Relações de trabalho e de poder entre imigrantes e empregadores na fronteira da Amazônia Legal: um estudo à luz de Foucault aplicando a Grounded Theory

Kelly Pellizari, Antonio Carvalho Neto
DOI: https://doi.org/10.21529/RECADM.2022003

Texto completo:

PDF

Resumo

Este estudo investiga os impactos da imigração nas relações de trabalho (RTs) com foco nas relações de poder que integram as relações entre empregadores e imigrantes, tema muito raro na literatura em administração. O percurso metodológico baseou-se na Grounded Theory em sua perspectiva construtivista, o que possibilitou simultâneos processos de observação, coleta, tratamento, refinamento e análise de dados após sucessivas imersões a campo, que envolveram 40 entrevistas com imigrantes de diferentes nacionalidades e 9 empregadores que atuam na região fronteiriça da Amazonia Legal, no estado de Mato Grosso. A pesquisa mostrou os jogos de poder que acontecem a partir do impasse nas RTs entre imigrantes e os empregadores, em que a disparidade de poder é enorme, limitando a multivetorialidade das relações de poder dentro da perspectiva Foucaultiana. Aprofundou-se também no entendimento do papel social ocupado pelos imigrantes numa região distante dos centros industriais urbanos, onde poucas pesquisas são realizadas.


Palavras-chave

relações de poder; poder multivetorial; Foucault; imigração sul-sul; Grounded Theory


Referências


Almeida, L. S. (2021). Significados locais da colonização interna no norte mato-grossense. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, 23. Recuperado em 07 fevereiro, 2022, de https://doi.org/10.22296/2317-1529.rbeur.202101.

Baeninger, R., Bogus, L. M., Moreira, J. B., Vedovato, L. R., Fernandes, D., Souza, M. R. & Magalhaes, L. F. (2018). Migrações sul-sul. Campinas: NEPO/UNICAMP.

Baeninger, R., Demétrio, N. B., & Domeniconi, J. (2020). Imigração internacional na macrometrópole paulista: novas e velhas questões. Cadernos Metrópole, 22(47), 17-40.

Bentham, J. (2000). O panóptico. (T. T. Silva, Trad.). Belo Horizonte: Autêntica.

Brasil. (2017). Lei nº 13.445 de 24 de maio de 2017. Institui Lei de Migração. Brasília: Diário Oficial da União.

Carvalho Neto, A. (2001). Relações de trabalho e negociação coletiva na virada do milênio: estudo em quatro setores dinâmicos da economia brasileira. Petrópolis: Vozes.

Carvalho Neto, A, Versiani, F., Mota-Santos, C. M., Caeiro, M. L., Pellizari, K., & Abreu, G. V. (2017). Immigrant inclusion in the Brazilian labor market: facing the language barrier. EGOS Colloquium 2017, Sub-theme 22: Organizations, Language/s and Mobility/ies. Dinamarca, Copenhagen, 33.

Carvalho, L. (2018). Caminhos para o refúgio: inserção produtiva e social de refugiados. Recuperado em 09 julho, 2018, de http://migramundo.com/pesquisas/.

Casa Civil (2018). A acolhida de Venezuelanos. Recuperado em 29 agosto, 2018, de http://www.casacivil.gov.br/operacao-acolhida/historico.

Centro de Pastoral para migrantes de Cuiabá - MT (2018, 2019). Documentos institucionais e de controle interno.

Centro de Pastoral para migrantes de Cuiabá - MT (2021). Registros de controle de entrada/saída.

Charmaz, K. (2009). A Construção da teoria fundamentada. Porto Alegre: Artmed.

Cooke, F. L. & Wood, G. (2014). New actors in employment relations. In A. Wilkinson et al. (Eds). The Oxford handbook of employment relations: comparative employment systems. Oxford: Oxford University Press.

Cooke, F. L. &. Wood, G. (2011). New actors and employment relations in emerging economies. Relations Industrielles/Industrial Relations, 66(1), 7–10.

Dunlop, J. T. (1993). Industrial Relations Systems. Boston: HBS Press.

Faria, M. R. F. (2015). Migrações internacionais no plano multilateral: reflexões para a política externa brasileira. Brasília: FUNAG.

Fernandes, D. (2015). O Brasil e a migração internacional no século XXI – Notas introdutórias. In E. J. P. Prado & R. Coelho (Orgs.). Migrações e trabalho (pp. 17-19) Brasília: Ministério Público do Trabalho.

