Internacionalização de serviços pelo sistema de franquias: diretrizes para uma empresa de desenvolvimento de software

Cláudia Fabiana Gohr, Luciano Costa Santos, Rodolfo Maggioni
DOI: https://doi.org/10.5329/RECADM.20111002010

Texto completo:

Artigo

Resumo

A globalização e a internacionalização dos mercados têm afetado organizações de diferentes setores, incluindo as empresas prestadoras de serviços. Analisando a literatura da área, foi possível constatar que a franquia representa uma das maiores forças propulsoras no processo de globalização das empresas de serviços, surgindo como uma alternativa estratégica para a internacionalização dessas organizações. Nesse sentido, este artigo tem como objetivo apresentar um modelo teórico que contribui com diretrizes para o processo de internacionalização de serviços pelo sistema de franquias. O modelo proposto foi testado por meio de um estudo de caso em uma empresa de desenvolvimento de software, em que foram sugeridas maneiras pelas quais essas diretrizes poderiam ser aplicadas para a internacionalização desta empresa pelo sistema de franquias. As técnicas de coleta de dados adotadas foram a entrevista semiestruturada e a observação passiva. A partir dos dados coletados, pôde-se sugerir para a organização objeto de estudo: (i) o tipo de franquia que melhor atende às suas especificidades; (ii) os parâmetros necessários para o sucesso competitivo por meio da franquia; e, (iii) os aspectos que devem ser considerados na elaboração do contrato da franquia.

 


Palavras-chave

Internacionalização; Franquias; Operações de serviços


Referências


Andrade, J. P. (1998). Contratos de franquias e leasing (3ª ed.). São Paulo: Atlas.

Barney, J. B., & Hesterly, W. S. (2007). Administração estratégica e vantagem competitiva. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Benito, G. R. G. (2005). Divestment and international business strategy. Journal of Economic Geography, 5(2), 235-151. http://dx.doi.org/10.1093/jnlecg/lbh041

Bennett, D. (2007). Gestão de operações internacionais: conceitos fundamentais. In A. F. Fleury, M. T. L. (Ed.), Internacionalização e os países emergentes (pp. 36-52). São Paulo: Atlas.

Bernard, D. A. (1993). Franchising estratégico: como obter alavancagens e sinergias por meio da taxa inicial e dos royalties. Revista de Administração de Empresas, 33(4), 18-31.

Besanko, D., Dranove, D., Shanley, M., & Schaefer, S. (2004). Economics of strategy (3rd ed.). Hoboken: Wiley.

Boyle, E. (2002). The failure of business format franchising in British forecourt retailing: a case study of the rebranding of Shell Retail`s Forecourts. International Journal of Retail & Distribution Management, 30(5), 251-263. http://dx.doi.org/10.1108/09590550210426417

Cherto, M., Campora, F., & Garcia, F. (2006). Franchising: uma estratégia para expansão de negócios. São Paulo: Premier Máxima.

Cohen, M., & Silva, J. F. (2000). O impacto das decisões estratégicas no desempenho dos franqueados em fast-food: o papel do relacionamento entre franqueador-franqueado. Revista de Administração Contemporânea, 4(2), 109-131.

Connell, J. (1997). International hotel franchise relationships: UK franchisee perspectives. International Journal of Contemporary Hospitality Management, 9(5-6), 215-220. http://dx.doi.org/10.1108/09596119710172598

Costa, J. (1995). An empirically-based review of the concept of environmental scanning. International Journal of Contemporary Hospitality Management, 7(7), 4-9. http://dx.doi.org/10.1108/09596119510101877

Dant, R., & Kaufmann, P. (2003). Structural and strategic dynamics in franchising. Journal of Retailing, 79(2), 63-75. http://dx.doi.org/10.1016/S0022-4359(03)00011-3

Doherty, A. M. (2007). The internationalization of retailing: factors influencing the choice of franchising as a market entry strategy. International Journal of Service Industry Management, 18(2), 184-205. http://dx.doi.org/10.1108/09564230710737826

Etzel, M. J., Walker, B. J., & Stanton, W. J. (2001). Marketing. São Paulo: Makron Books.

Ferraz, J. C., Kupfer, D., & Haguenauer, L. (1997). Made in Brazil: desafios competitivos para a indústria. Rio de Janeiro: Campus.

Fitzsimmons, J. A., & Fitzsimmons, M. J. (2010). Administração de serviços: operações, estratégia e tecnologia da informação. Porto Alegre: Bookman.

Gillis, W., & Castrogiovanni, G. J. (2010). The franchising business model: an entrepreneurial growth alternative. International Entrepreneurship and Management Journal, 1-24.

Hall, R. H. (2004). Organizações: estruturas, processos e resultados. São Paulo: Prentice Hall.

Hitt, M. A., Ireland, R. D., & Hoskisson, R. E. (2008). Administração estratégica: competitividade e globalização (2ª ed.). São Paulo: Thomson Learning.

Kotler, P. (1998). Administração de marketing (5ª ed.). São Paulo: Atlas.

