ROTATIVIDADE DOS EXECUTIVOS E GOVERNANÇA CORPORATIVA NO BRASIL

Charles De Montreuil Carmona
DOI: https://doi.org/10.5329/RECADM.20040301005

Texto completo:

Artigo

Resumo

Este trabalho avalia as determinantes da rotatividade executiva e a valorização da firma em função da propriedade e estrutura de controle no mercado brasileiro, o qual apresenta baixa proteção para os investidores e empresas com poucos acionistas controladores. Também analisa a sensibilidade dessa rotatividade em relação ao tamanho da empresa, rentabilidade das ações e o índices Q de Tobin. As hipóteses testadas neste trabalho analisam a relação entre a rotatividade executiva e os conflitos de interesses potenciais entre controladores e administradores. Um conjunto de 46 empresas com ações negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA) foi analisado durante o período de 1997-2000, utilizando o modelo Probit, e foram encontrados resultados estatisticamente significantes em relação à causalidade da variável tamanho das empresas em relação ao nível de rotatividade dos executivos. Não foram obtidos resultados conclusivos em relação à variável que incorpora a mudança na estrutura de propriedade.

 


Palavras-chave

Eficiência Financeira; Governança Corporativa; Modelos Probit


Referências


ALDRED, C. U.K Risk Managers`stock May Be Rising. Business Insurance, Chicago, 4 de junho de

ANDERSON, Ronald C. Corporate governance and Firm Diversification. Financial Management,

spring 2000.

BEBCHUK, L. A rent-protection theory of corporate ownership and control. NBER Working Paper, n.

, 1999.

Business Europe`s Revolting Shareholders – The Economist, London, 12 de maio de 2001.

COFFEE, J. The future as history : the prospects for global convergence in corporate governance and

its implications. Northwestern University Law Review, n. 93, p. 641-708, 1999.

Experiências de Governança Corporativa. Harvard Business Review, São Paulo: Campus, 2001.

FRANKS, J.; MAYER, C. Ownership and Control of German Corporations. Manuscrito do London

School of Economics, UK, 2000.

Instituto Brasileiro Governança Corporativa –

GOMPERS, P.; ISHII J.; METRICK A. Corporate Governance and Equity Prices. NBER Working

Paper No. w8449. August 2001.

GREENE, William H. Econometric Analysis, 4th Ed, Prentice Hall, 2000.

KAPLAN, S. Top executive rewards and firm performance: a comparison of Japan and the United

States. Journal of Political Economy, n. 120, p. 510-546, 1994.

KAPLAN, S. Top executives, turnover, and firm performance in Germany. Journal of Law, Economics

& Organization, n. 10, p.142-159, 1994.

LA PORTA, R.; LOPEZ-DE-SILANES, F.; SHLEIFER, A. Corporate ownership around the world.

Journal of Finance, n. 54, p. 471-517, 1999.

LODI, João Bosco. Governança Corporativa, o Governo da Empresa e o Conselho de Administração.

São Paulo: Campus, 2000.

MARSHALL, J. As Boards Shrink,Responsibilites Grow. Financial Executive, jun. 2001.

MADDALA, G. S. Introduction to Econometrics. New York: Macmillan Publishing Company, 1988

McCONNELL, J.; Servaes, H. Additional evidence on equity ownership and corporate value. Journal

of Financial Economics , n.26, p. 595-612, 1990.

MORCK, R., Shleifer, A., Vishny, R. Management ownership and market valuation. Journal of

Financial Economics, n. 20, p. 293-315, 1988.

PINDYCK, Roberts; RUBINFELD, Daniel L. Econometric Models and Time Series. Mc Graw-Hill: New

york, 1986.

VOLPIN, Paolo F. Governance with poor investor protection: evidence from top executive turnover in

Italy. Jounal of Financial Economics Manuscript, Set. 2001.

WARNER, J.; WATTS, R.; WRUCK, K. Stock prices, event prediction and event studies: An

examination of top management restructuring. Journal of Financial Economics 20, p.461-492, 1988.

WHITE, Halbert. A heteroskedasticity-consistent covariance matrix estimator and direct test for

heteroskedasticity. Econometrica, 1980, Vol. 48, 817-838.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.