualidade da educação básica forjadas por meio de avaliações em larga escala. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, 19(2), 407-420.

Stephenson, A. L.; Yerger, D. B. (2014). Does brand identification transform alumni into university advocates?. International Review on Public and Nonprofit Marketing, 11(3), 243-262.

Taneguti, L. Y. (2013). PROJETO CNE/UNESCO 914BRZ1136.3 “Desenvolvimento, aprimoramento e consolidação de uma educação nacional de qualidade”. Ministério da Educação Conselho Nacional de Educação Câmara de Educação Superior.

Valerio, D. M. Pizzinatto, N. K. (2003). Análise da imagem Organizacional de Universidades por meio da Matriz Familiaridade-Favorabilidade. Revista de Administração Mackenzie, 4(1), 25-37.

Woodruff, R. B. (1997). Customer value: the next source for competitive advantage. Journal of the Academy of Marketing Science, 25(2), 139-153.

Zeithaml, V. A. (1988). Consumer perceptions of price, quality, and value: a means-end model and synthesis of evidence. Journal of Marketing, 52(3), 2-22.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.