RELAÇÕES ENTRE INSTITUIÇÕES PÚBLICAS E PRIVADAS NA GERAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: POTENCIALIDADES E LIMITAÇÕES DA REGIÃO DO ALTO PARANAÍBA – MG

Fabiana Ferreira Silva, Edson Arlindo Silva, Valderí de Castro Alcântara, Raiane Ribeiro Machado, Luís César Dias Drumond, André Cezar de Souza
DOI: https://doi.org/10.5329/RECADM.20080701005

Texto completo:

Artigo

Resumo

O estudo objetivou mostrar dentro do contexto atual as potencialidades e limitações que circundam as parcerias existentes entre as organizações públicas e privadas localizadas na região do Alto Paranaíba, Minas Gerais. Foram incorporados à discussão elementos que possam caracterizar ações e iniciativas, entre o público e o privado, voltadas ao desenvolvimento sustentável da região pesquisada. Para isso, informações oriundas do Zoneamento Ecológico-Econômico do Estado de Minas Gerais (ZEE-MG) contribuíram significativamente para análise dos dados e informações coletadas. Nesse contexto, foi possível identificar grande potencial para desenvolvimento do agronegócio, além da riqueza em recursos hídricos e da biodiversidade existente. Tais fatores propiciam o crescimento econômico da região, servindo de parâmetro para se pensar ao mesmo tempo em desenvolvimento sustentável. Sendo assim, vários foram os componentes institucionais pesquisados nos 31 municípios pertencentes ao Alto Paranaíba, podendo ser vistos como potenciais geradores de políticas públicas e parcerias voltadas para a sustentabilidade da região. Os resultados encontrados apontaram para cenários de potencialidades e limitações, desafios e expectativas, mas alertando para o contínuo e ininterrupto monitoramento do meio ambiente da região. As Considerações do estudo nos permitem em primeiro plano destacar a função social das organizações estudadas, principalmente em relações coletivas ou por meio de redes institucionais e segundo, algumas evidências encontradas até então, permitiram a incorporação de novas questões e objetivos específicos ao estudo, contribuindo atualmente para futuras questões ambientais.

 


Palavras-chave

Desenvolvimento sustentável; Instituições públicas e privadas; Alto Paranaíba


Referências


ALENCAR, E. Introdução à metodologia da pesquisa. Lavras: UFLA/FAEPE, 2000.

ALEXANDER, J. C. A importância dos clássicos. In: Teoria social hoje. GIDDENS, A.; TURNER, J. (orgs.). São Paulo: UNESP, 1999.

BOWRING, M. A. De/constructing theory a look at the institucional theory that positivism built. Journal of management inquiry, v. 9, n. 3, September 2000, p. 258-270.

CAVALCANTI, C. Desenvolvimento e natureza: estudos para uma sociedade sustentável. São Paulo: Cortez, 1995

EHLERS, E. M. Agricultura sustentável: origens e perspectivas de um novo paradigma. 2. ed. Guaíba: Agropecuária, 1999.

FERREIRA, L. da C.; FERREIRA L. da C. Limites ecossistêmicos: novos dilemas e desafios para o Estado e para a sociedade. In HOGAN, D. J.; VIEIRA, P. F. (Orgs.). Dilemas socioambientais e

desenvolvimento sustentável. 2. ed. Campinas: Ed. da UNICAMP, 1995.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

LAVILLE, C.; DIONNE, J. A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre: Artes Médicas; Belo Horizonte: UFMG, 1999.

LIMA, F. R., RIBEIRO, A. G. Alternativas sustentáveis para a redução da vulnerabilidade socioeconômica e ambiental da agricultura familiar na região do cerrado mineiro: os casos de Uberlândia e Patrocínio. In: II Simpósio Regional de Geografia: “Perspectivas para o Cerrado no Século XXI”, Uberlândia, 2003.

MACHADO-DA-SILVA, C.; GONÇALVES S. A. Mudança organizacional, esquemas interpretativos e contexto institucional: dois casos ilustrativos. Revista de estudos organizacionais. Maringá, v. 1, n. 2, p. 1-16, jul. 2000.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. V. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MDA/CONDRAF. Diretrizes para o desenvolvimento sustentável. Ministério do desenvolvimento agrário. DF: Brasília, 2006.

PECI, A. A nova teoria institucional em estudos organizacionais: uma abordagem crítica. IN: Anais do XXIX Enanpad, 2005, Brasília, DF, 18-21 Setembro.

SACHS, I. Desenvolvimento includente, sustentável, sustentado. Rio de Janeiro: Garamond, 2004.

SILVA, L. L. O papel do Estado no processo de ocupação das áreas de cerrado entre as décadas de 60 e 80. Uberlândia: Caminhos de geografia – Revista On-Line, 1(2), p. 24-36, dez./2000.

SILVA, C. L. da; MENDES, J. T. G. Reflexões sobre o desenvolvimento sustentável: agentes e interações sob a ótica multidisciplinar. Petrópolis: Vozes, 2005.

TOLBERT, P. S., ZUCKER, L. G. A institucionalização da teoria institucional. In: Handbook de estudos organizacionais: modelos

de análise e novas questões em estudos organizacionais. v. 1. p. 194-217. São Paulo: Atlas, 2006.

VASCONCELOS, V. F., SANTOS, R. J. dos. A chegada do projeto PRODECER-I em Iraí de Minas e os migrantes. In: II Simpósio Regional de Geografia: “Perspectivas para o Cerrado no Século

XXI”, Uberlândia, 2003.

VIOLA, E. J.; LEIS, H. R. A evolução das políticas ambientais no Brasil, 1971-1991: do bissetorialismo preservacionista para o multissetorialismo orientado para o desenvolvimento sustentável. In HOGAN, D. J.; VIEIRA, P. F. (Orgs.). Dilemas socioambientais e desenvolvimento sustentável. 2. ed. Campinas: UNICAMP, 1995.

ZONEAMENTO ECOLÓGICO-ECONÔMICO DO BAIXO RIO PARANAÍBA: Subsídios técnicos. Relatório Final. Brasília: MMA/SDS, 2002.

ZONEAMENTO ECOLÓGICO-ECONÔMICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS (ZEE-MG). Relatório. Lavras: Editora UFLA, 2008.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.