Configuração e cultura organizacional, cooperação e inovação: análise de um modelo de equações estruturais em empresas fabricantes de equipamentos médicos

Cláudio Alberto de Moraes, Saulo Soares de Souza, André Castilho Ferreira da Costa, Hélio Morrone Cosentino
DOI: https://doi.org/10.5329/RECADM.20111001008

Texto completo:

Artigo

Resumo

O conhecimento dos fatores organizacionais que estimulam o desenvolvimento de inovações é um tema que desperta grande interesse de empresas e pesquisadores, pois proporciona às empresas oportunidades de manterem-se competitivas no mercado. O presente trabalho apresenta um modelo construído a partir de análise fatorial e equações estruturais, relacionando as variáveis estrutura e cultura organizacional, cooperação e inovação. A partir da validação do modelo proposto, verificou-se que para a amostra considerada de fabricantes de aparelhos médicos, pode-se afirmar que a configuração organizacional e cultura empresarial criam o ambiente para interação e cooperação que promovem o desenvolvimento de inovações.




Palavras-chave

Inovação; estrutura organizacional; ambiente para inovação


Referências


Aaker, D. A. (1998a) Administração Estratégica de Mercado (5a ed.) Porto Alegre: Bookman.

Aaker, D. A. (1998b) Developing Business Strategies (5a ed.). New York: Wiley.

Afuah, A. (1998). Innovation Management: Strategies, Implementation, and Profits. New York: Oxford University Press.

Ansoff, I. e Mcdonnell, E. J. (1993). Implantando a Administração Estratégica (2aed.). São Paulo: Atlas.

Certo, S. C., Peter, J. P., Marcondes, R. C. e Cesar, A. M. R. (2005). Administração Estratégica: planejamento e implantação da estratégia. São Paulo: Pearson.

Chandy, R. & K.Tellis, G. J. (1998). Organizing for radical product innovation: the overlooked role of willingness to cannibalize. Journal of Marketing Research. Chicago. Nov.

Chin, W. W. (1998). The Partial Least Squares approach to structural equation modeling. In: Marcoulides, G. A. (Ed.) Modern Methods for business research. USA: Lawrence Erlbaum Associates, pp. 295-336.

Cooper, R. G. (2000). Product innovation and technology strategy. Research Technology Managemente (online), Washington, Jan./Feb.

Christensen, C. M. e Overdorf, M. (2002). Enfrente o desafio da Mudança Revolucionária. In: Inovação na Prática: On Innovation. Harvard Business Review. Rio de Janeiro: Campus.

Christensen, C. M.e Raynor, M. E. (2003). O crescimento pela inovação: como crescer de forma sustentada e reinventar o sucesso. Rio de Janeiro: Elsevier,

Daft, R. L. (2002). Organizações: Teoria e Projetos. São Paulo: Pioneira.

Drucker, P. F. (2000). A nova sociedade das Organizações. In: Aprendizagem Organizacional: Gestão de pessoas para Inovação Contínua. Harvard Business Review Book. Rio de Janeiro: Campus.

Engel, J. F., Blackwell, R. D. e Miniard, P. W. (2000). Comportamento do Consumidor (8a ed.). Rio de Janeiro: LTC.

Fahey, L. (1994). Strategic management: today’s most important business challenge. In: Fahey, L. & Randall, R. M (Ed.). The portable MBA in strategy. New York: Wiley, 1994. pp. 3-50.

Finep - Financiadora de Estudos e Projetos. (2003). http://finep.gov.br/empresa/conceitos_ct.asp.

Fornell, C. & Larcker, D. F. (1981). Evaluating structural equation models with unobservable variables and measurement error. Journal of Marketing Research. v.18, p.39-50, fev. doi: 10.2307/3151312

Fry, Louis W. & Saxberg, Borje O. (1998). Homo ludens: playing man and creativity in innovation organization. University of

Washington, 1987 apud Grant, R. M. Contemporary Strategy Analysis (3a.ed.) Malden: Blackwell, p.287.

Galbraith, J. R. (1997). Projetando a organização inovadora. In: Starkey, K. Como as Organizações Aprendem: Relatos do sucesso das grandes empresas. São Paulo: Futura,

Galbraith, J. R. & Kazanjian, R. K. Strategy implementation: structure, systems and processes (2a ed.). St. Paul: MN, 1986.

apud Grant, R. M. Contemporary Strategy Analysis (3a.ed.) Malden: Blackwell, 1998. p.288.

Galbraith, J. R. e Lawler III, E. E. (1995). Organizando para competir no futuro: estratégia para gerenciar o futuro das organizações. São Paulo: Makron.

Gardner, J. W. (1999). Renovar para vencer: o indivíduo e a sociedade inovadora. São Paulo:Ibrasa.

Grant, R. M. (1998). Contemporary Strategy Analysis (3a ed.). Malden: Blackwell, 1998.

Hair Jr., J. F., Anderson, R. E., Tatham, R. L. e Black, W. C.(2009). Análise multivariada de dados (6a ed.) Porto Alegre: Bookman.

Hui, B. S. (1978). The Partial Least Squares approach to path models of indirectly observed variables with multiple indicators. Tese de doutorado em estatística. USA: University of Pennsylvania.

