Expatriação e Processos de Aprendizagem Organizacional: um estudo de casos múltiplos

Ana Virgínia Alberici Giordani Bertolini, Fabiano Larentis
DOI: https://doi.org/10.21529/RECADM.2019009

Texto completo:

PDF

Resumo

Ao considerar a globalização uma aliada à expansão das estratégias das organizações na internacionalização de seus negócios, a expatriação de empregados surge como um recurso de gestão de pessoas e, assim, oportuniza benefícios para as empresas e para o crescimento profissional e pessoal dos indivíduos. Portanto, este artigo teve como objetivo analisar a contribuição da expatriação para os processos de aprendizagem organizacional. Desenvolveu-se, para tanto, um estudo de casos múltiplos, com a participação cinco de empresas exportadoras do Rio Grande do Sul. A coleta de dados deu-se através de entrevistas com empregados que já foram expatriados ou que ainda se encontram em processo de expatriação, observações e pesquisa documental. Como resultados, pode-se observar que a expatriação tende a desencadear processos de aprendizagem organizacional que se encontram embutidos nas atividades cotidianas do indivíduo. Identificou-se que os empregados aprenderam, a partir de suas experiências, a enfrentar um problema ou desafio, através da reflexão, interação e colaboração com colegas. Além disso, a partir da expatriação, o expatriado enxerga a sua própria cultura sob uma nova ótica, toma conhecimento de outras culturas organizacionais e identifica novas formas de lidar com pessoas.


Palavras-chave

aprendizagem organizacional; expatriação; processos de aprendizagem; maneiras de aprendizagem


Referências


Adler, N. J., & Bartholomew, S. (1992). Academic and professional communities of discourse: generating knowledge on transnational human resource management. Journal of International Business Studies, 23(3), 551-569.

Antal, A. B., (2001). Expatriates’ contributions to organizational learning. Journal of General Management, 26(4), 62-84.

Antonello, C. S. (2011). Saberes no Singular? Em discussão a falsa fronteira entre a aprendizagem formal e informal. In: C. S. Antonello (org) Aprendizagem organizacional no Brasil (pp. 225-245). Porto Alegre: Bookman.

Antonello, C. S., & Godoy, A. (2010). A encruzilhada da aprendizagem organizacional: uma visão multiparadigmática. RAC-Revista de Administração Contemporânea, 14(2), 310-322.

Argote, L. (2011). Organizational learning research: past, present and future. Management Learning, 42(4), 439-446.

Argyris, C., & Schön, D. (1996). Organizational learning II: theory, method and practice. Massachusetts: Addison-Wesley.

Barakat, A., & Moussa, F. (2014). Variables influencing expatriate learning and organizational learning. Competitiveness Review, 24(4), 275 – 292.

Bardin, L. (2011). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições, 70.

Baruch, Y., & Altman, Y. (2002). Expatriation and repatriation in MNCs: A taxonomy. Human Resource Management, 41(2), 239-259.

Bispo, M. de S., & Godoy, A. S. (2012). A Etnometodologia enquanto caminho teórico-metodológico para investigação da aprendizagem nas organizações. RAC-Revista de Administração Contemporânea, 16(5), 684-704.

Bonache, J., Brewster, C., & Suutari, V. (2001). Expatriation: A developing research agenda. Thunderbird International Business Review, 43(1), 3-20.

Brasil. Lei nº 11.962, de 06 de julho de 2009. (2009). Dispõe sobre a regulamentação da situação de trabalhadores contratados no Brasil ou transferidos para prestar serviço no exterior. Brasília. 2009. Recuperado em 8 abril, 2015, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Lei/L11962.htm.

Brasil. Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. (2016) Estatísticas de Comércio Exterior. Recuperado em 30 setembro, 2016, de http://www.mdic.gov.br/index.php/comercio-exterior/estatisticas-de-comercio-exterior.

Cateora, P. R., & Graham, J. L. (2009). Marketing internacional. Rio de Janeiro: LTC.

Cavusgil, S. T.r; Knight, G. & Riesenberger, J. R. (2010). Negócios internacionais: estratégia, gestão e novas realidades. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Cerdin, J.L., & Dubouloy, M. (2004) Expatriation as a maturation opportunity: A psychoanalytical approach based on ‘copy and paste’. Human Relations, 57(8), 957- 981.

Certo, S. C. (2003). Administração moderna. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Chang, Y. Y., & Smale, A. (2013). Expatriate characteristics and the stickiness of HRM knowledge transfers. The International Journal of Human Resource Management, 24(12), 2394-2410.

Chiva, R., Ghauri, P., & Alegre, J. (2014). Organizational learning, innovation and internationalization: A complex system model. British Journal of Management, 25(4), 687-705.

Coelho Jr., F. A., & Mourão, L. (2011). Suporte à aprendizagem informal no trabalho: uma proposta de articulação conceitual. RAM. Revista de Administração Mackenzie, 12(6), 224-253.

