Relatos sobre o organizar do sócio-passado em uma patente brasileira de biotecnologia

Ana Sílvia Rocha Ipiranga, Carlos Dias Chaym, Felipe Gerhard Paula Sousa
DOI: https://doi.org/10.21529/RECADM.2016010

Texto completo:

Artigo

Resumo

Este artigo teve como objetivo resgatar a trama do sócio-passado no organizar das redes de translações relativas à primeira patente concedida à Universidade Estadual do Ceará. Trata-se de um fungicida desenvolvido no laboratório de P&D – Inovação Biotecnológica em Saúde a partir de um subproduto do caju, até então sem uso comercial pelas indústrias do setor agroquímico, cujo descarte é potencialmente poluente. Utilizamos a Actor-Network Theory e, mais especificamente, a ANTi-History, que considera que as ações dos atores-em-rede são historicamente contextualizadas. Assim, construímos um acervo documental relacionado à história da patente, além da realização de entrevistas com os principais atores envolvidos que desvelaram múltiplas práticas ANTi-históricas entrelaçadas no presente, mas que remetem para um passado e um futuro simultaneamente: i) as práticas científicas relativas ao desenvolvimento da patente: de alistamento de atores-em-rede, dos testes clínicos e do processo de patenteamento em si; ii) e as práticas históricas que atuaram na constituição de uma política dos atores-em-redes: de levantamento de recursos, da criação de uma spin-off acadêmica e do alcance do mercado.

 


Palavras-chave

ANTi-History; Sócio-passado; Actor-Network Theory; Translações; Biotecnologia


Referências


Alcadipani, R. & Bertero, C. O. (2014). Uma escola norte-americana no Ultramar? Uma historiografia da EAESP. Revista de Administração de Empresas, 54(2), p. 154-169.

Alcadipani, R., & Hassard, J. (2010). Actor-Network Theory, organizations and critique: towards a politics of organizing. Organization (London), 17, p. 419-435.

Alcadipani, R., & Tureta, C. (2009). Teoria Ator-Rede e análise organizacional; contribuições e possibilidades de pesquisa no Brasil. Organizações & Sociedade, 16(51), p. 647-664.

Barnes, B. (1987). Concept application as social activity. Critica, 19, p. 19-44.

Barros, A. (2014). Uma narrativa sobre os cursos superiores em Administração da FACE/UFMG: dos primeiros anos à sua unificação em 1968. Cadernos EBAPE.BR, 12(1), p. 7-25.

Barros, A. & Carrieri, A. P. (2015). O cotidiano e a história: construindo novos olhares na Administração. Revista de Administração de Empresas, 55(2), p. 151-161.

Bloor, D. (1971). Two paradigms for scientific knowledge? Science Studies, 1(1), p. 101-115.

Booth, C. & Rowlinson, M. (2006). Management and Organizational History: Prospects. Management & Organizational History, 1(1), p. 5-30.

Bowker, G. (1992). What’s in a patent? In Bijker, W. E. & Law, J. Shaping technology building society. Studies in sociotechnical change (p. 53-74). Massachussetts Institute of Technology.

Burrell, G. & Morgan, G. (1979). Sociological Paradigms and Organisational Analysis. Elements of the Sociology of Corporate Life. London: Heinemann.

Callon, M. (1986). Some elements of a sociology of translation: domestication of the scallops and the fishermen of St-Brieuc Bay. In Law, J. Power, action and belief: a new sociology of knowledge? (p. 196-233). London: Routledge.

Callon, M. (1989). Introduction in la science et ses réseaux: genèse et circulation des faites scientifique. Paris, La Découverte /UNESCO, pp. 7-33.

Clark, P. & Rowlinson, M. (2004). The treatment of History in Organization Studies: towards an ‘historic turn? Business history, 46(3), p. 331-352.

Cooke, B. (1999). Writing the left out of management theory: the historiography of the management of change. Organization, 6(1), p. 81-105.

Cooper, R. (1976). The Open Field. Human Relations, 29(11), p. 999-1017.

Cooper, R. & Burrel, G. (1988). Modernism, Postmodernism and Organizational Analysis: An Introduction. Organization Studies, 9(1), p. 91-112.

