Organização-cidade e território: a territorialidade das pessoas em situação de rua a partir de suas práticas cotidianas

Valdir Costa Junior, Priscilla Borgonhoni Chagas, Josiane Silva de Oliveira
DOI: https://doi.org/10.21529/RECADM.2022007

Texto completo:

PDF

Resumo

O objetivo deste artigo é compreender as práticas de territorialização das cidades pelas pessoas em situação de rua. Para tanto, compreendemos o espaço como anterior e parte indissociável do território, sendo este formado por relações sociais e de poder e que a organização-cidade é constituída por diferentes territórios, em que distintos grupos os vivenciam, apropriam e disputam. Sendo assim, partimos do pressuposto de que a apropriação e a vivência em um dado território, processo esse conhecido como territorialização, ocorre por meio de práticas estratégicas e táticas, num espaço organizacional complexo imbricado em símbolos e significados, neste estudo, a organização-cidade. Adotamos a etnografia como metodologia de pesquisa, consistindo das técnicas de diários de campo, entrevistas semiestruturadas e informais, observação participante e ativa. A pesquisa foi realizada num período de pouco mais de um ano, de abril de 2018 a maio de 2019, na cidade de Maringá, Paraná. O estudo revelou que as pessoas em situação de rua em Maringá passam por constantes desterritorializações e reterritorializações caracterizadas por incertezas e subversões, uma vez que a vivência no território “rua” é marcada por uma arte de viver própria, imbricada em diferentes tipos de práticas cotidianas.


Palavras-chave

território; territorialização; práticas; organização-cidade; pessoas em situação de rua


Referências


Abal, Y., & Gugelmin, S. (2019). Aproximações etnográficas em territórios marginais: as cenas abertas de uso do crack em Cuiabá. Civitas - Revista de Ciências Sociais, 19(1), 178-194.

Aguiar, A. R. C., Carrieri, A. P., & Souza, E. M. (2016). The wonderful, magnanimous, spectacular and possible world of traveling circuses in Brazil. Brazilian Administration Review, 13(3), e160014.

Atlas De Desenvolvimento Humano. Perfil – Maringá, PR. Recuperado em 10 novembro, 2019, de http://atlasbrasil.org.br/2013/pt/perfil_m/4313#habitacao

Biscotto, P., Jesus, M., Silva, M., Oliveira, D., & Merighi, M. (2016). Understanding of the life experience of homeless women. Revista Da Escola De Enfermagem da USP, 50(5), 749-755.

Bretas, P. F. F., & Saraiva, L. A. S. (2013). Práticas de controle e territorialidades na cidade: um estudo sobre lavadores e flanelinhas. GESTÃO.Org - Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, 11(2), 247-270.

Certeau, M. (1998). A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes.

Certeau, M., Giard, L., & Mayol, P. (2002). A invenção do cotidiano, 2. Morar, cozinhar. 4ª ed. Petrópolis: Vozes.

Clifford, J. (2008). A experiência etnográfica. Rio de Janeiro: UFRJ.

Clifford, J. (2011). A experiência etnográfica. A antropologia e literatura no século XX. Rio de Janeiro: UFRJ.

Coimbra, K. E. R., & Saraiva, L. A. S. (2013). Territorialidade em uma organização-cidade: o Movimento Quarteirão do Soul. Gestão & Regionalidade, 29(86), 34-46.

Costa, V. J., & Oliveira, J. S. (2019, outubro). As emoções nas práticas de organização das cidades: etnografia com a população em situação de rua na cidade de Maringá, Paraná. XLIII Encontro da ANPAD, São Paulo, SP, Brasil, 43.

Costa, D. L. R. (2007). A rua em movimento – experiências urbanas e jogos sociais em torno da população de rua. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Decreto n. 7053 de 23 de dezembro de 2009. (2009). Rua: aprendendo a contar. Pesquisa Nacional sobre a População em Situação de Rua. Brasília, DF: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.

Dewalt, K. M., & Dewalt, B. R. (2011). Participant observation: a guide for fieldworkers. Toronto: Altamira Press.

