Contornos da isonomia: articulação entre elementos de racionalidade na gestão de uma ONG

Washington José de Souza, Newton Barretto Lins
DOI: https://doi.org/10.21529/RECADM.20070601010

Texto completo:

artigo

Resumo

Este texto descreve o modo como elementos de racionalidade se articulam na gestão de uma Organização Não-Governamental tomando como base teórica o Paradigma Paraeconômico (Ramos, 1989) e o eixo metodológico adotada por Serva (1996). No aspecto processual, foram realizadas entrevistas individuais estruturadas e a análise de conteúdo. De acordo com as premissas que delimitam o conceito de isonomia, a Organização estudada não faz jus a tal denominação, em que pesem as ocorrências de trabalho livre de constrangimentos e de satisfação com o trabalho e orgulho dos trabalhadores com a imagem da organização. Tal fato ocorre em virtude da elevada centralização da decisão, que limita a autonomia e processos de atualização pessoal.

Palavras-chave

Isonomia; Organizações Substantivas; Racionalidade


Referências


ABREU, Cynara Carvalho de. O aconselhamento nos ambientes de trabalho como uma ferramenta para a mudança organizacional: o caso de uma indústria têxtil na grande Natal/RN. 2001. 120 f. Dissertação (Mestrado) Programa de Pós-Graduação em Administração – Centro de Ciências Sociais Aplicadas – UFRN.

Natal, 2001.

AKTOUF, Omar. A administração entre a tradição e a renovação. São Paulo: Atlas, 1996.

ANDION, Carolina. Gestão em organizações da economia solidária: contornos de uma problemática. In.: Revista de Administração Pública – RAP 1/98. p.7-25.

ANDION, Carolina. As particularidades da gestão em organizações da economia solidária. XXV Encontro da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração. Campinas: ANPAD, 2001.

ANDRADE, Maria Margarida de. Introdução à metodologia do trabalho científico: elaboração de trabalhos na graduação. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2001.

ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do trabalho: ensaios sobre a afirmação e a negação do trabalho. 5. ed. São Paulo: Boi Tempo,1999.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BRAVERMAN, Harry. Trabalho e capital monopolista: a degradação do trabalho no século XX. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1974.

BRUYNE, Paul de; HERMAN, Jacques; SCHOUTHEETE, Mar de. Dinâmica da pesquisa em ciências sociais: os pólos da prática metodológica. 3. ed. Rio de Janeiro: F. Alves.

CLEGG, Stewart R. (org.) Handbook de estudos organizacionais: reflexões e novas direções. Vol. 2. São Paulo: Atlas, 2001.

COELHO, Simone de Castro Tavares. Terceiro setor: um estudo comparado entre Brasil e Estados Unidos. São Paulo: Editora SENAC, 2000.

FERNANDES, Eda Conte. Qualidade de vida no trabalho: como medir para melhorar. 2. ed. Salvador: Casa da Qualidade, 1996.

GIDDENS, Anthony. Modernidade e identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia científica. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2000.

LINS, Newton M. de A. B.; CARVALHO, Virgínia D.; BONAVIDES, Renata O. P.; OLIVEIRA, Pedro L.; BRANDÃO, Marívia S.; MAIA, Marcos A. O.; SOUZA, Washington J. de. O sentido do trabalho em

organizações de economia solidária: o caso da CACC Durval Paiva. In.: VIII Seminário de Pesquisa do CCSA. Natal, Anais, 2002. Disponível em http : // www . ccsa. ufrn/anais/viii_seminário/Gt05. (Recuperado em 10/03/04)

MARCONI, Marina de Andrade.; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

MORGAN, Gareth. Imagens da organização. São Paulo: Atlas, 1996.

MORRIS, Tom. Filosofia para dummies: como usar os ensinamentos dos mestres no dia-a dia. Rio de Janeiro: Campus, 2000.

OLIVEIRA, Silvio Luiz de. Tratado de metodologia científica: projetos de pesquisas, TGI, TCC, monografias, dissertações e teses. São Paulo: Pioneira, 2002.

PAGÈS, Max et al. O poder das organizações. São Paulo: Atlas, 1987

POLANYI, Karl. A grande transformação: as origens de nossa época. 2. ed. Rio de Janeiro: Campus, 2000.

RAMOS, Alberto Guerreiro. A nova ciência das organizações: uma reconceituação das riquezas das nações. 2. ed. Rio de Janeiro: FGV, 1989.

RAMOS, Alberto Guerreiro. Administração e contexto brasileiro: esboço de uma teoria geral da administração. 2. ed. Rio de Janeiro, FGV, 1983.

ROESCH, Sylvia Maria Azevedo. Projetos de estágio e de pesquisa em administração: guia para estágios, trabalhos de conclusão, dissertações e estudos de caso. 2.ed. São Paulo: Atlas, 1999.

SERVA, Maurício. Racionalidade e organizações: o fenômeno das organizações substantivas. 1966. 609 f. Tese (Dutorado) EAESP/FGV., São Paulo, 1996.

SERVA, Maurício. A racionalidade substantiva demonstrada na prática administrativa. São Paulo: RAE. v.37, n. 2, p. 18-30. abr./jun. 1997.

SILVA, Reinaldo Oliveira da. Teorias da administração. São Paulo: Pioneira/Thomson Learning, 2002.

SOUZA, W. J. de. Máquinas e sujeitos: experiências de operários têxteis frente à modernização tecnológica. Fortaleza: Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Ceará, tese, 1999.

WAGNER III, John A.; HOLLENBECK, John R. Comportamento organizacional. São Paulo: Saraiva, 2000.

WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. 2ª ed. São Paulo: Pioneira, 2003.

YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

ZIEMER, Roberto. Mitos organizacionais: o poder sensível da vida das empresas. São Paulo: Atlas, 1996.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.