COMPETÊNCIAS ORGANIZACIONAIS E GESTÃO ESTRATÉGICA: UM ESTUDO EM INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS PÚBLICAS SOB A ÓTICA DA VISÃO BASEADA EM RECURSOS

Nemias Figueiredo Cardoso, Fátima Regina Ney Matos
DOI: https://doi.org/10.5329/RECADM.20100902004

Texto completo:

Artigo

Resumo

Este trabalho procura analisar as competências organizacionais de duas instituições financeiras públicas como recursos estratégicos para o alcance de vantagens competitivas que permitam o cumprimento da sua missão. Analisa as competências essenciais e distintivas de cada uma das organizações, estabelecendo uma análise comparativa entre estas. A pesquisa foi qualitativa, descritiva e realizada em dois bancos públicos localizados em Fortaleza. O instrumento de coleta utilizado foi a entrevista semi-estruturada e os dados foram tratados comparativamente, para possibilitar uma visão da situação das organizações. O referencial teórico adotado para a pesquisa considera o conceito de competências organizacionais (Hamel; Prahalad, 1995, Fleury; Fleury, 2001) articulado com a abordagem estratégia da visão baseada em recursos (RBV), de Barney (1991). Os resultados apontaram que, do ponto de vista da vantagem competitiva sustentável à luz da visão baseada em recursos (RBV), pode-se afirmar que o Banco A detém maior competitividade em relação ao Banco B, pois seus recursos e competências classificados como vantagem competitiva sustentável nos recursos organizacionais e nas competências essenciais em serviços financeiros são: conhecimentos, sistemas e, em relação aos serviços financeiros, apenas o processamento de transações apresenta vantagem competitiva, porém a mesma é de natureza temporária.

 


Palavras-chave

Competência organizacional; visão baseada em recursos (RBV); gestão estratégica por competências


Referências


BARNEY, J. B. Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, v. 17, p. 99- 120, 1991. doi: 10.1177/014920639101700108

BRITO, L. M. P. Gestão de competências, gestão do conhecimento e organizações de aprendizagem: instrumento de apropriação pelo capital do saber do trabalhador. Fortaleza: Imprensa Universitária, 2005.

CERVO, A. L.; BERVIAN, P. A.; SILVA, R. da. Metodologia Científica. São Paulo: Pearson, 2007.

CRAIG, J. C.; GRANT, R. M. Strategic Management. London: Kogan, 1997.

DUTRA, J. S. Gestão por Competências: um modelo avançado para o gerenciamento de pessoas. São Paulo: Gente, 2001.

FLEURY, M. T. L; FLEURY, A. Estratégias empresariais e formação de competências: um quebra-cabeça caleidoscópio da indústria brasileira. São Paulo: Atlas, 2001.

HAMEL, G.; PRAHALAD, C. K. Competindo pelo futuro: estratégias inovadoras para obter o controle do seu setor e criar os mercados de amanhã. Rio de Janeiro: Elsevier, 1995.

HITT, M. A.; IRELAND, R. D.; HOSKISSON, R. E. Administração estratégica: competitividade e globalização. São Paulo: Pioneira, 2008.

MILLS, J.; PLATTS, K; BOURNE, M.; RICHARDS, H. Competing through competences. Cambridge: Cambridge University Press, 2002.

MOTTA, F. C. P.; VASCONCELOS, I. F. G. de. Teoria geral da administração. São Paulo: Pioneira, 2004.

PENROSE, E. T. Teoria del crecimiento de la empresa. Madrid:

Aguilar, 1962.

WERNERFELT, B. A resource based view of the firm. Strategic Management Journal, v. 5, p. 171-180, 1994. doi: 10.1002/smj.4250050207

WRIGTH, P. L.; KROLL, M. J.; PARNELL, J. Administração estratégica: conceitos. São Paulo: Atlas, 2000.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.