Humor como estratégia discursiva: uma análise das charges do jornal sindical Folha Bancária

Daniel Francisco Bastos Monteiro, Gabriel Farias Alves Correia, Alexandre de Pádua Carrieri
DOI: https://doi.org/10.21529/RECADM.2021025

Texto completo:

PDF

Resumo

O objetivo do artigo é analisar como o humor enquanto estratégia discursiva em charges é capaz de revelar as práticas do Sindicato dos Bancários de São Paulo. O trabalho se torna relevante a partir da possibilidade de evidenciar práticas de resistência, transgressão ou contradição em organizações por meio de charges veiculadas em seus canais oficiais de comunicação. Adotamos a metodologia qualitativa e analisamos, com base na analítica de poder foucaultiana, cinco charges publicadas no jornal sindical Folha Bancária, além de nove reportagens e documentos públicos disponíveis no sítio do sindicato e da Fundação Projeto Travessia. Os resultados sugerem contradições nas práticas do sindicato, revelando incoerências em parcerias com bancos privados, estratégias de sindicalização que enfraquecem as lutas coletivas e a ausência de resultados expressivos em seus canais de denúncias contra o assédio moral.


Palavras-chave

humor; charges; jornal sindical; estudos organizacionais


Referências


Adegoju, A., & Oyebode, O. (2015). Humour as discursive practice in Nigeria’s 2015 presidential election online campaign discourse. Discourse Studies, 17(6), 643–662.

Alcadipani, R., Hassard, J., & Islam, G. (2018). “I shot the sheriff”: irony, sarcasm and the changing nature of workplace resistance. Journal of Management Studies, 55(8), 1452-1487.

Andrade, A. M., Araujo, B. F., & Souza, A. M. (2017). Personalidade, Satisfação e Estilos de Humor no Trabalho. Teoria e Prática em Administração, 7(1), 110-138.

Bauer, M. W., & Aarts, B. (2002). A construção do corpus: um princípio para a coleta de dados qualitativos. In M. W. Bauer & G. Gaskell (Orgs). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. (pp. 39-63, 7. Ed). Petrópolis: Vozes.

Barthes, R. (1990). O óbvio e o obtuso Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Burke, P. (2000). Fronteiras do cômico nos primórdios da Itália moderna. In J. Bremmer & H. Roodenburg (Orgs). Uma história cultural do humor (pp. 93-114). Rio de Janeiro: Ed. Record.

Carrieri, A. P. (2004). O humor como estratégia discursiva de resistência: as charges do SINTTEL/MG. Organizações & Sociedade, 11(30), 29-48.

Castro, C. (1997). As transformações no mundo do trabalho e a comunicação sindical. Revista FAMECOS, 4(7), 168-179.

Carvalho, G. (2013). Muito além do jornal: a nova imprensa sindical. Revista Estudos em Jornalismo e Mídia, 10(1), 256-273.

Cerrada, J. G. (2011). Espanha e França vistas através do humor gráfico espanhol. In I. Lustosa Org.). Imprensa, humor e caricatura: a questão dos estereótipos culturais (pp. 341-365). Belo Horizonte: Editora UFMG.

Collinson, D. L. (1988). Engineering humour: masculinity, joking and conflict in shop floor relations. Organization Studies, 9(2), 181-199.

Collinson, D. L. (2002). Managing humour. Journal of Management Studies, 39(3), 269-288.

Colombi, A. P. F. (2014). Entre a fragmentação e a ação unificada: uma análise da atuação do Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região durante os anos 2000. Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

Colombi, A. P., & Krein, J. D. (2016) As mudanças no sistema financeiro e as estratégias da ação sindical: o caso do sindicato dos bancários de São Paulo. Sociol. Antropol., 6(2), 469-494.

Costa, M. R. (2016). O corpo do manifestante das Jornadas de Junho de 2013: a charge e o editorial da Folha de São Paulo. Galáxia, 33, 158-170.

Cruz, H. (2013). Comunicação popular e trabalhadores: redes de comunicação e impressos dos movimentos sindicais e populares de São Paulo – 1970/1990. Projeto História, 48, s/p.

Deleuze, G. (1991). Foucault. São Paulo: Brasiliense.

Eco, U. (1989). Los marcos de la libertad cómica. In U. Eco, V. Ivanov, & M. Rector (Orgs). ¡Carnaval! México: Fondo de Cultura Económica.

Ferreira, M. N. (1988). A imprensa operária no Brasil. São Paulo: Ática.

Ferreira, M. N. (1995). O impasse da comunicação sindical: de processo interativo a transmissora de mensagens. São Paulo, Cebela.

Fischer, R. M. B. (2001). Foucault e a análise do discurso em educação. Cadernos de Pesquisa, 114, 197-223.

Fonseca, J. (1999). Caricatura: a Imagem Gráfica do Humor. Porto Alegre: Artes e Ofícios.

Foucault, M. (1985). História da Sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. (2007). A Arqueologia do Saber. 7ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Foucault, M. (2013). Microfísica do poder. (R. Machado, Trad.) Rio de Janeiro: Graal.

Godioli, A., & Pedrazzini, A. (2019). Falling stars and sinking ships: framing and metaphor in cartoons about Brexit. Journal of European Stuudies, 49(4), 302-323.

Gombrich, E. H. (1999). O arsenal do cartunista. In: Meditações sobre um cavalinho de pau. São Paulo: Edusp.

Gonçalves, T. M. (2017). Charge e humor: eis a questão. Percursos Linguísticos, 7(15), 186–204.

