Uma análise dos jogos de negócios como estratégia de ensino-aprendizagem à luz do interacionismo pelo viés dialético

Mario Nei Pacagnan, Paulo da Costa Lopes, Marcos Rubo, Valéria da Silva Marques Assis Rubo
DOI: https://doi.org/10.5329/RECADM.20121102008

Texto completo:

Artigo

Resumo

Tendo como sustentação, o interacionismo sujeito-objeto de Piaget no ensino-aprendizagem propiciado pela linha pedagógica predominante nos jogos de negócios dirigidos ao ensino de Administração, bem como a proposta de superação via interacionismo sujeito-social de Vygotsky, é que se estrutura o presente trabalho. Norteado pela dúvida sobre qual alternativa pedagógica incorporada à prática metodológica dos jogos de negócios permite avançar de um interacionismo sujeito-objeto para um interacionismo sujeito-social, busca-se como objetivo principal nesse ensaio, apresentar uma alternativa pedagógica para os jogos de negócios que avance para além da perspectiva interacionista piagetiana na direção do interacionismo vygotskyano. Nesse sentido a metodologia adotada constitui-se de uma pesquisa bibliográfica, que discorre inicialmente sobre as características das principais tendências pedagógicas, partindo da tradicional até a histórico-crítica. Na sequencia destaca-se que os jogos em si, apresentam desdobramentos relacionados as tendências humanista e cognitivista apoiando-se na valorização dos interesses e ritmos individuais. Explicando a diferença entre os modelos piagetiano e vygotskyano que possibilitaria uma superação interacionista, é apresentado um detalhamento dos processos avaliativos para os jogos de negócios dentro de uma proposta pedagógica com pano de fundo dialético que reforça a dimensão social do conhecimento a partir da perspectiva histórico-critica de Saviani. A partir da analise do processo ensino-aprendizagem, destacando as diferenças das contribuições de Piaget e Vygotsky, conclui-se que os jogos podem avançar ao propor critérios avaliativos objetivos que pressupõe tomada de consciência por meio da zona de desenvolvimento proximal, caracterizada pela distância entre o nível de desenvolvimento real do indivíduo e seu nível de desenvolvimento potencial.

 


Palavras-chave

Pedagogia dos jogos; psicologia dos jogos; interacionismo nos jogos de negócios


Referências


Freire, P. (1982). Educação. O sonho impossível. In: Brandão, C. R. (Org.). Educador: Vida e Morte. Rio de Janeiro: Graal.

Freire, P. (1996). (34. ed.). Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra.

Gasparin, J. L. (2005). (3 ed.). Uma Didática para a pedagogia histórico-crítica. Campinas: Autores Associados.

Kolb, D. A. (1997). A gestão e o processo de aprendizagem. In Starkey, K. Como as organizações aprendem: relatos dos sucessos das grandes empresas. São Paulo: Futura. pp. 321-341.

Lopes, P. C. (2001a). Jogos de empresas geral: a perspectiva do animador com a utilização na pós-graduação latu senso. Paper presented at the XXV Encontro da ANPAD, Campinas.

Lopes, P. C. (2001b). Formação de administradores: uma abordagem estrutural e técnico-didática. (Tese Doutorado), Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Mizukami, M. G. N. (1986). Ensino: as abordagens do processo. São Paulo: EPU.

Motta, G. S., Melo, D. R. A. & Paixão, R. B. (2009). O Significado dos Jogos de Empresa no Processo de Aprendizagem em Administração: o discurso coletivo dos alunos. Paper presented at the XXXIII Encontro da ANPAD, São Paulo.

Motta, G. S., Quintella, R. H., Jahn, J. & Santos, L. I. N. C. (2009). A Utilização de Jogo de Empresas nos Cursos de Graduação em Administração no Estado da Bahia. Paper presented at the XXXIII Encontro da ANPAD, São Paulo.

Neill, A. L. (1963). A Liberdade sem Medo. São Paulo: Ibrasa.

Rogers, C. (1972). Liberdade para Aprender. Belo Horizonte: Interlivros.

Santos, R. V. (2003). “Jogos de Empresas” Aplicados ao Processo de Ensino e Aprendizagem de Contabilidade. Revista Contabilidade & Finanças, 31, p.78-95.

Sauaia, A. C. A. (2003). Conhecimento versus desempenho das organizações: um estudo empírico com jogos de empresas. Paper presented at the 7º Seminários em Administração, São Paulo.

Saviani, D. (2007). (39. ed.). Escola e democracia: Polêmicas do nosso tempo. Campinas: Autores Associados.

Scalcon, S. (2002). À procura da unidade psicopedagógica: articulando a psicologia histórico-cultural com a pedagogia histórico-crítica. Campinas: Autores Associados.

Skinner, B. F. (1957). Verbal Behavior. New York: Appleton-Century-Crofts.

Stahl, L. M.; Lopes, P. C. (2004). Estratégias de avaliação para jogos de empresas gerais: Avaliando desempenho ou aprendizagem. Paper presented at the XXVIII Encontro da ANPAD, Curitiba.

Vasconcellos, C. S. (2005). (16. ed.). Construção do conhecimento em sala de aula. São Paulo: Libertad.

Vygotsky, L. S. (1991). A formação social da mente, o desenvolvimento dos pocessos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes.

Vygotsky, L. S. (2001). A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.