Cooper, R. & Law, J. (1995). Organization: distal and proximal views. In Bacharach, S. B., Gagliardi, P, & Mundell, B. Research in the sociology of organization (p. 237-274). Greenwich, CT: JAI Press.

Costa, A., Barros, D., & Martins, P. (2010). Perspectiva Histórica em Administração: Novos Objetos, Novos Problemas, Novas Abordagens. Revista de Administração de Empresas, 50(3), p. 288-299.

Decleyn, S. & Braet, (2009). J. Research valorization through spin-off ventures: Integration of existing concepts and typologies. World Review of Entrepreneurship, Management and Sustainable Development, 5(4), p. 325-352.

Durepos, G. & Mills, A. (2012). Actor-Network Theory, ANTi-History and critical organizational historiography. Organizations, 19(6), p. 703-721.

Fernandes, F., Bezerra, M., & Ipiranga, A. (2015). Da Escola de Administração do Ceará (EAC) para o CESA/UECE: Uma Trama Histórica. Seminários em Administração, 28.

Foucault, M. (1997). The Politics of Truth. Los Angels, CA: Semiotext(e).

Ipiranga, A. S. R., & Matos, L. B de S. (2014). As práticas científicas em um laboratório de biotecnologia: Uma Discussão sob a Ótica da Teoria Ator Rede. In: VIII Encontro de Estudos Organizacionais, 2014, Gramado - RS. Encontro De Estudos Organizacionais, Rio de Janeiro -RJ, Anais...Rio de Janeiro: Anpad.

Ipiranga, A.S.R. (2010). Uma Discussão sobre a Cultura Científica da Biotecnologia: as relações da academia com a ciência industrial e o governo. REGE – Revista de Gestão da USP, 17, p. 371-385.

Jacques, R. (2006). History, historiography and organizations studies: The challenge and the potential. Management & Organizational History, 1(1), p. 31-49.

Jenkins, K. (1991). Re-Thinking History. London: Routledge.

Kieser, A. (1994). Why organization theory needs historical analyses. Organization Science, 5, p. 608-620.

Latour, B. (1994) Jamais Fomos Modernos: Ensaio de Antropologia Simétrica. São Paulo: Editora 34.

Latour, B. (2000). Ciência em Ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo: Editora UNESP.

Latour, B. (2001). A esperança de Pandora: ensaios sobre a realidade dos estudos científicos. Bauru, SP: EDUSC.

Latour, B. (2012). Reagregando o social: uma introdução à teoria do Ator-Rede. São Paulo: Edusc.

Latour, B. & Woolgar, S. (1986). Laboratory Life. The construction of scientific facts. UK: Princeton University Press.

Law, J. (1992). Notes on the Theory of the Actor-Network: Ordering, Strategy and Heterogeneity. Systems Practice, 5, p. 379-393.

Law, J. (1999). After ANT: complexity, naming and topology. In Law, J. & Hassard, J. Actor-network theory and after (p. 1-14). Oxford: Blakcwell Publishers.

Law, J. (2002). Objects and spaces. Theory, Culture & Society. 19(5/6).

Law, J & Mol, A. (1994). Regions, Networks and Fluids: Anaemia and Social Topology. Social Studies of Science, 24, p. 641-671.

Mol, A. (1999). Ontological Politics: A Word and Some Questions. In Law, J. & Hassard, J. Actor-network theory and after (p. 74-89). Oxford: Blakcwell Publishers.

Rowlinson, M., Hassard, J., & Decker, S. (2014). Research strategies for organizational history: a dialogue between historical theory and organization theory. Academy of Management Review, 39(3), p. 250-274.

Serres, M. (1996). Diálogos sobre a ciência, a cultura e o tempo. Conversas com Bruno Latour. Lisboa: Instituto Piaget.

Üsdiken, B. & Kieser, A. (2004). Introduction: history in organization studies. Business History, 46(3), p. 321-330.

Vizeu, F. (2012). Em algum lugar do passado: contribuições da pesquisa história para os Estudos Organizacionais brasileiros. Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 36.

Vizeu, F. (2010). Potencialidades da análise histórica nos estudos organizacionais brasileiros. Revista de Administração de Empresas, 50, p. 36-46.

Weatherbee, T. G., Durepos, G., Mills, A., & Mills, J. H. (2012). Theorizing the Past: Critical engagements. Management & Organizational History, 7(3), p. 193-202.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.