Reflexos das Mídias Sociais na Cultura Organizacional da Polícia Militar

Mirian Assumpcao e Lima
DOI: https://doi.org/10.21529/RECADM.2019017

Texto completo:

PDF

Resumo

O isolamento em relação ao mundo civil é um dos traços da cultura em organizações de caráter militar. Tal isolamento influencia ou se liga a outros traços como desconfiança, sentido de missão e formalismo. Assim, torna-se difícil pensarmos no emprego de tecnologias de informação e comunicação que permitam uma maior interação com a comunidade pelos integrantes dessas organizações. Neste estudo, investigamos o processo de adoção das mídias sociais pela Polícia Militar de Minas Gerais, com o objetivo de compreender a influência do uso dessas ferramentas na cultura organizacional. Realizamos um estudo de caso qualitativo instrumental por meio de uma abordagem construcionista, de modo a analisar as práticas discursivas. Os resultados apontaram para dois repertórios interpretativos: “WhatsApp é a mídia do policial” e “Facebook é a mídia da polícia”. Esses repertórios caracterizam-se por uma menor disposição à exposição pública por parte do policial e uma maior exposição institucional em busca de uma boa imagem pública.


Palavras-chave

cultura organizacional; mídias sociais; polícia militar; práticas discursivas; repertórios interpretativos


Referências


Barábasi, A. L. (2009). Linked: a nova ciência das redes. São Paulo: Leopardo.

Beshears, M. L. (2017). Effectiveness of police social media use. American Journal of Criminal Justice, 42(3), 489-501.

Boyd, D. M., & EllisSon, N. B. (2007). Social network sites: Definition, history, and scholarship. Journal of computer‐mediated Communication, 13(1), 210-230.

Chia, R. (1995). From modern to postmodern organizational analysis. Organization studies, 16(4), 579-604.

Cotta, F. A. (2006). Breve história da polícia militar de Minas Gerais. Belo Horizonte: Crisálida.

Creswell, J. W. (2014). Investigação Qualitativa e Projeto de Pesquisa: Escolhendo entre Cinco Abordagens. Porto Alegre: Penso Editora.

Crump, J. (2011). What are the police doing on Twitter? Social media, the police and the public. Policy & Internet, 3(4), 1-27.

Davis, E. F., Alves, A. A., & Sklansky, D. A. (2014). Social media and police leadership: Lessons from Boston. Australasian Policing, 6(1), 10.

Denef, S., Bayerl, P. S., & Kaptein, N. A. (2013, April). Social media and the police: tweeting practices of British police forces during the August 2011 riots. Proceedings of the SIGCHI conference on human factors in computing systems, Paris, França, 6.

Freitas, M. E. D. (1991). Cultura organizacional grandes temas em debate. Revista de Administração de Empresas, 31(3), 73-82.

Freitas, M. E. (2007). Cultura organizacional: evolução e crítica. São Paulo: Cengage Learning.

Grimmelikhuijsen, S. G., & Meijer, A. J. (2015). Does Twitter increase perceived police legitimacy? Public Administration Review, 75(4), 598-607.

Hofstede, G. (2011). Dimensionalizing cultures: The Hofstede model in context. Online readings in psychology and culture, 2(1), 8

Huang, Y., Huo, S., Yao, Y., Chao, N., Wang, Y., Grygiel, J., & Sawyer, S. (2016, June). Municipal Police Departments on Facebook: What Are They Posting and Are People Engaging? Proceedings of the 17th International Digital Government Research Conference on Digital Government Research, New York, NY, USA.

Ingram, J. R., Paoline, E. A., & Terrill, W. (2013). A multilevel framework for understanding police culture: The role of the workgroup. Criminology, 51(2), 365-397.

Kaplan, A. M., & Haenlein, M. (2010). Users of the world, unite! The challenges and opportunities of Social Media. Business horizons, 53(1), 59-68.

Katsurayama, E. H. (2014). Cultura Organizacional e Identidade Organizacional: distinções e aproximações. Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo:s/d. Recuperado em 17 dezembro, 2017, de http://convibra.com/upload/paper/2013/34/2013_34_6766.pdf

Kavanaugh, A. L., Fox, E. A., Sheetz, S. D., Yang, S., Li, Whalen,T., Shoemaker, D. J, Natsev, P. & Xie, L. (2012). Social media use by government: From the routine to the critical. Government Information Quarterly, 29(4), 480-491.

Lieberman, J. D., Koetzle, D., & Sakiyama, M. (2013). Police departments’ use of Facebook: Patterns and policy issues. Police Quarterly, 16(4), 438-462.

Lima, J. M. M. de. (2008). Apontamentos sobre cultura policial. Revista do Laboratório de Estudos da Violência e Segurança [online]. Edição 2: Unesp, Marília, SP. Recuperado em 04 dezembro, 2017 de: http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/levs/article/view/1078/966.

Loftus, B. (2007). Policing the'irrelevant': class, diversity and contemporary police culture. In Police Occupational Culture (pp. 181-204). Emerald Group Publishing Limited.

Manning, P. K. (2003). As tecnologias de informação e a polícia. In M. Tonry & N. Morris (Orgs.). Policiamento Moderno. São Paulo, SP: Editora da Universidade de São Paulo, 375-426.

Martin, J. (2002). Organizational culture: Mapping the terrain. Sage Publications.

