Do ‘relho’ à ‘reza’: a espiritualidade como estratégia de controle nas organizações

Fátima Regina Ney Matos, Germana Ferreira Rolim, Kátia Lene de Araújo Lopes, Vânia Freitas Lopes, Cláudia Maria Giesbrecht
DOI: https://doi.org/10.5329/RECADM.20111002004

Texto completo:

Artigo

Resumo

Considerando o pressuposto de que a espiritualidade pode ser uma sofisticada estratégia de controle nas organizações, o objetivo deste trabalho foi identificar o significado da expressão ‘espiritualidade nas organizações’ dado por alunos do curso de administração de uma Instituição de Ensino Superior pública, mostrando as representações sociais que a ela subjazem ou dela decorrem. Novas formas de controle surgem como resultado do processo de modernização, afastando-se da forma tradicional caracterizada pela vigilância direta de supervisores e torna-se crescentemente sofisticado. Foi feita uma pesquisa exploratória e descritiva, sendo o universo formado por 132 alunos matriculados no curso de administração, utilizando-se o critério de acessibilidade. A técnica de coleta utilizada foi o teste de evocação de palavras e a expressão indutora foi ‘espiritualidade nas organizações’. Os resultados mostraram que já existe um entendimento sobre a espiritualidade nas organizações entre os alunos, pois foram evocadas palavras que se relacionam proximamente ao tema.

 

 


Palavras-chave

Espiritualidade nas organizações; Representações sociais; Teste de evocação de palavras


Referências


Alves, R. (2005). Filosofia da Ciência – Introdução ao Jogo e suas Regras. 10ª Ed. São Paulo: Loyola.

Alvesson, M. & Deetz, S. (1998). Teoria crítica e abordagens pós-modernas para estudos organizacionais. In: Clegg, S.R.; Hardy, C. & Nord, W.R. Handbook de estudos organizacionais – Modelos de Análise e Novas Questões em Estudos Organizacionais. v. 1. São Paulo: Atlas.

Ashmos, D.P. & Duchon, D. (2000). Spirituality at work: A conceptualization and measure. Journal of Management Inquiry, 9(2), 134-145.

Bauman, Z. (2003). Comunidade: a busca por segurança no mundo atual. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Bourdieu, P. (1989). O Poder Simbólico. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil S.A; Lisboa: Difel.

Braverman, H. (1987). Trabalho e Capital Monopolista: a degradação do trabalho o século XXI. Rio de Janeiro: Editora Guanabara.

Burawoy, M. (1979). Manufacturing consent. Chicago: Chicago University Press.

Catanante, B. (2002). Espiritualidade no trabalho. In: Manual de Gestão de Pessoas e equipes: Estratégias e Tendências, vol. 1. São Paulo: Gente.

Cavedon, N. R. (2003). Antropologia para administradores. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Clegg, S. (1996). Poder, linguagem e ação nas organizações. In: Chanlat, J-F. (Org.). O indivíduo nas organizações - dimensões esquecidas. São Paulo: Atlas.

Colbari, A. de L. (1995). Imagens Familiares na Cultura das Organizações. In: Davel, E.; Vasconcelos, J. Recursos Humanos e Subjetividade. Petrópolis: Vozes.

Coutinho, M. da P. de L. (2001). Depressão infantil: uma leitura psicossociológica. In: Moreira, A. S. P. (Org.). Representações sociais: teoria e prática. João Pessoa: Editora Universitária/Autores Associados.

Crozier, M. (1983). A Sociedade Bloqueada. Brasília, DF: Editora UnB.

Durkheim, E. (1978). As formas elementares da vida religiosa. São Paulo: Abril Cultural.

Edwards, R. (1979). Contest terrain. New York: Basic Books.

Etzioni, A. (1989). Organizações Modernas. São Paulo: Pioneira.

Fleury, A. C. C & Vargas, N. (coords.). (1983). Organização do Trabalho: uma Abordagem Interdisciplinar. Atlas, São Paulo.

Foucault, M. (1987). Vigiar e Punir. Petrópolis: Vozes.

Foucault, M. (1985). História da Sexualidade 1: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições Graal.

Freitas, M. E. (2000). Cultura Organizacional: Identidade, Sedução e Carisma. 2 ed. Rio de Janeiro: FGV.

Garcia-Zamor, J. (2003). Workplace spirituality and organizational performance. Public Administration Review, 63(3), 355-363.

Giacalone, R.A. & Jurkiewicz, C.L. (2003).Toward a science of workplace spirituality. In: Giacalone, R.A. & Jurkiewicz, C.L. (Eds.). The Handbook of Workplace Spirituality and Organizational Performance. Armonk, NY: M.E. Sharpe,

Gomes, M.N. da L.M.; Sá, C.P. de & Oliveira, D.C.de. (2003). Representações sociais do ato infracional por adolescentes em conflito com a lei: uma comparação estrutural. Anais da Jornada Internacional 3 e Conferência Brasileira sobre Representações Sociais 1. Rio de Janeiro.

Gorender, J. (1997). Globalização, tecnologia e relações de trabalho. Estudos Avançados 29 (11), p. 311-361.

Guareschi, P. & Jovchelovitch, S. (Orgs.). (1994). Textos em Representações Sociais. 4ª Ed. Petrópolis: Vozes.

Hardy, C. & Clegg, S.R. (2001). Alguns ousam chamá-lo de poder. In: Clegg, S.R.; Hardy, C. & Nord, W.R. Handbook de estudos organizacionais – Reflexões e Novas Direções. v. 2. São Paulo: Atlas.

