A VIVÊNCIA DA DICOTOMIA PRAZER/SOFRIMENT

Wagner Junior Ladeira, Silvia Generali da Costa
DOI: https://doi.org/10.21529/RECADM.20070601009

Texto completo:

Artigo

Resumo

A construção das chamadas “vilas de funcionários”, geralmente situadas nos arredores das respectivas empresas é um capitulo importante da história do trabalho e da urbanização brasileira. As mudanças nelas ocorridas são vivenciadas na atividade profissional dos funcionários, como sofrimento, como prazer, ou como a comunhão de ambos. O objetivo deste trabalho é identificar como os funcionários/moradores de duas vilas de funcionários e os responsáveis pela empresa vêm vivenciando a dialética prazer/sofrimento. Foi feita uma pesquisa de caráter qualitativo, utilizando o estudo de caso como estratégia de investigação, e a análise de conteúdo como método de investigação. Os resultados encontrados permitiram compreender melhor as alterações ocorridas nas relações pessoais e profissionais existentes nestas vilas e na empresa, e possibilitam analisar como estas influenciaram diretamente a dicotomia prazer/sofrimento, tanto na visão dos gestores da empresa quanto na dos moradores/funcionários da vila.

Palavras-chave

mudança; prazer/sofrimento e vilas de funcionários


Referências


BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BLAY, Eva Alterman. Eu não tenho onde morar: vilas operárias na cidade de São Paulo. São Paulo: Nobel, 1985.

BLUMENFELD, Hans. A metrópole moderna. In: DAVIS, Kingsley et al. Cidades: a urbanização da humanidade. 2ª ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1972. p. 13-35.

COLBARI, Antônia de Lourdes. Imagens familiares na cultura das organizações. In: DAVEL, Eduardo e VASONCELOS, João (Orgs.) Recursos humanos e subjetividade. Rio de Janeiro: Vozes, 1996. p. 208-229.

CORREIA, Telma de Barros. A industria e a moradia operária: as diferentes formas de acesso a casas em vilas operárias e núcleos fabris. In: Sinpses. São Paulo, nº. 28 (Dez), 1997. p. 9–18.

CORREIA, Telma de Barros. De vila operária a cidade-companhia: as aglomerações criadas por empresas no vocabulário especializado e vernacular. In: Revista Brasileira de Estudos Urbanos e regionais. Recife, nº. 4 (mai), 2001. p. 83–98.

CORREIA, Telma de Barros. O IDORT e a taylorização da moradia no Brasil (1932-1950). In: VII Seminário de História da Cidade e do Urbanismo. Anais..... Salvador, 2002.

DAVIS, Kingsley. A urbanização da humanidade. In: DAVIS, Kingsley et al. Cidades: a urbanização da humanidade. 2ª ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1972. p. 13-35.

DEJOURS, Cristhophe. A banalização da injustiça social. 5ª ed. Rio de Janeiro: FGV, 2003.

DEJOURS, Cristhophe. A loucura do trabalho. 5ª ed. Editora. Cortez, São Paulo. 1992.

DEJOURS, Cristhophe. ABDOUCHELI, Elisabeth e JAYET, Christian. Psicodinâmica do Trabalho: contribuições da escola dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas, 1994.

ENGELS, Friedrich. A situação da classe trabalhadora na Inglaterra. 2ª ed. São Paulo: Global, 1985.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Aurélio século XXI: o dicionário da língua portuguesa. 3ª Ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

HERÉDIA, Vânia Beatriz Merllotti. A construção de vilas operárias no sul do Brasil: o caso de Galopolis. In: Revista eletrónica de geografia y ciencias sociales. Universidad de Barcelona, Vol. VII, nº. 146, 2003.

MENDES, Ana Magnólia. Valores e Vivências de prazer-sofrimento no contexto organizacional. Tese (Doutorado em Psicologia) – Departamento de Psicologia Social e do Trabalho da Universidade de Brasília /UNB, Brasília, 1999.

MENDES, Ana Magnólia Comportamento defensivo: uma estratégia para enfrentar o sofrimento no trabalho. In: Revista de Psicologia da UFC, vol. 13, 1996. p. 27-32.

MENDES, Ana Magnólia Comportamento defensivo: uma estratégia para enfrentar o sofrimento no trabalho. In: Revista de Psicologia da UFC, vol. 13, 1996. p. 27-32.

MERLO, Álvaro Roberto Crespo. A informática no Brasil: prazer e sofrimento no trabalho. Porto Alegre: Editora da Universidade, 1999.

MORETTI, Alfredo Angelo. Vivências de prazer e sofrimento psíquico em tempos de reestruturação produtiva. Dissertação (Mestrado em Administração) – Programa de Pós-graduação em administração da

Universidade Federal do Rio Grande do Sul /PPGA-UFRGS, Porto Alegre, 2003.

PEVSNER, N.; FLEMING, J. e HONOVRH, M. Dicionário Enciclopédico de Arquitetura. Rio de Janeiro: Companhia das Artes, 1998.

SELIGMANN-SILVA, Edith. Desgaste mental no trabalho dominado. Rio de Janeiro: Cortez, 1994.

SJOBERG, Gideon. Origem e evolução das cidades. In: DAVIS, Kingsley et al. Cidades: a urbanização da humanidade. 2ª ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1972. p. 36-55.

WEBER, Max. Conceito e Categorias de Cidade. In: VELHO, Otávio Guilherme (Org.). O fenômeno urbano. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1967. p. 73-96.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.