Coelho, J. V. (2017). Estar dentro, estando fora: da expatriação como quadro de acção disjuntivo. Gestão e Sociedade, 11(30), 1976-1999.

De Clercq, D., Sapienza, H. J., & Crijns, H. (2005). The internationalization of small and medium-sized firms. Small business economics, 24(4), 409-419.

Dibella, A. J., & Nevis, E. C. (1999). Como as organizações aprendem: uma estratégia integrada voltada para a construção de capacidade de aprendizagem. São Paulo: Educator.

Dutra, J. S. (2002). Gestão de pessoas: modelo, processos, tendências e perspectivas. São Paulo: Atlas.

Eboli, M. (2002). O desenvolvimento das pessoas e a educação corporativa. As pessoas na organização. São Paulo: Gente.

Easterby-Smith, M. V. P., & Araujo, L. M. (2001). Aprendizagem organizacional: oportunidades e debates atuais. In M. P. V. Easterby-Smith, L. M. Araujo, & J. G. Burgoyne (Orgs.). Aprendizagem organizacional e organização de aprendizagem: desenvolvimento na teoria e na prática (pp. 15-38). São Paulo: Atlas.

Eisenhardt, K. M. (1989). Building theories from case study research. Academy of management review, 14(4), 532-550.

Fee, A., Gray, S. J., & Lu, S. (2013). Developing cognitive complexity from the expatriate experience: Evidence from a longitudinal field study. International Journal of Cross Cultural Management, 13(3), 299-318.

Flick, U. (2009). Introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Armed.

Freitas, M. E. (2010). Expatriação profissional: o desafio interdependente para empresas e indivíduos. Revista Eletrônica Gestão e Sociedade, 4(9), 689-708.

Fundação Dom Cabral. (2017). Ranking das Multinacionais Brasileiras 2017. Recuperado em 01 junho, 2018, de https://www.fdc.org.br/conhecimento/publicacoes/relatorio-de-pesquisa-16375.

Gallon, S., & Antunes, E. D. D. (2013, maio). O processo de expatriação na estratégia organizacional. Anais do Congresso Instituto Franco-Brasileiro de Administração de Empresas, Tours, França, 7.

Gallon, S., & Antunes, E. D. D. (2015). Processo de expatriação: um modelo com fases e práticas. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, 8(2), 54-85.

Gallon, S., & Bitencourt, B. M. (2015). Programas Trainee E Expatriação Como Processos Que Evidenciam A Importância Estratégica Da Gestão De Recursos Humanos. Teoria e Prática em Administração, 5(2), 140-166.

Gallon, S., & Scheffer, A. B. B. (2015). Expatriação: Uma Oportunidade de Repensar a Carreira. Revista Alcance (Online), 22(2), 298.

Gherardi, S. (2005). Organizational knowledge: the texture of workplace learning. London: Blackwell.

Gherardi, S., & Nicolini, D. (2001). The sociological foundations of organizational learning. In M. Dierkes, A. B. Antal, J. Child, & I Nonaka (Ed.). Handbook of Organizational Learning and Knowledge (Chap. 2, pp. 35-60), Oxford: Oxford University Press.

Gong, Y. (2003). Subsidiary staffing in multinational enterprises: Agency, resources, and performance. Academy of Management journal, 46(6), 728-739.

Gonzalez, J. A., & Chakraborty, S. (2014). Expatriate knowledge utilization and MNE performance: A multilevel framework. Human Resource Management Review, 24(4), 299-312.

González, J. M. R., & Oliveira, J. A. (2011). Os efeitos da expatriação sobre a identidade: estudo de caso. Cadernos EBAPE.BR, 9(4), 1122-1135.

Harzing, A. W. (2001). Of bears, bumble-bees, and spiders: The role of expatriates in controlling foreign subsidiaries. Journal of World Business, 36(4), 366-379

Homem, I. D., & Dellagnelo, E. H. L. (2006). Novas formas organizacionais e os desafios para os expatriados. RAE-eletrônica, 5(1), 1-21.

Howe-Walsh, L., & Schyns, B. (2010). Self-initiated expatriation: implications for HRM. The International Journal of Human Resource Management, 21(2), 260-273.

Kim, D. H. (1998). O elo entre a aprendizagem individual e a aprendizagem organizacional. Klein, Da. A gestão estratégica do capital intelectual: recursos para a economia baseada em conhecimento. Rio de Janeiro: Qualitymark, 61-92.

Klotzle, M. C. (2002). Alianças estratégicas: conceito e teoria. Revista de Administração contemporânea, 6(1), 85-104.

Larentis, F., Antonello, C. S., Milan, G. S., & De Toni, D. (2014). Aprendizagem organizacional e relacionamentos interorganizacionais: um estudo de casos múltiplos. Revista Base (Administração e Contabilidade) da UNISINOS, 11(4), 347-366.

Malcolm, J., Hodkonson, P., & Colley, H. (2003). The interrelationships between informal and formal learning. Journal of workplace learning, 15(7/8), 313-318.

March, J. G., & Olsen, J. P. (1975). The uncertainty of the past: Organizational learning under ambiguity. European journal of political research, 3(2), 147-171.