Fernandes, D., & Faria, A. V. D. (2017). O visto humanitário como resposta ao pedido de refúgio dos haitianos. Revista Brasileira de Estudos de População, 34(1), 145-161.

Foucault, M. (2001). Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes.

Foucault, M. (2005). A verdade e as formas jurídicas. Rio de Janeiro: NAU Editora.

Foucault, M. (2005). História da sexualidade I: a vontade de saber. (16 ed.). Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. (2005). Microfísica do poder. (21 ed.). Rio de Janeiro: Graal.

Glaser, B. G., & Strauss, A. L. (2017). Discovery of grounded theory: strategies for qualitative research. Londres: Routledge.

Goulding, C. (2009). Grounded theory perspectives in organizational research. In: D. A. Buchanam, & A. Bryman (Eds.). The SAGE handbook of organizational research methods (pp.381-394). London: British Library.

Guirado, M. (2009). A análise institucional do discurso como analítica da subjetividade. Tese de Livre Docência, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil. Recuperado em 22 julho, 2017, de http://wwwteses.usp.br/teses/disponiveis/livredocencia/47/tde-24082009-094342/

Henwood, K.; Pidgeon, N. (2010). A teoria fundamentada. In G. M. Breakwell, C. Fife-Schaw, S. Hammond, & J. S. Smith (Eds.). Métodos de pesquisa em psicologia. 3 ed. p. 340-361. Porto Alegre: Artmed.

Krein, J. D., & Manzano, M. (2014). Análise da OIT de boas práticas na redução do emprego informal na América Latina e no Caribe. Estudo de Caso: Brasil. Relatório Parcial. Campinas: CESIT/Unicamp.

Melo, M. C. O. & Carvalho Neto, A. M. (1998). Negociação coletiva e relações de trabalho: o debate atual. São Paulo: Associação Brasileira de Estudos do Trabalho (ABET).

Organização internacional do trabalho (2017). Tendencias de la inspección del trabajo frente a la formalización: experiencias de América Latina y el Caribe. Recuperado em 20 março, 2017, de http://www.ilo.org/wcmsp5/groups/public/---americas/---ro lima/documents/publication/wcms_370261.pdf.

Pellizari, K. (2019). O jogo de poder entre os atores sociais coletivos e os imigrantes nas cidades de Cuiabá e São Paulo. Tese de Doutorado, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Minas Gerais, MG, Brasil.

Pellizari, K. & Mazaro. R. E. (2018). Políticas de inserção social de migrantes no mercado de trabalho mato-grossense: um processo em construção. Anais do Seminário em Administração PPGA/FEA/USP- SemeAd, São Paulo, SP, Brasil, 20.

Polícia Federal (2018). Balanço do número de estrangeiros em MT. Disponibilização informal junto a jusrisdição em Cuiabá.

Polícia Federal (2019). Venezuelanos em Mato Grosso. Disponibilização informal junto a jusrisdição em Cuiabá.

Santos, M. I. M. P., & Luz, E. (2011). A Grounded Theory segundo Charmaz: experiências de utilização do método. Recuperado em 06 julho, 2016, de http://www.infiressources.ca/fer/depotdocuments/A_Grounded_Theory_segundo_Charmaz-experiencias_de_utilizaco_do_metodo.pdf.

Silveira, R. A. (2005). Michel Foucault. Poder e análise das organizações. Rio de Janeiro: Editora FGV.

Strauss, A. L. & Corbin, J. (2008). Pesquisa qualitativa: técnicas e procedimentos para o desenvolvimento de teoria fundamentada. Porto Alegre: Artmed.

Strauss, A. L. (1987). Qualitative analysis for social scientists. Cambridge: Cambridge University Press.

Suddaby, R. (2006). From the editors: what grounded theory is not. Academy of Management Journal, 49(4), 633-642.

Tannock, S. (2013). Bad attitide? Migrant workers, meat processing work and the local unemployed in a peripheral region of the UK. European Urban and Regional Studies, 22(4), 416–430.

Trindade, R. (2014). Foucault - Panóptico ou a “visibilidade é uma armadilha. Recuperado em 28 janeiro, 2018, de https://razaoinadequada.com/2014/12/03/foucault-panoptico-ou-a-visibilidade-e-uma-armadilha/.

Zeni, K., & Filippim, E. S. (2014). Migração haitiana para o Brasil: acolhimento e políticas públicas. Revista Pretexto, 15(2), 11-27.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.