Meijer, A., & Thaens, M. (2013). Social media strategies: Understanding the differences between North American police departments. Government Information Quarterly, 30(4), 343-350.

Memorando nº 010.2, de 15 de janeiro de 2016 (2016). Trata da criação de página do Facebook. Boletim Geral de Polícia Militar. Belo Horizonte, Minas Gerais: Polícia Militar de Minas Gerais.

Memorando Nº 1058, de 15 de janeiro de 2008 (2008). Trata da utilização de sites de relacionamentos. Boletim Geral de Polícia Militar. Belo Horizonte, Minas Gerais: Polícia Militar de Minas Gerais.

Mergel, I., & Bretschneider, S. I. (2013). A three‐stage adoption process for social media use in government. Public Administration Review, 73(3), 390-400.

Mergel, I. (2013). A framework for interpreting social media interactions in the public sector. Government Information Quarterly, 30(4), 327-334.

Mergel, I. (2014, June). Social media adoption: Toward a representative, responsive or interactive government? Proceedings of the 15th Annual International Conference on Digital Government Research, Aguascalientes, MX, Mexico, 1.

Monjardet, D. (2003). O que faz a polícia. São Paulo: Edusp.

Morgan, G., Bergamini, C. W., & Coda, R. (1996). Imagens da organização. São Paulo: Atlas.

Muniz, J., & Proença Junior, D. (2014). Mandato policial. In R. S. de Lima, J. L. Ratton & R.G.de Azevedo (Orgs.). Crime, Polícia e Justiça no Brasil. São Paulo. Editora Contexto.

Oliveira Júnior, A. (2007). Cultura de polícia: cultura e atitudes ocupacionais entre policiais militares em Belo Horizonte. Tese de Doutorado, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Oliveira Neto, Mario Fernandes. (2013) Cuidados a serem observados por policiais militares quanto ao uso de sites de redes sociais. Monografia, Academia de Polícia Militar, Polícia Militar de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Ouirdi, M. E., El Ouirdi, A., Segers, J., & Henderickx, E. (2014). Social media conceptualization and taxonomy: A Lasswellian framework. Journal of Creative Communications, 9(2), 107-126.

Paoline III, E. A. (2003). Taking stock: Toward a richer understanding of police culture. Journal of criminal justice, 31(3), 199-214.

Pereira, M. C., Claret dos Santos, A., & Brito, M. J. (2006). Tecnologia da informação, cultura e poder na Polícia Militar: uma análise interpretativa. Cadernos EBAPE. BR, 4(1), 1-18.

Porto, M. S. G. (2009). Mídia, segurança pública e representações sociais. Tempo social, 21(2), 211-233.

Recuero, R. (2011). Redes sociais na internet. Porto Alegre: Sulina.

Recuero, R., Bastos, M., & Zago, G. (2015). Análise de redes para mídia social. Porto Alegre: Sulina.

Reiner, R. (2004). A política da polícia (Vol. 11). São Paulo: Edusp.

Resolução n. 3854, de 26 de maio de 2006 (2006). Disciplina o emprego da informática e a utilização dos equipamentos e da infraestrutura de Tecnologia da Informação na PMMG. Boletim Geral de Polícia Militar. Belo Horizonte, Minas Gerais: Polícia Militar de Minas Gerais.

Rosa, A. R., Tureta, C., & de Brito, M. J. (2006). Práticas discursivas e produção de sentidos nos estudos organizacionais: a contribuição do construcionismo social. Contextus-Revista Contemporânea de Economia e Gestão, 4(1), p-41.

Sachdeva, N., & Kumaraguru, P. (2015, May). Deriving requirements for social media based community policing: insights from police. Proceedings of the 16th Annual International Conference on Digital Government Research, Phoenix, AZ, EUA.

Schein, E. H. (2009). Cultura organizacional e liderança. São Paulo: Atlas.

Schneider, C. J. (2016). Police presentational strategies on Twitter in Canada. Policing and Society, 26(2), 129-147.

Silva Neto, S. A. (1997). Cultura organizacional da Polícia Militar de Minas Gerais: uma visão diagnóstica. O Alferes, 13(45), 13-69.

Skolnick, J. H. (2011). Justice without trial: Law enforcement in democratic society. (4th ed.) Lousiana: Quid Pro books.

Smircich, L. (1983). Concepts of culture and organizational analysis. Administrative science quarterly28, 339-358.

Spink, M. J. (2010). Linguagem e produção de sentidos no cotidiano. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais. Recuperado em 02 fevereiro, 2017, de http://books.scielo.org/id/w9q43/pdf/spink-9788579820465.pdf

Spink, M. J., & Medrado, B. (2013). Produção de sentidos no cotidiano: uma abordagem teórico-metodológica para análise das práticas discursivas (ed. On-line). Práticas discursivas e produção de sentidos no cotidiano: aproximações teóricas e metodológicas. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais. Recuperado em 02 fevereiro, 2017, de http://books.scielo.org/id/w9q43/pdf/spink-9788579820465.pdf

Stake, R. E. (1995). The art of case study research. Illinois: Sage.

Trottier, D. (2012). Policing social media. Canadian Review of Sociology/Revue canadienne de sociologie, 49(4), 411-425.

Trottier, D. (2015). Coming to terms with social media monitoring: Uptake and early assessment. Crime, Media, Culture, 11(3), 317-333.

Williams, R., & Edge, D. (1996). The social shaping of technology. Research policy, 25(6), 865-899.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.