Harvey. D. (1994). Condição pós-moderna – uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. São Paulo: Edições Loyola.

Herzlich, C. A (1991). Problemática da Representação Social e sua Utilidade no Campo da Doença. Revista de Saúde Coletiva, v. 1, n. 2, Rio de Janeiro, IMS/UERJ/Relumé – Dumará.

Jodelet, D. (org.). (2001). As representações sociais. Rio de Janeiro: Uerj.

Jodelet, D. (1992). Folie et Représentations Sociales. In: Arruda, A. Representações sociais: emergência e conflito na psicologia social. São Paulo: Brasiliense.

Jovchelovitch, S. (1995). Vivendo a vida com os outros: intersubjetividade, espaço público e representações sociais. In: Guareschi P. & Jovchelovitch, S. Textos em representações sociais. 2 ed. Petrópolis: Vozes.

Jurkiewicz, C.L. & Giacalone, R.A. (2004). A values framework for measuring the impact of workplace spirituality on organizational performance. Journal of Business Ethics, 49, 129-142.

Kim, W.C. & Mauborgne, R. (1998). Procedural justice on strategic decision making, and the knowledge economy. Strategic Management Journal, 19, 323-338.

Krishnakumar, S. & Neck, C.P. (2002). The "what", "why" and "how" of spirituality in the workplace. Journal of Managerial Psychology, 17(3), 153-164.

Laabs, J. J. (1995). Balancing spirituality and work. Personnel Journal, 74(9), 60-62.

Luthans, F. (2002). Positive organizational behavior: Developing and managing psychological strengths. Academy of Management Executive, 16(1), 57-72.

Madeira, M. (2001). Representações sociais e educação: importância teórico-metodológica de uma relação. In: Moreira, A.P. (org.). Representações sociais: teoria e prática. João Pessoa: UFPB.

Marx, K. (2010). Crítica da Filosofia do Direito de Hegel. São Paulo: Boitempo.

Mattoso, J. (org.). (1996). A desordem do trabalho. São Paulo: Atlas.

Mazzotti, T.B. (2001). Representações sociais de problemas ambientais: uma contribuição à educação brasileira. In: Moreira, A.P. (org.). Representações sociais: teoria e prática. João Pessoa: UFPB.

Minayo, M.C.S. (1995). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo-Rio de Janeiro: Hucitec-Abrasco.

Morin, Estelle. (2001). Os Sentidos do Trabalho. Revista de Administração de Empresas–RAE. v. 41, n. 3, p. 8-19, jul/set.

Moscovivi, S. (2003). Representações sociais. Investigações em psicologia social. Petrópolis: Vozes.

Moscovivi, S. (1995). In: Guareschi, P. & Jovchelovitch, S. (Orgs.). Textos em representações sociais. 2ª Ed. Petrópolis: Vozes.

Motta, F. C. P. (1986). Organização e poder: empresa, Estado e escola. São Paulo: Atlas.

Pagés, M.; Bonetti, M.; Gaulejac, V. De & Descendre, D. (1987). O poder das organizações. 2.ed – São Paulo: Altas.

Pfeffer, J. (2003). Business and spirit: Management practices that sustain values. In: Giacalone, R.A. & Jurkiewicz, C.L. (eds.). The handbook of workplace spirituality and organizational performance. Armonk, NY: M. E. Sharpe.

Rego, A.; Cunha, M. P. e; Souto, S. (2007). Espiritualidade nas organizações e comprometimento organizacional. RAE-eletrônica, v. 6, n. 2, jul./dez.

Richards, D. (1995). Artful work: Awakening joy, meaning, and commitment in the workplace. San Francisco: Barrett-Koehler.

Robbins, S.P. (2005). Comportamento Organizacional. 11ª Ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Sá, C.P. (2002). Núcleo central das representações sociais. 2.ed. Petrópolis: Vozes.

Sato, L. (1991). Abordagem Psicossocial do Trabalho Penoso: Estudo de Caso de Motoristas de Ônibus Urbano. Dissertação de mestrado. Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia Social, PUC, São Paulo. 115 pp..

Silva, R. C. da. (2002). Organizacional, Cultura e Liderança: Evolução, Transformações e Perspectivas. Anais do II Encontro de Estudos Organizacionais, Recife.

Souza Santos, B. de. (1989). Introdução a uma ciência pós-moderna. 4ª Ed. Rio de Janeiro: Graal.

Strack, G.; Fottler, M.D.; Wheatley, M.J. & Sodomka, P. (2002). Spirituality and effective leadership in healthcare: Is there a combination? Frontiers of Health Services Management, 18(4), 3-17.

Vergara S. C.; Branco, P. D. (2001). Empresa Humanizada: a organização necessária e possível. Revista de Administração de Empresas - RAE, São Paulo, v. 41, n. 2, Abr./Jun.

Vergara, S. C. (2008). Métodos de Pesquisa em Administração. 3ª Ed. São Paulo: Atlas.

Vergara, S. C. (2000). Projetos e Relatórios de Pesquisa em Administração. 3ª Ed. São Paulo: Atlas.

Weber, M. (2000). Economia e Sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. 3.ed. Brasília, DF: Editora da Universidade de Brasília.

Zohar, D. & Marshall, I. (2000). Inteligência Espiritual. Rio de Janeiro: Record.

Zohar, D. (2001). Entrevista concedida à jornalista Susana Naiditch, Revista Exame.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.