Moreira, M. Z., Norões, J. L., & Ogasavara, M. H. (2014). Framework da estratégia de expatriação no âmbito do indivíduo, da organização e do ambiente internacional. Apresentação, 9(1), 81-100.

Niessen, C., Sonnentag, S., & Sach, F. (2012). Thriving at work - A diary study. Journal of Organizational Behavior, 33(4), 468-487.

Nicolini, D., Gherardi, S., & Yanow, D. (2003). Introduction: Toward a practice-based view of knowledge and learning in organization. In D. Nicolini, S. Gherardi, & D. Yanow (Orgs.). Knowing in organizations: a practice-based approach (Cap. 1, pp. 3-31). New York: M. E. Sharpe.

Nogueira, R. A., & Odelius, C. C. (2015). Desafios da pesquisa em aprendizagem organizacional. Cadernos EBAPE. BR, 13(1).

Nonaka, I., Toyama, R., & Hirata, T. (2011). Managing Flow: teoria e casos de empresas baseadas no conhecimento. Porto Alegre: Brookman.

Oddou, G., Osland, J. S., & Blakeney, R. N. (2009). Repatriating knowledge: Variables influencing the “transfer” process. Journal of international business studies, 40(2), 181-199.

Park, K., & Mense-Petermann, U. (2014). Managing across borders: Global integration and knowledge exchange in MNCs. Competition & Change, 18(3), 265-279.

Plourde, Y., Parker, S. C., & Schaan, J. L. (2014). Expatriation and its effect on headquarters' attention in the multinational enterprise. Strategic Management Journal, 35(6), 938-947.

Porath, C., Spreitzer, G., Gibson, C., & Garnett, F. G. (2012). Thriving at work: Toward its measurement, construct validation, and theoretical refinement. Journal of Organizational Behavior, 33(2), 250-275.

Prange, C. (2001). Aprendizagem organizacional: desesperadamente em busca de teorias. In M. P. V. Easterby-Smith, L. M Araujo, & J. G. Burgoyne (Orgs.). Aprendizagem organizacional e organização de aprendizagem: desenvolvimento na teoria e na prática (pp. 41-63). São Paulo: Atlas.

Prestes, V. A., Grisci, C. L. I., & Fraga, A. M. (2016). Lifestyles of workers in the expatriation context. RAM. Revista de Administração Mackenzie, 17(3), 39-59.

Rahim, A. (1983). A model for developing key expatriate executives. Personnel Journal, 62(4), 313-318.

Ramaswami, A., Carter, N. M., & Dreher, G. F. (2016). Expatriation and career success: A human capital perspective. Human relations, 69(10), 1959-1987.

Ren, H., Yunlu, D. G., Shaffer, M., & Fodchuk, K. M. (2015). Expatriate success and thriving: The influence of job deprivation and emotional stability. Journal of World Business, 50(1), 69-78.

Rose, R. C., Ramalu, S. S., Uli, J., & Kumar, N. (2010). Expatriate performance in international assignments: The role of cultural intelligence as dynamic intercultural competency. International Journal of Business and Management, 5(8), 76.

Schön, D. A. (1983). Organizational learning. In: MORGAN, G. (Ed.) Beyond method. Beverly Hills, CA: Sage.

Sebben, A., & Dourado F. F. (2010). Os nortes da bússola: manual para conviver e negociar com culturas estrangeiras. Porto Alegre: Artes e Ofícios.

Selmer, J., & Suutari, V. (2011). Expatriation–old issues, new insights. Cross Cultural Management: An International Journal, 18(2), 150-160.

Shah, D., & Barker, M. (2017). Cracking the cultural code: Indian IT expatriates’ intercultural communication challenges in Australia. International Journal of Cross-Cultural Management, 17(2), 215-236.

Silbiger, A., Berger, R., Barnes, B. R., & Renwick, D. (2017). Improving expatriation success: the roles of regulatory focus and burnout. British Journal of Management, 28(2), 231-247.

Tan, D., & Mahoney, J. T. (2006). Why a multinational firm chooses expatriates: Integrating resource‐based, agency and transaction costs perspectives. Journal of Management Studies, 43(3), 457-484.

Tanure, B., Evans, P., & Pucik, V. (2007). Virtudes e pecados capitais: a gestão de pessoas no Brasil. Rio de Janeiro: Campus.

Vergara, S. C. (2005). Métodos de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas.

Vianna, N. P., & Swirski, Y. S. (2009). Uma análise sobre os processos de expatriação e repatriação em organizações brasileiras. Revista Base, 6(4), 340-353.

Weick, K., & Westley, F. (2004). Organizational learning: affirm and oxymoron, In S. Clegg, C. Hardy, & W. R Nord (org.). Handbook of Organizational Studies. Londres: Sage.

Whitehead, G. (2017). The contradictory condition of ‘homelessness’ in the life of the transnational professional. Culture and Organization, 23(4), 306-324.

Yin. R. K. (2010). Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.