LEGITIMIDADE, DISCURSOS ORGANIZACIONAIS E RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL

Alessandra Mello da Costa, José Luís Felício dos Santos Carvalho
DOI: https://doi.org/10.5329/RECADM.20050402006

Texto completo:

Artigo

Resumo

O presente estudo foi conduzido com o objetivo de investigar, nos discursos organizacionais, vínculos capazes de evidenciar relações de poder entre as ações sociais desenvolvidas e implementadas por organizações privadas pela via da Responsabilidade Social Empresarial (RSE) e processos de atribuição de legitimidade ao papel social do empresário. A uma revisão bibliográfica focada na compreensão histórica do compromisso social do empresário e na correspondente construção discursiva da instância do poder para legitimação deste papel, segue-se uma aplicação de análise do discurso, por meio da qual se procurou indícios da reprodução desta forma peculiar de discurso organizacional em duas publicações de grande circulação, ao longo de mais de dois anos. Os 38 discursos construídos pelos porta-vozes de alguns dos maiores grupos empresariais brasileiros e por formadores de opinião no meio empresarial trazem fortes indicativos de que a construção discursiva da RSE vem se configurando como fundamental para este processo de legitimação.


Palavras-chave

Análise de Discurso; Discursos Organizacionais; Responsabilidade Social Empresarial


Referências


ALLEN, D.; HARDIN, P. Discourse analysis and the epidemiology of meaning. Nursing Philosophy, v. 2, p. 163-176, 2001.

ALMEIDA, F. Ética, desenvolvimento moral e desempenho social das organizações: um modelo integrado de determinantes culturais e contextuais. Anais do XXVIII Encontro da ANPAD. Curitiba: ANPAD, 2004.

ALVESSON, M.; DEETZ, S. Teoria crítica e abordagens pós-modernas para estudos organizacionais. In: CLEGG, S.; HARDY, C. & W. NORD, W. (Orgs.). Handbook de Estudos Organizacionais. São Paulo: Atlas, 1998. 2 v., p.227-266.

ALVESSON, M.; KARREMAN, D. Varieties of discourse: on the study of organizations through discourse analysis. Human Relations, v. 53, n. 9, p. 1125-1149, 2000.

ASHLEY, P. Ética e Responsabilidade Social nos Negócios. São Paulo: Saraiva, 2002.

ASHLEY, P.; MACEDO-SOARES, T. Um modelo conceitual para a incorporação da responsabilidade social à governança das relações negócio-sociedade. Anais do XXV Encontro da ANPAD. Campinas: ANPAD, 2001.

BOBBIO, N.; MATTEUCCI, N.; PASQUINO, G. Dicionário de Política. Brasília: Editora da UnB, 1992.

BOJE, D. Stories of the storytelling organization: a postmodern analysis of Disney as "Tamara-Land". Academy of Management Journal, v.38, n. 4, aug. 1995.

BOJE, D.; OSWICK, C.; FORD, J. Language and organization: the doing of discourse. Academy of Management Review. v. 29, n. 4, p. 571-577, 2004.

BOJE, D.; ROSILE, Grace Ann. Life imitates art: Enron´s epic and tragic narration. Management Communication Quarterly, v. 17, n. 1, p. 85-125, August 2003.

BOLTANSKI, L.; CHIAPELLO, È. Le Nouvel Esprit du Capitalisme. Paris: Gallimard, 1999.

CAPPELLIN, P.; GIULIANI, G.; MOREL, R.; PESSANHA, E. As organizações empresariais brasileiras e a responsabilidade social. In: KIRSCHNER, A.; GOMES, E.; CAPPELLIN, P. (Orgs.). Empresa, Empresários e Globalização. Rio de Janeiro: Relume Dumará-FAPERJ, p. 253-278, 2002.

CHANLAT, A.; BÉDARD, R. Palavras: a ferramenta do executivo. In: CHANLAT, J. O Indivíduo na Organização: Dimensões Esquecidas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1996. 1 v., p. 125-148.

CHEIBUB, Z.; LOCKE, R. Valores ou interesses? Reflexões sobre a responsabilidade social das empresas. In: Kirschner, A.; Gomes, E. e Cappellini, P. (Orgs.). Empresa, Empresários e Globalização. Rio de Janeiro: Relume Dumará- FAPERJ, 2002.

CLEGG, S. Poder, linguagem e ação nas organizações. In: CHANLAT, J. O Indivíduo na Organização: Dimensões Esquecidas. 3 ed. São Paulo: Atlas. v.1, p. 47-66, 1996.