Leite, R. C. (1991). Franchising na criação de novos negócios (2ª ed.). São Paulo: Atlas.

Lindblom, A., & Tikkanen, H. (2010). Knowledge creation and business format franchising. Management Decision, 48(2), 179-188. http://dx.doi.org/10.1108/00251741011022563

Luangsuvimol, T., & Kleiner, B. H. (2004). Effective franchise management. Management Research News, 27(4-5), 63-71. http://dx.doi.org/10.1108/01409170410784482

Maricato, P. (2006). Franquias: bares, restaurantes, lanchonetes, fast-foods e similares. São Paulo: Editora Senac.

Mauro, P. C. (2006). Guia do franqueador: como desenvolver marcas mundiais (4ª ed.). São Paulo: Nobel.

Mclaughlin, C. P., & Fitzsimmons, J. A. (1996). Strategies for globalizing service operations. International Journal of Service Industry Management, 7(4), 43-57. http://dx.doi.org/10.1108/09564239610129940

Melo, P. L. R., & Andreassi, T. (2010). Publicação científica nacional e internacional sobre franchising: levantamento e análise do período 1998-2007. Revista de Administração Contemporânea, 14(2), 268-288.

Milman, F. (1996). Franchising: Lei n. 8.955, de 15 de dezembro de 1994. Porto Alegre: Livraria do Advogado.

Monroy, M. F., & Alzola, L. M. (2005). An analysis of quality management in franchise systems. European Journal of Marketing, 36(5-6), 585-605. http://dx.doi.org/10.1108/03090560510590728

Mukherjee, A. (2003). Franchise management: a model of service-quality interactions. International Journal of Quality & Reliability Management, 20(3), 325-344. http://dx.doi.org/10.1108/02656710310461323

Niosi, J., & Tschang, T. (2009). The strategies of Chinese and Indian software multinationals: implications for internationalization theory. Industrial and Corporate Change, 18(2), 269-294. http://dx.doi.org/10.1093/icc/dtp005

Pedro, I., Filipe, J. A., & Reis, E. (2008). Factores determinantes da internacionalização das redes de franchising ibéricas. Economia Global e Gestão, 13(1), 65-84.

Pehrsson, A. (2004). Strategy competence: a successful approach to international market entry. Management Decision, 42(6), 758-768. http://dx.doi.org/10.1108/00251740410542320

Pfister, E., Deffains, B., Doriat-Duban, M., & Saussier, S. (2006). Institutions and contracts: Franchising. European Journal of Law and Economics, 21(1), 53-78. http://dx.doi.org/10.1007/s10657-006-5671-4

Pipkin, A. (2002). Marketing internacional: uma abordagem estratégica. São Paulo: Aduaneiras.

Polo-Redondo, Y., Bordonaba-Juste, V., & Palaciosl, L. (2011). Determinants of firm size in the franchise distribution system: empirical evidence from the Spanish market. European Journal of Marketing, 1-2, 170-190. http://dx.doi.org/10.1108/03090561111095649

Porter, M. E. (1991). Estratégia competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência (7ª ed.). Rio de Janeiro: Campus.

Preble, J. F. (1992). Franchising: a growth strategy for the 1990`s. American Journal of Business, 7(1), 25-41. http://dx.doi.org/10.1108/19355181199200006

Preble, J. F., & Hoffman, R. C. (1994). Competitive Advantage through Specialty Franchising. Journal of Services Marketing, 8(2), 5-18. http://dx.doi.org/10.1108/08876049410058406

Rocha, L. R. M. (2010). O processo de internacionalização para o Brasil: estratégias aplicadas às empresas da indústria de petróleo e gás. Revista Gestão Organizacional, 3(2), 197-208.

Rundh, B. (2003). Rethinking the international marketing strategy: new dimensions in a competitive market. Marketing Intelligence & Planning, 21(4), 249-257. http://dx.doi.org/10.1108/02634500310480130

Schwartz, J. C. (2003). Franquia de A a Z: o que você precisa saber. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Silva, V. L. S., & Azevedo, P. F. (2007). Formas plurais no franchising de alimentos: evidências de estudos de caso na frança e no Brasil. Revista de Administração Contemporânea, 11(Edição Especial 1), 129-152.

Simão Filho, A. (2000). Franchising: aspectos jurídicos e contratuais (4ª ed.). São Paulo: Atlas.

Solberg, C. A., & Durrieu, F. (2008). Strategy development in international markets: a two tier approach. International Marketing Review, 25(5), 520-543. http://dx.doi.org/10.1108/02651330810904071

Sundbo, J., Johnston, R., Mattsson, J., & Millett, B. (2001). Innovation in service internationalization: the crucial role of the frantrepreneur. Entrepreneurship & Regional Development, 13(3), 247-267. http://dx.doi.org/10.1080/08985620010029271

Tikoo, S. (2005). Franchisor use of influence and conflict in a business format franchise system. International Journal of Retail & Distribution Management, 33(5), 329-342. http://dx.doi.org/10.1108/09590550510596713

Yin, R. K. (1994). Case study research: design and methods (2nd ed.). Sage: Thousand Oaks.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.