Um estudo sobre a satisfação do consumidor esportivo que frequenta estádios de futebol em Belo Horizonte

André Francisco Alcântara Fagundes, Ricardo Teixeira Veiga, Danilo de Oliveira Sampaio, Caissa Veloso e Sousa, Élcio Eduardo de Paula Santana, José Edson Lara
DOI: https://doi.org/10.5329/RECADM.2013004

Texto completo:

Artigo

Resumo

O esporte tem-se posicionado como importante indústria da economia mundial. Acredita-se que a promoção de relevantes eventos esportivos que estão agendados para acontecer no Brasil, como a Copa do Mundo de Futebol de 2014, possibilitarão um desenvolvimento mais significativo dessa indústria. Considerando essa realidade, esta pesquisa tem como objetivo entender os motivos que levam os consumidores a frequentarem estádios de futebol, elencando fatores que possam contribuir para sua maior satisfação. Para a coleta de dados foram realizados três grupos focais na cidade de Belo Horizonte-MG. Como resultado, constatou-se que os principais motivos que influenciam os torcedores a frequentarem os estádios são: time de preferência; importância da partida; encontros sociais; acessibilidade ao ingresso; e garantia de segurança. Ademais, foi possível identificar fatores que contribuem com a satisfação: resultado da partida ser favorável ao time de preferência; eventos de entretenimento; serviços de melhor qualidade; transporte rápido e seguro; e conforto do estádio.

 


Palavras-chave

Consumidor esportivo; Estádios de futebol; Marketing esportivo; Comportamento do consumidor; Futebol


Referências


A.T Kearney. (2003). O jogo está começando. HSM Management, 4(7), 36-46.

Barbour, R. (2009). Grupos Focais. Porto Alegre: Artmed.

Bardin, L. (2008). Análise de conteúdo (4a ed.). Lisboa: Edições 70.

Beccarini, C., & Ferrand, A. (2006). Factors Affecting Soccer Club Season Ticket Holders’ Satisfaction: The Influence of Club Image and Fans’ Motives. European Sport Management Quarterly, 6(1), 01-22.

Cabrini, G. (2009, outubro 02). Olimpíada no Rio exigirá investimento de ao menos US$ 14,4 bi. Revista Exame, 953, Ano 40. Recuperado em 04 novembro, 2011 de http://portalexame.abril.com.br/economia/olimpiada-rio-exigira-investimento-ao-menos-us-14-4-bi-502794.html.

Deloitte Football Money League. (2011). Recuperado em 25 setembro, 2011 de http://www.deloitte.com/assets/Dcom-UnitedKingdom/Local%20Assets/Documents/Industries/Sports%20Business%20Group/UK_SBG_DFML2011.pdf.

Dias, C. (2000). Grupo focal: técnica de coleta de dados em pesquisas qualitativas. Informação Sociedade, 10(2), 01-12.

Fagundes, A. F. A., Sampaio, D. O., Sousa, C. V., & Lara, J. E. (2010, maio). Marketing Esportivo: Um Estudo Exploratório da Publicação Acadêmica Brasileira. Anais do Encontro de Marketing da ANPAD, Florianópolis, SC, Brasil, 4.

Flick, U. (2004). Uma Introdução à Pesquisa Qualitativa (2a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Funk, D C., & James, J. D. (2004). The Fan Attitude Network (FAN) Model: Exploring Attitude Formation and Change among Sport Consumers. Sport Management Review, (7), 01–26.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa (4a ed.). São Paulo: Atlas.

Godoi, C. K., Bandeira-de-Mello, R., & Silva, A. B. (Org.). (2006). Pesquisa Qualitativa Em Estudos Organizacionais: Paradigmas, Estratégias e Métodos. São Paulo: Sariva.

Heere, B., & James, J. D. (2007). Sports Teams and Their Communities: Examining the Influence of External Group Identities on Team Identity. Journal of Sport Management, (21), 319-337.

Madrigal, R. (1995). Cognitive and Affective Determinants of Fan Satisfaction with Sporting Event Attendance. Journal of Leisure Research,27(3), 205-227.

Masteralexis, L. P., Barr, C. A., & Hums, M. A. (1998). Principles and Practice of Sport Management. Gaithersburg-Maryland: An Aspen Publication.

Morgan, M., & Summers, J. (2008). Marketing Esportivo. São Paulo: Thomson Learning.

Mullin, B. J., Hardy, S., & Sutton, W. A. (2004). Marketing Esportivo (2a ed.). Porto Alegre: Bookman/Artemd.

Oliver, R. L. (1997). Satisfaction: A Behavioral Perspective on the Consumer. Singapura: McGraw-Hill.

Pitts, B., & Stotlar, D. (2002). Fundamentos de Marketing Esportivo. São Paulo: Phorte.

Pozzi, L. (1998). A Grande Jogada: teoria e prática do marketing esportivo. São Paulo: Globo.

Rein, I., Kotler, P., & Shields, B. (2008). Marketing Esportivo: a reinvenção do esporte na busca de torcedores. Porto Alegre: Bookman.

Teitelbaum, I., & Luce, F. (1995). Marketing Esportivo: uma volta de apresentação. Revista Brasileira de Administração Contemporânea, 1(5), 37-53.

Theodorakis, N., Kambitsis, C., Laios, A., & Koustelios, A. (2001). Relationship between measures of service quality and satisfaction of spectators in Professional sports. Managing Service Quality, 11(6), 431-438.

Trein, F., & Barcellos, P. F. P. (2006, outubro). Qualidade dos serviços em estádios de futebol. Anais do Encontro Nacional de Engenharia de Produção, Fortaleza, CE, Brasil, 26.

Trevisan, F. (2010). O mundo é uma bola. HSM Online. Recuperado em 12 janeiro, 2012, de http://br.hsmglobal.com/interior/index.php?p=imprimir_nota&idNota=56167.

Van Leeuwen, L., Quick, S., & Daniel, K. (2002). The Sport Spectator Satisfaction Model: A Conceptual Framework for Understanding the Satisfaction of Spectators. Sport Management Review, (5), 99-128.

Wakefield, K. L., Blodgett, J. G., & Sloan, H. J. (1996). Measurement and Management of the Sportscape. Journal of Sport Management, (10), 15-31.

Wakefield, K. L., & Sloan, H. J. (1995). The Effects of Team Loyalty and Selected Stadium Factors on Spectator Attendance. Journal of Sport Management, (9), 153-172.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.