Plano de saúde corporativo: estudo de validação de um instrumento de avaliação da qualidade em uma indústria de calçados

Fernando Dewes
DOI: https://doi.org/10.5329/RECADM.20111001001

Texto completo:

Artigo

Resumo

Comumente a avaliação da qualidade de um plano de saúde corporativo considera apenas o grau de satisfação dos seus usuários.  Para a avaliação, tanto do grau de satisfação do usuário quanto do retorno do investimento em planos de saúde para a empresa, procedeu-se a construção e a validação de uma escala multidimensional. A construção da escala levou em conta as dimensões da qualidade associadas à satisfação do usuário e ao impacto dessa satisfação na sua relação com a empresa, como uma qualidade agregada. Para validação da escala foi procedida uma análise das suas propriedades psicométricas, a partir dos dados gerados por uma amostra de 280 trabalhadores.  Os resultados mostram que o plano de saúde proporciona satisfação aos trabalhadores e ganhos para a empresa, de acordo com o Modelo de Qualidade Agregada proposto. A escala apresentou consistência interna total e validade convergente aceitáveis. A análise fatorial sugeriu um conjunto de dez fatores relacionados à qualidade técnica, funcional e agregada do plano de saúde, que respondem por cerca de 60% da variância total. O estudo reafirma a importância de avaliar o retorno para a empresa dos investimentos em planos de saúde, no que o instrumento desenvolvido neste trabalho poderá ser útil.





Palavras-chave

Gestão de pessoas; plano de saúde corporativo; avaliação da qualidade


Referências


Bandeira, M., Pitta, A. M. F. & Mercier, C. (2000). Escala de avaliação da satisfação dos usuários em serviços de saúde mental: SATIS-BR. Jornal Brasileiro de

Psiquiatria, 49 (8), pp 293-300.

Bowers, M., Swan, J. E., & Hoekler, W. F. (1994). What attributes determine quality and satisfaction with health care delivery? Health Care Manager Review, 19 (4), pp. 49-55. PMid:7896552

Buchmueller, T.C., & Valletta, R.G. (1999). The effect of health insurance on married female labor supply. The Journal of Human Resources, 34 (1), pp. 42-70. doi: 10.2307/146302

Corrêa, S., Piola, S., & Arilha, M. (1998). Cairo em ação: estudo de caso Brasil. New York: Population Reference Bureau (mimeo).

Cronin, J., &Taylor, S. (1992). Measuring service quality: A reexamination and extension. Journal of Marketing, 56 (3), pp. 55-68. doi: 10.2307/1252296

Donabedian, A. (1980). La calidad de la atención médica: definición y métodos de evaluación. Mexico: La Prensa Médica Mexicana.

Donabedian, A. (1990). The seven pillars of quality. Archives of Pathology and Laboratory Medicine, Northfield, v. 114 (11), pp. 115-1118.

Gerschman, S., Veiga, L., Guimarães, C., Ugá, M. A. D., Portela, M. C., Vasconcellos, M. M., Barbosa, P. R., Lima, S. M. L. L. (2007). Estudo de satisfação dos beneficiários de planos de saúde de hospitais filantrópicos. Ciência & saúde coletiva, 12 (2).

Giacomoni, C. H. (2002). Bem-estar subjetivo infantil: conceito de felicidade e construção de instrumentos para avaliação. UFRGS: Tese de Doutorado, Pós-Graduação em Psicologia do Desenvolvimento, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil.

Gronroos, C. (1995). Marketing, gerenciamento e serviços: a competição por serviços na hora da verdade. Rio de Janeiro: Campus.

Kaiser, H. F. (1974). An index of factorial simplicity. Psychometrika, 39 (1), pp. 31-36. doi: 10.1007/BF02291575

Kilsztajn, S., Câmara, M. B., & Carmo, M.S.N. (2001). Gasto privado com saúde por classes de renda. XXIV General Population Conference/IUSSP.

Kinard, J. (200l). An examination of employer-provided benefits in the health care industry The Health Care Manager,18 (4), pp. 55-62.

Lam, S. S. K. (1997). Servqual: A tool for measuring patients' opinions of hospital service quality in Hong Kong. Total Quality Management, 8 (4), Aug., pp. 145-152. doi: 10.1080/0954412979587. PMCid:2860396

Malhotra, N. (2001). Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 3a ed., PA: Bookman.

MERIC, H. J. (1994). The effect of scale form choice on psychometric properties of patient satisfaction measurement. Health Marketing Quarterly, 11 (3-4), pp. 27-39. PMid:10137016

Milan, G. S., & Trez, G. (2005). Pesquisa de satisfação: um modelo para planos de saúde. RAE-eletrônica, 4 (2).

Norusis, M. J. (1994). SPSS professional statistic 6,1. Chicago: SPSS.

Pasquali, L. (1999). Escalas psicométricas. In Pasquali, L. (org). Instrumentos Psicológicos: manual prático de elaboração. Brasília: LabPAM; IBAPP.

Righi, A. W., Schmidt, A. S., & Venturini, J. C. (2010). Qualidade em serviços públicos de saúde: uma avaliação da estratégia saúde da família. Revista Produção Online 10 (3), pp. 649-669.

Spicer, J. (2002). How to measure patient satisfaction. QualityProgress, 35 (2), pp. 97-98.

Sternberg, R. J. (2008). Psicologia cognitiva. Porto Alegre: Artmed.

Urdan, A. T. (2001). A qualidade de serviços médicos na perspectiva do cliente. Revista de Administração de Empresas, 41 (4), pp. 44-55.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.