Goodwin, R. (2011). A monovisão dos estereótipos no desenho de humor contemporâneo. In I. Lustosa (Org.). Imprensa, humor e caricatura: a questão dos estereótipos culturais (pp. 519-534). Belo Horizonte: editora UFMG.

Gurgel, N. (2004). A charge numa perspectiva discursiva. Primeira Versão, 135(9), 1-9.

Hardy, C., & Phillips, N. (1999). No joking matter: discursive struggle in the Canadian refugee system. Organization Studies, 20(1), 1-24.

Junckes, I. J. (2009). Sindicalismo pragmático dos bancários do século XXI. Revista da ABET, 8(1).

Kuipers, G. (2011). The politics of humour in the public sphere: Cartoons, power and modernity in the first transnational humour scandal. European Journal of Cultural Studies, 14(1), 63–80.

Martins, S. P. (2000). Participação dos empregados nos lucros das empresas. 2ª ed. São Paulo: Atlas.

Medeiros, C. R., & Alcadipani, R. (2016). In the corporate backstage, the taste of revenge: misbehaviour and humor as form of resistance and subversion. Revista de Administração, 51(2), 123-136.

Miani, R. A. (2012). Charge: uma prática discursiva e ideológica. Revista 9ª Arte, 1(1), 37-48.

Miani, R. A. (2016). Coletâneas de charges da imprensa sindical: fontes visuais para uma história a contrapelo. Tempo & Argumento, 8(18), 249-267.

Motta, R. P. S. (2006). Jango e o Golpe de 1964 na caricatura. Rio de Janeiro: Zahar.

Oliveira, R. V. (2002). Sindicato cidadão: novos rumos do sindicalismo brasileiro? Oficina do Ces, 166, 1-22.

Oliveira, L. & Marques, A. C. S. (2012). A imagem de organizações públicas e o sentido de público no discurso de charges sobre Belo Monte. Líbero (FACASPER), 15, 59-70.

Ottoni, M. A. (2007). Os gêneros do humor no ensino de língua portuguesa: uma abordagem discursiva crítica. Tese de Doutorado, Universidade de Brasília, DF, Brasil.

Pena, F. G., Saraiva, L. A. S., Silva, M. A. F., & Lage, M. L. C. (2017). Entre os mecanismos de controle e a resistência: um estudo sobre as relações de poder nas organizações a partir da análise de charges. Gestão & Conexões, 6(2), 31-53.

Pires, M. C. F. (2014). Derrisão e ironia cínica no humor contemporâneo: os limites entre o politicamente incorreto e o incorretamente político. História, 33(2), 470-488.

Possenti, S. (2010). Humor, língua e discurso. São Paulo: Editora Contexto.

Possenti, S. (2020). Estudos Linguísticos, humor, política e ensino de Língua. Revista Heterotópica, 2(1), 51-60.

Rodrigues, S. B. & Collinson, D. L. (1995). Having fun? Humour as resistance in Brazil. Organization Studies, 16(5), 739-768.

Santos, R. P., & Miani, R. A. (2015). Iconografia de uma despedida: o adeus a Nelson Mandela por meio da charge. Discursos Fotográficos, 11(19), 95-117.

Saliba, E. T. (2017). História Cultural do Humor: balanço provisório e perspectivas de pesquisas. Revista de História, 176, 1-39.

da Silva Junior, J., & Silva, F. V. da. (2021). Já vi esse filme. Porto Das Letras, 7(2), 118-137.

Silva, A, C. (2017). Referenciação e Humor em Charges. Percursos Linguísticos, 7(15).

Silva, J. S. (2012). O percurso semântico das acepções do termo humor. Anais do SIELP, 2(1).

Souza, J. W. A. (2015). Analisando o discurso e o humor nas charges: do material linguístico à materialidade discursive. Revista Claraboia, 2(2), 70-82.

Taylor, P., & Bain, P. (2003). Subterranean worksick blues: Humour as subversion in two call centres. Organization Studies, 24(9), 1487-1509.

Travaglia, L. C. (2015). Texto humorístico: o tipo e seus gêneros. In A. C. Carmelino (Org). Humor eis a questão. São Paulo: Cortez.

Tomazi, M. M. (2011). Uma análise discursiva da construção do humor no gênero charge. Revista (Con) Textos Linguísticos, 5(5), 140-156.

Tonelli, M. J., & Zambaldi, F. (2019). Humor na academia e pesquisas sobre humor. Revista de Administração de Empresas, 59(2), 80-81.

Valadão, V. M., Medeiros, C. R. O., & Teixeira, F. D. (2017). Luz, câmera, ação! Quando a resistência ao poder e controle organizacional provoca o riso. Revista Interdisciplinar de Gestão Social, 6(2), 75-92.

Vidal Maia, J. & Matias, A. F. (2018). Análise semiolinguística na constituição de sentido e encenação argumentativa da charge jornalística. Letras Escreve, 8(2), 33-46.

Vivona, B. D. (2014). “To laugh or not to laugh”: Understanding the appropriateness of humour and joking in the workplace. The European Journal of Humour Research, 2(1), 1-18.

Weaver, S., & Mora, R. A. (2015). Introduction: tricksters, humour and activism. International Journal of Cultural Studies, ed. especial, 1-7.

Weick, K. E., & Westley, F. (2004). Aprendizagem organizacional: confirmando um oximoro. In S. R. Clegg, C. Hardy, & W. Nord (Orgs.). Handbook de Estudos Organizacionais. (Vol. 3). São Paulo: Atlas.

Westwood, R., & Johnston, A. (2011). Reclaiming authentic selves: control, resistive humour and identity work in the office. Organization, 19(6), 787-808.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.