COMPETÊNCIAS TÉCNICO-ORGANIZACIONAIS E ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: EVIDÊNCIAS DE ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS

Joubert Assumpção, Paulo N. Figueiredo
DOI: https://doi.org/10.5329/RECADM.20060502007

Texto completo:

artigo

Resumo

Muito embora haja uma vasta literatura sobre as implicações das competências técnico-organizacionais para o desempenho de organizações, vários destes estão concentrados no ambiente industrial. Ao mesmo tempo, não existem muitos estudos sobre estas competências em organizações não governamentais (ONGs). Este artigo examina as implicações da competência técnico-organizacional para o aprimoramento de desempenho de ONGs sob a perspectiva de estratégia baseada em competências dinâmicas. A pesquisa faz uso de evidências empíricas de primeira mão colhidas à base de trabalho de campo e examinadas a luz de um modelo que identifica nove dimensões de competências técnico-organizacionais. O estudo encontrou que as ONGs que fazem esforços explícitos para o aprimoramento destas dimensões, apresentam melhores indicadores de desempenho. Portanto a perspectiva de competências dinâmicas mostrou-se fortemente viável para explicar diferenças de desempenho também neste tipo de organizações.

Palavras-chave

estratégia; competências; ONG


Referências


ANHEIER, H.K. Managing non-profit organizations: Towards a new approach. Civil Society Working Paper 1.

Janeiro, 2000. Disponível em . Acesso em 22 Fevereiro 2004.

BARNEY, J. 1986. Strategic Factor Markets: Expectations, Luck, and Business Strategy. Management Science, V. 32, N. 10, p. 1231-1241, 1986.

DELGADO, M.V.M. O Terceiro Setor no Brasil: Uma Visão Histórica. Disponível em . Acesso em 05 jun 2005.

DRUCKER, P.F. Administração de Organizações sem fins Lucrativos, princípios e práticas. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002.

DUTRÉNIT, G. Learning and knowledge management in the firm. Cheltenham: Edward Elgar, 2000

FALCONER, A. A promessa do Terceiro Setor: um estudo sobre a construção do papel das organizações sem fins lucrativos e do seu campo de gestão. São Paulo, Departamento de Administração FEA-USP, julho de 1999, disponível em . Acesso em 12 mai. 2004

FERNANDES, R.C. O que é o Terceiro Setor? In: IOSCHPE, E. B. (org.). Terceiro Setor: desenvolvimento social sustentável. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

FIGUEIREDO, P.N. Learning, capability accumulation and firms differences: evidence from latecomer steel. Industrial and Corporate Change, V. 12, N. 3, 2003.

FIGUEIREDO, P.N. Aprendizagem tecnológica e performance competitiva. Rio de Janeiro: FGV, 2003 b.

GESET - GERÊNCIA DE ESTUDOS SETORIAIS. Terceiro Setor e o Desenvolvimento Social. Disponível em . Acesso em 05 jun 2005.

IANSITI, M.; CLARK, K. B. Integration and dynamic capability: evidence from product development in automobiles and mainframe computers. Industrial and Corporate Change, V. 33, N. 3, 1994.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. As Fundações Privadas e Associações sem fins lucrativos no Brasil: 2002. Rio de Janeiro: IBGE, 2004.

KIM, L. Crisis construction and organizational learning: capability building in catching-up at Hyundai Motor. Organization Science, v. 9, n. 7, 1998.

LEONARD-BARTON, D. Nascentes do saber: criando e sustentando as fontes de inovação. Rio de Janeiro: Fundação Getulio Vargas, 1998.

LEWIS, D. The management of non-governmental development organizations – an introduction. London: Routledge, 2001

MARÇON, D.; ESCRIVÃO FILHO, E. Gestão das ONGs: um Repensar Sobre as Teorias Organizacionais. Anais do 25º. ENANPAD. Campinas, Setembro, 2001.

OLIVEIRA JR., A. R. A Gestão Estratégica no Terceiro Setor: Estudo de Caso numa Organização Eclesiástica. Dissertação de Mestrado, EBAPE/FGV, Rio de Janeiro, 2001.

PAVITT, K. What we know about the strategic management of technology. California Management Review, v. 32, n. 2, 1990.

PENROSE, E. T. The theory of the growth of the firm. New York: John Wiley & Sons, 1959.

PRAHALAD, C.K.; HAMEL, G. The Core Competence of the Organization. Harward Business Review. Maio/Junho, p. 79-91, 1990.

SALVATORE, V. A Racionalidade do Terceiro Setor. In: VOLTOLINI, R. (org.). Terceiro Setor: Planejamento e Gestão. São Paulo: Editora SENAC, 2004.

SILVA, C.; KARAWEJCZYK, T.C.; PRETTO, C. B. Estratégia como ferramenta nas organizações sociais: um estudo sobre ONGs na região do vale dos sinos. In: COSTA, B. K. e ALMEIDA, M.I.R. (coords). Estratégia: perspectivas e aplicações. São Paulo: Atlas, 2002.

TEECE, D. J; PISANO, G. The dynamic capabilities of firms: an introduction. Industrial Corporate Change, v. 3, n. 3, 1994.

TEECE, D.J.; PISANO, G.; SHUEN, A. Dynamic Capabilities and Strategic Management. Strategic Management Journal. Vol. 18, N. 7, p. 509-533, 1997.

TENÓRIO, F. G. (org.). Gestão de ONGs: principais funções gerenciais . Rio de Janeiro: FGV, 2003.

TIDD, J.; BESSANT, J.; PAVITT, K. Managing Innovation: Integrating Technological Market and Organizational Change. West Sussex: John Wiley and Sons, 1997.

TREMBLAY, P.J. Technological Capability and Productivity Growth: an Industrialized / Industrializing Country Comparison. Scientific Series. Montreal, 1998.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.