Ibge. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2000). Economia. Pesquisa Industrial – Inovação Tecnológica. Base 2000. .

Jöreskog, K. G. & Sörbom, D. Lisrel (1993). Structural Equation Modeling with the SIMPLIS Comand Language. USA: SSI – Scientific Software International, Inc.

Jöreskog, K. G.; Wold, H. (1982). The ML and PLS techniques for modeling with latent variables: historical and comparative aspects. In: Jöreskog, K. G.; Wold, H. (Ed.) Systems under indirect observation: causality, structure, prediction. Part I. Netherlands: North-Holland Publishing Company.

Kenny, J. (2003). Effective project management for strategic innovation and change in an organizational context. Project Management Journal, 34 (1), p.43, mar.

Kerlinger, F. N. (1980). Metodologia da Pesquisa em Ciências Sociais. São Paulo: EPU/EDUSP.

Kline, R. B. (1998). Principles and practice of structural equation modeling. New York: Guilford Press.

Koskinen, K. U., Pihlanto, P.& Vanharanta, H. (2003). Tacit Knowledge acquisition and sharing in a project work context. International Journal of Project Management. Kidlington, May. pp.281-290.

Kotler, P. (1997). Administração de Marketing: Análise, Planejamento, Implementação e Controle. São Paulo: Atlas.

Kotler, P. & Armstrong, G. (2000). Introdução ao Marketing (4a ed.). Rio de Janeiro: LTC.

Marconi, M. D. A. e Lakatos, E. M. (1996). Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisas, elaboração, análise e interpretação de dados (3a ed.). São Paulo: Atlas.

Mintzberg, H.; Ahlstrand, B. e Lampel, J. (2000). Safári da Estratégia: um roteiro pela selva do planejamento estratégico. Porto Alegre: Bookman

Mintzberg, H. (1998). The innovative organization. In: Mintzberg, H., Quinn, J. B. (Ed.). Readings in the Strategy Process (3a ed.). New Jersey: Prentice-Hall. pp.309-323.

Mintzberg, H. & Quinn, J. B. (Eds.). (1998). Readings in the Strategy Process (3a ed.). New Jersey: PrenticeHall. pp.323-333.

Morgan, G. (1996). Imagens da Organização. São Paulo: Atlas.

Nonaka, I. e Takeuchi, H. (2001). Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus.

OECD. (1994). The measurement of Scientific and Techonological Activities. Using Patent Data as Science and Tecnology Indicators. Patente Manual. http://oecd.com.

Ohmae, K. (1988). Getting back to strategy. In: Montgomery, C. A. e Porter, M. E. (1989). Vantagem Competitiva: Criando e sustentando um desempenho superior (19a ed.). Campus: Rio de Janeiro.

Pádua, E. M. M. de. (2000). Metodologia da Pesquisa: abordagem teórico-prática (6a ed.). Campinas: Papirus.

Porter, M. (1998). The competitive advantage of nations. 1990. In:

Porter, M. On Competition. Boston: HBS Press, pp.155-195.

Prahalad, C. K. & Hamel, Gary. (1990). The core competence of the corporation. In: Montgomery, C. A. & Porter, M. (Ed.). Strategy: seeking and securing competitive advantage. Boston: HBS Press. pp.277-299.

Quinn, J. B. (1985). Managing innovation: controlled chaos. In: Fahey, L. (1999). Competitors: outwitting, outmaneuvering and outperforming. New York: Wiley.

Quinn, J. B. & Mueller, J. A. (1963). Transferring research results to operations. Harvard Business Review, Jan.-feb. Boston: HBS Press.

Ringle, C.; Wende, S. & Will, A. Software SmartPLS. http://www.smartpls.de.

Ruggles. R. (2002). A inovação, agora, vem das redes. Harvard Management. HSM Management, 35 (3).

Saban, K., Lanasa, J., Lackman, C. & Peace, A. (2000). Organizational Learning: A Critical Component to New Product Development. Journal of Product and Brand Management, 9(2), pp 99-119. doi: 10.1108/10610420010322152

Santos, J. A e Parra Filho, D. (1998). Metodologia Científica. São Paulo: Futura.

Schewe, C. D. & Hiam, A. W. (1998). The portable MBA in marketing (2a ed.). New York: Wiley & Sons.

Sheth, J., Mittal, B. e Newman, B. (1999). Comportamento do Cliente: Indo Além do comportamento do consumidor. Editora Atlas. São Paulo.

Smith, M. (1991). Analysing Organizational Behavior. London: Macmillan.

Tidd, J., Bessant, J. e Pavitt, K. (2008). Gestão da Inovação (3a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Tushman, M. e Nadler, D. (1997) Organizando-se para a inovação. In: Starkey, K. Como as Organizações Aprendem: Relatos do sucesso das grandes empresas. São Paulo: Futura.

Van de Ven, A. (2000). Research on the Management of Innovation: The Minnesota Studies. New York: Oxford University.

Wright, P., Kroll, M. J. e Parnell, J. (2000). Administração Estratégica. São Paulo: Atlas.

Zilber, M. A. e Monteiro de Barros, L. A. (2001). Estratégia organizacional para o desenvolvimento de inovações. Anais do Seminário Latino-Íberoamericano de Gestión Tecnológica, Costa Rica, 9.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.