Durham, E. (1986). A pesquisa antropológica com populações urbanas: problemas e perspectivas. In R. Cardoso (Org.). A aventura antropológica: teoria e pesquisa (pp.17-37). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Ferreira, F. P. M. (2006). População em situação de rua, vidas privadas em espaços públicos: o caso de Belo Horizonte 1998-2005. Anais do XII Seminário sobre a Economia Mineira. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil, 12.

Figueiredo, M. D., & Cavedon, N. R. (2012). O espaço organizacional e o espaço da cidade: as diversas formas de apropriação física e simbólica de um centro comercial em Porto Alegre. Gestão E Sociedade, 6(15), 227-253.

Fischer, T. (1997). A cidade como teia organizacional: inovações, continuidades e ressonâncias culturais Salvador, BA, cidade puzzle. Revista de Administração Pública, 31(3), 74-88.

Foucault, M. (1989). Microfísica do poder. 8ª ed. Rio de Janeiro: Graal.

Franco, B. L., & Oliveira, J. S. (2016, outubro). As práticas de constituição dos espaços organizacionais e dos espaços das cidades: contribuições de Michel de Certeau aos estudos organizacionais. Anais do IV Congresso Brasileiro de Estudos Organizacionais. Porto Alegre, Rio Grande do Sul, RS, Brasil, 4.

Geraes Duran, M. (2007). Maneiras de pensar o cotidiano com Michel de Certeau. Revista Diálogo Educacional, 7(22), 115-128.

Guarnieri, F., Chagas, P. B., & Vieira, F. G. (2018). Territorialização do cotidiano a partir de intervenções governamentais: O caso das academias da terceira idade (ATIS). Revista Alcance, 15(1), 61–78.

Gouvêa, J. B., & Ichikawa, E. Y. (2014). Alienação e resistência: um estudo sobre o cotidiano cooperativo em uma feira de pequenos produtores do oeste do Paraná. Revista Gestão & Conexões, 4(1), 68–90.

Haesbaert, R. (2007). Território e multiterritorialidade: um debate. GEOgraphia, IX(17), 19-46.

Hall, P. (2007). Cidades do Amanhã: uma história intelectual do planejamento e do projeto urbanos no século XX. São Paulo: Editora Perspectiva.

Hoffman, L.M., & Coffey, B.K. (2008). Dignity and indignation: how people experiencing homelessness view services and providers. The Social Science Journal, 45(2), 207 - 222.

Honorato, B. E. F., & Saraiva, L. A. S. (2016). Cidade, população em situação de rua e estudos organizacionais. Desenvolvimento em Questão, 14(36), 158-186.

Honorato, B. E. F., Saraiva, L. A. S., & Silva, E. R. (2017). A construção social da ordem e da subversão nos discursos da (e sobre a) população em situação de rua de Belo Horizonte. Revista Organizações em Contexto, 13(26), 339-383.

Honorato. B. E. F. (2014). Ordem e subversão nas cidades: um estudo sobre a população em situação de rua de Belo Horizonte. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). TD 2246 – Estimativa da População em Situação de Rua no Brasil. 2016.

Ipiranga, A. S. R. (2010). A cultura da cidade e os seus espaços intermediários: os bares e os restaurantes. Revista de Administração Mackenzie, 11(1), 65-91.

Knox, H. 2010. Cities and organisation: the information city and urban form. Culture and Organization, 16(3), 185–195.

Kunz, G. S. (2012). Os modos de vida da população em situação de rua: narrativas de andanças nas ruas de Vitória/ES. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, ES, Brasil.

Lacerda, T. F. (2012). Bioética e diversidade: condições de saúde da população adulta em situação de rua do Distrito Federal. Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

Leite, R. P. (2010). A inversão do cotidiano: práticas sociais e rupturas na vida urbana contemporânea. Dados, 53(3), 737-756.

Mac-allister, M. (2004). A cidade no campo dos estudos organizacionais. Organizações & Sociedade, 11(esp), 171-181.

Magnani, J. G. C. (2002). De perto e de dentro: notas para uma etnografia urbana. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 17(49), 11-29.

Magnani, J. G. C. (2009). Etnografia como prática e experiência. Horizontes Antropológicos, 15(32), 129-156.

Mattos, R. M., & Ferreira, R. F. (2004). Quem vocês pensam que (elas) são? – Representações sobre as pessoas em situação de rua. Psicologia & Sociedade, 16(2), 47-58.