CLEGG, S. Tecnologia, instrumentalidade e poder nas organizações. Revista de Administração de Empresas. São Paulo, v. 32, n. 5, p. 68-95, nov./dez. 1992.

DERRIDA, J. A Voz e o Fenômeno. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994.

ECO, U. Como se Faz uma Tese. 15. ed. São Paulo: Perspectiva, 2000.

ELLIOTT, R. Discourse analysis: exploring action, function and conflict in social texts. Marketing Intelligence and Planning, v. 26, n. 4, p. 65-68, 1996.

FAIRCLOUGH, N. Discourse representation in media discourse. Socio-Linguistics, n. 17, p. 125-139, 1988.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e Mudança Social. Brasília: Editora UnB, 2001.

FARIA, J.; MENEGHETTI, F. Discursos organizacionais. Anais do XXV Encontro da ANPAD. Campinas: ANPAD, 2001.

GIDDENS, A. A Constituição da Sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

GRANT, D.; KEENOY, T.; OSWICK, C. Organizational discourse. International Studies of Managment & Organization, v.31, n.3, p. 5-24, 2001.

HARDY, C. Researching Organizational Discourse. International Studies of Managment & Organization, v.31, n.3, p. 25-47, 2001.

HARDY, C.; CLEGG, S. Alguns ousam chamá-lo de poder. In: CLEGG, S.; HARDY, C.; NORDY, W.; CALDAS, M.; FACHIN, R.; FISCHER, T. (Eds.) Handbook de Estudos Organizacionais. São Paulo: Atlas, v.2, p.260- 289, 2001.

KREITLON, M. A ética nas relações entre empresas e sociedade: fundamentos teóricos da Responsabilidade Social Empresarial. Anais do XXVIII Encontro da ANPAD. Curitiba: ANPAD, 2004.

LIPOVETSKY, G. O Crepúsculo do Dever. Lisboa: Biblioteca Dom Quixote, 1994.

MELO NETO, F.; FROES, C. Gestão da Responsabilidade Social Corporativa: o caso brasileiro. Rio de Janeiro: Qualimark, 2001.

MENDONÇA, J.; GONÇALVES, J. Responsabilidade social nas empresas: uma questão de imagem ou de substância? Anais do XXVI Encontro da ANPAD. Salvador: ANPAD, 2002.

MORGAN, G. Imagens da Organização. São Paulo: Atlas, 1996.

PAGÈS, M.; BONETTI, M.; DE GAULEJAC, V.; DESCENDRE, D. O Poder das Organizações. 2ed. São Paulo: Atlas, 1993.

PARKER, I. Discourse: definitions and contradictions. Philosophical Psychology, v. 3, 1990.

REED, D. The realms of corporate responsibility: distinguishing legitimacy, morality and ethics. Journal of Business Ethics, v.21, n.1, ago. 1999.

REMENYI, D.; WILLIAMS, B.; MONEY, A.; SWARTZ, E. Doing Research in Business and Management: An Introduction to Process and Method. London: Sage, 1998.

SALSKOV-IVERSEN, D. A discursive perspective on British local governments response to change ... a tale of two cities. Discourse and Society v. 8, n. 3, p. 391-415, 1997.

SPINK, P. Discurso e ideologia gerencial. In: MOTTA, F.; CALDAS, M. Cultura Organizacional e Cultura Brasileira. São Paulo: Atlas, 1997.

STEFFY, B.; GRIMES, A. A critical theory of organization science. Academy of Management Review, v. 11, n. 2, p. 322-336, 1986.

VENTURA, E. Responsabilidade social das empresas sob a ótica do "Novo Espírito do Capitalismo". Anais do XXVII Encontro da ANPAD. Atibaia: ANPAD, 2003.

VENTURA, E.; VIEIRA, M. Institucionalização de práticas sociais: uma análise da Responsabilidade Social Empresarial no campo financeiro no Brasil. Anais do XXVIII Encontro da ANPAD. Curitiba: ANPAD, 2004.

WOOD Jr, T.; DE PAULA, A. Pop-Management. Anais do XXV Encontro da ANPAD. Campinas: ANPAD, 2001.

WOOD Jr, T.; DE PAULA, A. Pop-Management: Pesquisa Sobre as Revistas Populares de Gestão no Brasil. Anais do XXVI Encontro da ANPAD. Salvador: ANPAD, 2002.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.