RELAÇÕES INTERORGANIZACIONAIS EM ORGANIZAÇÕES DE TERCEIRO SETOR: REFLEXÕES TEÓRICAS

Augusto Cesar Marins Machado
DOI: https://doi.org/10.21529/RECADM.20070601007

Texto completo:

Artigo

Resumo

Com a consolidação cada vez maior do Terceiro Setor no Brasil – antes promessa, hoje realidade – eleva-se de forma exponencial o número de organizações, iniciativas e interessados neste campo. Por outro lado, acompanhando este vertiginoso crescimento, a quantidade de interesses escusos, conflitos teóricos, ações contraproducentes são geradas no arcabouço estrutural dessa temática. O presente ensaio teórico propõe-se, de maneira não conclusiva, fomentar a discussão acerca da importância das relações interorganizacionais ao fortalecimento do Terceiro Setor. Caminhando sobre um campo minado, em uma literatura ampla e fragmentada, verificou-se a necessidade na seleção de produções acadêmicas que possibilitassem ao leitor deste artigo, direções e sugestões, que possam enriquecer e aprimorar cada vez mais, pesquisas futuras.

Palavras-chave

Terceiro Setor; Relações Interorganizacionais; Organizações da Sociedade Civil


Referências


ALIANÇA CAPOAVA. Alianças e Parcerias: mapeamento das publicações brasileiras sobre alianças e parcerias entre organizações da sociedade civil e empresas. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2005.

ALVES, F. de Assis. Fundações, organizações sociais, agências

executivas: organizações da sociedade civil de interesse público e demais modalidades de prestação de serviços públicos. São Paulo: LTr, 2000.

ALVES, M. A. Terceiro Setor: as origens do conceito. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 26, 2002, Salvador. Anais...Salvador: ANPAD, 2002.1 CD-ROM.

ANDION, C.; SERVA, M. Uma delimitação do campo da Economia Social no Brasil: história, correntes e atores. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 30, 2006, Salvador. Anais...Salvador: ANPAD, 2006.1 CD-ROM.

ASHLEY, P. A. Ética e Responsabilidade Social nos Negócios. São Paulo: Saraiva, 2001.

AUSTIN, J. E. Parcerias: fundamentos e benefícios para o terceiro setor. São Paulo: Futura, 2001.

BARBOSA, S. C. T.; MEDEIROS, J. J. Coordenação Interorganizacional na implementação de programas públicos.. In: Encontro de Administração Pública e Governança, 1, 2004, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2004. CD-ROM.

BLAU, J. R.; RABRENOVIC, G. Interorganizational Relations of Nonprofit Organizations: An Exploratory Study. Sociological Forum, v.6, n.2, 1991.

BRESSER-PEREIRA, L.C.; GRAU, N.C. Entre o Estado e o Mercado: O Público Não-Estatal. In BresserPereira, L.C. e Nuria Cunill Grau, orgs., O Público Não-Estatal na Reforma do Estado. Rio de Janeiro:

Editora FGV, 1999: 15-48.

COELHO, S. C. T. Terceiro setor: um estudo comparado entre Brasil e Estados Unidos. São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 2000.

CUNHA, C. R. Padrão de relacionamento interorganizacional: estudo de caso do consórcio de transporte Centroleste. In: ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E GOVERNANÇA, 1, 2004, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2004. CD-ROM.

FALCONER, A. A promessa do Terceiro Setor: um estudo sobre a construção do papel das organizações sem fins lucrativos e do seu campo de gestão. Tese de Doutorado apresentada a Universidade de São Paulo. 1999.

FERNANDES, R.C. Privado porém público: o terceiro setor na América Latina. Rio de Janeiro: RelumeDumará, 1994.

FERNANDES, R.C. O que é o Terceiro Setor? In: IOSCHPE, Evelyn (et.al.). 3º Setor: desenvolvimento social sustentado. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

FERRAREZI, E. OSCIP: saiba o que são organizações da sociedade civil de interesse público. Brasília: Agência de Educação para o Desenvolvimento, 2002.

FISCHER, R.M.; MENDONÇA, L.R. Transforming Civil Society, Citizenship and Governance: The Third Sector in an Era of Global (Dis)Order. ISTR Fifth International Conference Cape Town, South Africa / July 7- 10, 2002

HATTEN, M. L. Strategic Management in Not-For-Profit Organizations. Strategic Management Journal; vol.3,p.89-104, 1982.

IBGE. As Fundações Privadas e Associações sem fins lucrativos no Brasil 2002. Rio de Janeiro: IBGE, 2004.

LIZUKA, E. S.; SANO, H. O Terceiro Setor e a Produção Acadêmica: Uma Visita aos Anais dos ENANPAD´s de 1990 a 2003. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 28, 2004, Curitiba. Anais...Curitiba: ANPAD, 2004.1 CD-ROM.

MELO, V. P.; FISCHER, T.; SOARES JUNIOR, J. S. Diversidades e Confluências no Campo do Terceiro Setor: Um Estudo de Organizações Baianas. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 27, 2003, Atibaia. Anais...Atibaia: ANPAD, 2003.1 CD-ROM.

MODESTO, P. Reforma Administrativa e marco legal das organizações sociais no Brasil: as dúvidas doso juristas sobre o modelo das organizações sociais. In: MEREGE, L. C.; BARBOSA, M. N. L. Terceiro Setor: reflexão sobre o marco legal. Rio de Janeiro. Ed. FGV, 2001.

MONTAÑO, C. Terceiro setor e questão social: crítica ao padrão emergente de intervenção social. São Paulo: Cortez, 2002.

MORRIS, S. Defining the non-profit sector: Some lessons from history. Civil Society Working Paper 3. Center for civil society, London Scholl of Economics. Also in Voluntas, 2000.

OLIVER, C. Determinants of interorganizational relationships: integration and future directions. Academy of Management Review, v. 15, n. 12, p. 241-265, apr. 1990.

SALAMON, L. M. Estratégias para o fortalecimento do Terceiro Setor. In: IOSCHPE, Evelyn (et.al.). 3º Setor: desenvolvimento social sustentado. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

SALAMON, L. M. A emergência do Terceiro Setor – uma revolução associativa global. Revista de Administração USP. Vol. 33, n.01, jan/mar 1998.

SMITH, D. H. Four Sectors or Five? Retaining the Member-Benefit Sector. Nonprofit and Voluntary Sector Quarterly. V. 20 N. 2, Summer 1991, pp.137-50.

WEISBROD, B. Nonprofit Economy. Cambridge: Harvard University Press, 1988.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.