Melo, A. S. D. (2015). Belo Horizonte e os moradores de rua: reinserção ou limpeza?. Farol - Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, 2(3), 327-349.

Mendes, M. V. B. (2007). Os moradores de rua e suas trajetórias: um estudo sobre os territórios existenciais da população de rua de Belo Horizonte. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Neves, D. P. Habitantes de rua e vicissitudes do trabalho livre. Antropolítica, n. 29, p. 99- 130, 2010.

Observatório Das Metrópoles Núcleo UEM/Maringá. (2018). Pesquisa pessoas em situação de rua em Maringá-PR: descontruindo a invisibilidade. Recuperado em 08 janeiro, 2020, de: https://drive.google.com/drive/folders/1Bh30a9gIcPSGzW4ZfqFl01uO26OIlLRJ

Observatório Das Metrópoles Núcleo UEM/Maringá. (2019). Pesquisa pessoas em situação de rua em Maringá-PR: descontruindo a invisibilidade – Relatório comparativo 2015, 2016, 2017, 2018, 2019. Recuperado em 10 janeiro, 2020, de: https://www.observatoriodasmetropoles.net.br/wp-content/uploads/2019/12/Relatorio-2015_a_2019.pdf

Oliveira, J. S., Mendes, E., & Lopes, B. F. (2019). Práticas de organização na (re)organização da cidade: etnografando a Procissão do Fogaréu na cidade de Goiás. Pensamento & Realidade, 34(1), 45-67.

Palombini, L. (2013). Os moradores de rua e sua relação com o espaço urbano. Para Onde!?, 7(2), 47-56.

Prefeitura de Maringá. (2018). Histórico do município. Recuperado em 20 junho, 2020, de: http://www2.maringa.pr.gov.br/turismo/?cod=nossa-cidade/2

Raffestin, C. (1993). Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática.

Raffestin, C. (2012). Space, Territory, and Territoriality. Environment and Planning D: Society and Space, 30(1), 121-141.

Ribeiro, R., Ipiranga, A., Oliveira, F., & Dias, A. (2019). Uma “estética de lances” de uma “heroína ordinária”: o reorganizar de práticas de resistências de uma artesã. Cadernos EBAPE.BR, 17(3), 590-606

Rodrigues, A. L., & Souza, P. R. (2018). Maringá: a ordem urbana na região metropolitana de Maringá: planejamento que produz segregação. In L. C. Q. Ribeiro, & M. G. Ribeiro. (Orgs.). Metrópoles brasileiras: síntese da transformação na ordem urbana 1980 a 2010 (pp. 269-293, 1a Ed.). Rio de Janeiro: Letra Capital Editora.

Rodrigues, F. S., & Ichikawa, E. Y. (2015). O cotidiano de um catador de material reciclável: a cidade sob o olhar do homem ordinário. Revista de Gestão Social e Ambiental, 9(1), 97-112.

Rogers, L. E. (2017). “Helping the helpless help themselves”: how volunteers and employees create a moral identity while sustaining symbolic boundaries within a homeless shelter. Journal of Contemporary Ethnography, 46(2), 230–260.

Santos, L. T. D., & Soares, F. M. A. (2017). Práticas de controle físico e simbólico no centro de Belo Horizonte. Farol – Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, 4(11), 1578-1626.

Saquet, M. A. (2009). Por uma abordagem territorial. In M. A. Saquet, & E. S Sposito (Orgs.). Territórios e territorialidades: teorias, processos e conflitos (pp. 73-94). São Paulo: Expressão Popular.

Saraiva, L. A. S., & Carrieri, A. P. (2012). Organização-cidade: proposta de avanço conceitual a partir da análise de um caso. Revista de Administração Pública, 46(2), 547-576.

Saraiva, L. A. S., & Carrieri, A. P., & Soares, A. S. (2014). Territorialidade e identidade nas organizações: o caso do Mercado Central de Belo Horizonte. Revista de Administração Mackenzie, 15(2), 97-126.

Schatzki, T. R. (2006). On organizations as they happen. Organization Studies, 27(12), 1863-1873.

Silva, T. L. (2010). A rua como espaço de interação social: um estudo antropológico das relações entre população em situação de rua e grupos caritativos. Antropolítica, 29, 131-149.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.