O MODELO TEIA DE RELAÇÕES PARA A CONSTRUÇÃO DA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL

Augusto César Barreto Rocha
DOI: https://doi.org/10.21529/RECADM.20060501007

Texto completo:

Artigo

Resumo

O presente trabalho propõe um modelo de mapeamento da estratégia empresarial chamado Teia de Relações,
que objetiva transpor a tradicional visão cartesiana, centrada na compreensão de elementos mecânicos que
interagem entre si (visão das partes, também defendida por Newton), para uma visão ecológica, onde o foco
das atenções são as relações. Para esse intento faz uma análise da importância das relações dentro do mundo
contemporâneo. Em seguida analisa alguns dos aspectos mais importantes utilizados pelo paradigma do
mapeamento cartesiano, especificamente associado aos conceitos de estratégia empresarial. Com base nas
seções anteriores, propõe uma abstração da estratégia organizacional através de um modelo chamado Teia de
Relações, que utiliza a hipótese de uma empresa ter as características de um ser vivo. Conclui pela adequação
do mapeamento ao contexto estudado, propondo trabalhos de pesquisa futuros para validação e
aprofundamento do tema.

 


Palavras-chave

estratégia; relações; sistemas


Referências


DEMING, W. Edward. A nova economia para a indústria, o governo e a educação. Rio de Janeiro: Qualitymark Editora, 1997.

DRUCKER, Peter F. Desafios gerenciais para o século XXI. São Paulo: Pioneira, 1999.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GOSLING, Jonathan e MINTZBERG, Henry. The five minds of a manager. Harvard Business Review, Boston, v. 81, n. 11, p. 54-63, nov. 2003.

HAWKING, Stephen. O universo numa casca de noz. 5. ed. São Paulo: ARX, 2002.

HEISENBERG, Werner. Physical principles of the quantum theory. New York, Dover Science, 1949.

HENDERSON, B. D. Henderson on corporate strategy. Cambridge: Art Books, 1979.

HOUAISS, Antonio (Ed.). Dicionário eletrônico Houaiss da língua portuguesa. São Paulo: Gama Design, 2001. CD ROM.

KAPLAN, Robert S. e NORTON, David P. Having Trouble with Your Strategy? Then Map It. Harvard Business Review, Boston, v. 78, n. 5, p. 167-176, sept./oct. 2000.

KAPLAN, Robert S. e NORTON, David P. Measuring the strategic readiness of intangible assets. Harvard Business Review, Boston, v. 82, n. 2, p. 52-63, feb. 2004.

MARX, Karl e ENGELS, Friedrich. O manifesto comunista. 12. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2003.

MASLOW, Abraham Harold. Maslow no gerenciamento. Qualitymark Editora: Rio de Janeiro, 2000.

MATURANA, Humberto e VARELA, Francisco. A árvore do conhecimento. São Paulo: Palas Athena, 2001.

MINTZBERG, Henry e QUINN, James Brian. O processo da estratégia. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

PORTER, Michael. Estratégia competitiva: técnicas para análises de indústrias e da concorrência. 17. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1986.

PORTER, Michael. Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. Rio de Janeiro: Campus, 1989.

SÁ, A. Lopes de. Como se faz um balanço. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1978.

SCHUMPETER, Joseph A. Capitalismo, socialismo e democracia. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1961.

STEFIK, Mark e STEFIK, Barbara. Breakthrough: stories and strategies of radical innovation. London: MIT Press, 2004.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.